Israel Fecha Fronteiras Ao Sul Enquanto O ISIS Se Movimenta No Sinai

Segundo semestre, as tensões estão em um crescente. Segue artigo traduzido:
—————————————————————————————————
O Estado Islâmico do Iraque e do Levante moveu-se ameaçadoramente perto das fronteiras de Israel nesta quarta-feira, 1 julho – não como previsto, ao norte, mas ao sul, pela península do Sinai.

Lá, o ISIS acompanhou seus ataques terroristas do Ramadã na França, Tunísia, Kuwait e Kobani, com um ataque maciço contra as forças egípcias e, declaradamente, capturou a cidade ao norte do Sinai do Sheikh Zuwaid, perto das fronteiras de Israel e da Faixa de Gaza.

A confirmação disto, significaria que a instalação MFO no Gora está sob o cerco do ISIS. Também significaria que os islâmicos haviam capturado sua primeira cidade egípcia, uma vitória comparável à apreensão da cidade iraquiana de Ramadi. Pelo menos 64 soldados egípcios foram mortos na luta feroz pela cidade.

Não é apenas um ataque terrorista, o ISIS lançou uma ofensiva militar em grande escala, começando com fogo e os atentados suicidas de morteiro contra cinco postos de controle militares egípcios.

Usando uma tática semelhante à utilizada na captura da cidade iraquiana de Ramadi, no mês passado, homens armados do ISIS seguiram este ataque inicial através de minivans, apoiado por fogo pesado de morteiro, para atacar as posições detidas por tropas egípcias atordoados. No total, cerca de 20 posições do exército egípcio foram atacados e em torno de Sheikh Zuwaid.

Reforços de tropas egípcias que sairam a partir de El Arish para o nordeste para ajudar a força sitiada, subiram em minas e armadilhas com bombas plantadas secretamente ao redor seus acampamentos e das delegacias de polícia. Helicópteros Apache Egípcios de ataque bombardearam as forças do ISIS e se viram confrontados por mísseis anti-aéreos portáteis usados por combatentes do ISIS.

Os islamitas estão adicionalmente dizendo terem tomado prisioneiros egípcios como reféns.

À medida em que a luta feroz cresceu durante esta quarta-feira, Israel fechou suas passagens de fronteira com o Egito e a Faixa de Gaza, e enviou reforços para o sul para o caso dos jihadis lançarem um ataque contra Israel do norte do Sinai.

Mais dados no artigo compartilhado abaixo …

 

The Islamic State of Iraq and the Levant moved ominously close to Israel’s borders Wednesday, July 1
VIRTUALJERUSALEM.COM

Fonte: (3) Dionei Vieira – Segundo semestre, as tensões estão em um…

Possíveis Ataques Em 4 De Julho Nos EUA

Apesar dos riscos de ataques em 4 de julho nos EUA, a sociedade não pode ser tornar refém do medo e é isso que o artigo abaixo enfatiza em sua conclusão. Concordo com esse ponto-de-vista …

Eu, particularmente, acredito que um ataque aos EUA este ano é mais provável no dia 11/09 (em vista de tudo que está relacionado a esta data como também ao fim do Shemitáh) do que agora em 04/07. Mas quando se fala de malucos terroristas, não se pode antecipar ou subestimar suas intenções.

Segue trecho do artigo traduzido:
————————–———————————————————————

 

O que fazer com os relatórios de que ISIS podem tentar realizar um ataque terrorista no Dia da Independência?

Vamos observar os fatos.

Não é a primeira vez, depois de 11/9, que autoridades norte-americanas têm expressado preocupações sobre possíveis ataques terroristas programados para coincidirem com datas significativas, tais como o 04 de julho. Em 2011, um oficial sênior dos EUA disse a repórteres: “Recebemos informações credíveis, muito recentemente, sobre uma possível trama dirigida à pátria que parece estar focada em Nova York e Washington, DC”, programados para o aniversário do grande ataque da Al-Qaeda nas duas cidades. Alguns sustentam que o ataque ao composto dos EUA em Benghazi foi programado para coincidir com 11/9. Na verdade, os avisos da iminente ameaça terrorista das autoridades voltam, tanto quanto, para 2002.

Em seguida, nós sabemos que o ISIS está ativo – tanto promovendo como inspirando ataques terroristas transnacionais. Apenas na semana passada ataques simultâneos ocorreram na França, Kuwait e Tunísia.

Além disso, os EUA continuam sendo um alvo principal para a atividade terrorista. Havia um outro plano terrorista islâmico relacionado que foi descoberto na semana passada, a terceira em menos de um mês.

Além disso, não podemos sequer ter a certeza de que um ataque poderia acontecer. Os terroristas têm contemplado atacar tudo, de alvos de alto perfil em grandes cidades até shoppings nos subúrbios.

Nada disso significa necessariamente que algo ruim vai acontecer durante o grelhar de cachorros-quentes e o acompanhamento dos principais desfiles de rua e fogos de artifício sobre o Capitólio.

Coordenar um ataque terrorista para acontecer em um momento e local específicos, especialmente quando provavelmente haverá maior consciência e segurança, complica o desafio de fazer um ataque terrorista, embora esses obstáculos não frustraram dois relativos amadores que bombardearam a Maratona de Boston (e que também tinham considerado a realização de um ataque no Dia da Independência).

Ainda assim, se um ataque ocorrer, as chances de que qualquer americano em particular venha a ser uma vítima são pequenos. Isso é um conforto frio, sendo que o propósito real dos ataques terroristas é nos aterrorizar, a morte de alguns de nós é apenas uma consequência.

O melhor conselho é que você tenha um bom dia, mas tome as precauções de senso comum que as pessoas devem sempre ter em público. Há uma abundância de listas lá fora das medidas corretas a serem tomadas. Leia uma.

A realidade é que mesmo a melhor segurança não é a prova de crianças em uma sociedade livre. Em 4 de Julho, todos os dias, os americanos não deveriam querer isso de nenhuma outra maneira. Quando uma sociedade livre desistir da liberdade os terroristas ganharam.

Artigo original aqui: http://pjmedia.com/tatler/2015/06/29/what-fireworks-does-isis-plan-for-the-4th-of-july/?print=1

Fonte: (2) Dionei Vieira – Fotos da Linha do Tempo

O Fim da Era Judaico-Cristã na América

A recente decisão do Supremo Tribunal Americano sobre a redefinição do casamento sela o fim da era cristã na América como os fundadores protestantes nos EUA haviam imaginado.

Desde bem antes de 1776 até a segunda metade do século 20, os valores morais dos Estados Unidos foram enraizados na Bíblia e no seu Deus.

Ao contrário da Europa, que se definiu como exclusivamente cristã, a América se tornou a primeira sociedade judaico-cristã. Os fundadores americanos eram cristãos – quer teologicamente ou culturalmente – mas eles estavam enraizados nas Escrituras Hebraicas. Até mesmo os americanos que não poderiam afirmar a teologia cristã ou judaica tradicional afirmaram a centralidade de Deus com a ética. Americanos, desde os seus fundadores, entenderam que, sem Deus, não há nenhuma verdade moral – e assumiram que essas verdades eram para ser adquiridas a partir da Bíblia mais do que em qualquer outro lugar.

Começando com a proibição da Suprema Corte sobre a oração em escolas não denominacionais em 1962, a decisão do casamento do mesmo sexo tem, essencialmente, a completa secularização do estado na sociedade americana. Isso é uma coisa sobre a qual ambos, de direita e esquerda, religiosa e secular, podem concordar. Um lado pode se alegrar com o fato, e os outros podem chorar, mas é um fato.

E o que substituiu o judaísmo, o cristianismo, os valores judaico-cristãos e a Bíblia? A resposta é: SENTIMENTOS.

Mais e mais americanos confiam em sentimentos ao tomar decisões morais. A vontade do coração humano tomou o lugar dos princípios morais das Escrituras Sagradas de Deus.

Anos atrás, eu gravei uma entrevista com uma estudante de graduação sueca. Comecei perguntando-lhe se ela acreditava em Deus. Claro que não.

Será que ela acredita em religião? Claro que não.

“Onde, então, você começa a sua noção de certo e errado?”, Perguntei.
“Do meu coração”, ela respondeu.

É por isso que cinco membros da Suprema Corte têm redefinido o casamento igualitário entre pessoas do mesmo sexo. Eles consultaram seus corações, suas vontades.

Isso é compreensível. Qualquer conservador religioso que não reconhece a perseguição histórica a homossexuais não pode entender que eles desejam casar-se, principalmente, devido a falta de compaixão.

Mas devemos ser honestos. Esta falta de compaixão é mais do que compensada pela mesquinhez expressa pelos defensores do casamento homossexual. Eles tornaram aqueles que acreditam que a instituição homem-mulher como essencial a família e o casamento tradicional, como o grupo mais retrógrado ou reacionário na América hoje.

É o coração – não a mente, e nem mesmo milênios de experiência humana, nem qualquer órgão secular ou religioso da sabedoria – que determinou que o casamento não deve mais ser definido como a união de um homem e uma mulher.

É do coração, não da mente, que concluiu que o gênero não tem nenhum significado. Essa é a essência do Brave New World ser levados a esse caminho. Pela primeira vez na história, sociedades inteiras estão anunciando que o gênero não tem nenhum significado. O casamento do mesmo sexo é, acima de tudo, a afirmação de que homens e mulheres não significam nada, são completamente intercambiáveis, e, sim, nem sequer existem objetivamente, porque você é apenas o sexo que você sente que você é. Isso explica o “T” em “LGBT”. O caso para o casamento do mesmo sexo é dependente da negação das diferenças sexuais.

É do coração, não da mente, que concluiu que tudo que uma criança precisa é ‘amor’, não um pai e uma mãe.

E é aí que reside um dos motivos que a noção de obediência a religião é tão rejeitada pela esquerda cultural. O Judaísmo e o cristianismo bíblico reprovam repetidamente que o coração humano seja como um guia moral. Além disso, a guerra para substituir Deus, os valores judaico-cristãos e a Bíblia como guias morais estão longe de terminar. O que isso leva?

Aqui estão três possíveis cenários:

1. Tornando-se cada vez mais como a Europa Ocidental, que mais ou menos criou as primeiras sociedades sem Deus e sem religião na história. Entre as consequências estão menos casamentos e nascimento de filhos.

2. Mais e mais ‘rejeição (?)’ – eventualmente a ‘proíbição’ – de judeus religiosos e cristãos, clérigos e instituições em se recusarem a realizar casamentos do mesmo sexo. Gerando um clima social de repúdio e desconfiança em relação as instituições fundamentadas na Bíblia.

3. Uma América cada vez mais guiada pelo coração das pessoas.
Se você confia na sua própria consciência e no coração humano, você deve se sentir confiante em relação ao futuro. Mas se você não confia nisso então você deve estar com medo do futuro. Valores judaico-cristãos fizeram da América, apesar de suas falhas, um mundo exclusivamente livre, democrático, próspero e a maior força para o bem no mundo. Sem esses valores fundamentais, tudo isso vai mudar.

http://www.dennisprager.com/the-formal-end-to-judeo-christ…/

Tradução: Edward Davis

 

The U.S. Supreme Court’s ruling on the redefinition of marriage seals the end of America as the Founders envisioned it. From well before 1776 until the second…
DENNISPRAGER.COM

Fonte: Dionei Vieira – O FIM DA ERA JUDAICO-CRISTÃ NA AMÉRICA A recente…

A Crise do Euro

Recomendo fortemente para quem está interessado em compreender os riscos que a questão da Grécia pode causar aos demais mercados, principalmente o europeu, para que leia esse artigo e a análise do economista e investidor britânico Alasdair Macleod. Eu tenho acompanhado o desenrolar dessa questão e o que os analistas do Brasil comentam e nenhum desses “analistas” brasileiros, sequer informam ou se é que o sabem, sobre as questões levantadas por Macleod.

Segue trecho do artigo traduzido:
———————————————
A crise do euro

Alasdair Macleod
29 de junho de 2015

Não cometa erros; a crise grega é uma crise do euro que ameaça a solvência do próprio BCE (Banco Central Europeu) e, portanto, a confiança na moeda.

Antes de entrar no por que, alguns comentários sobre a Grécia vai definir o cenário.

Na semana passada, ficou claro que a Grécia está caminhando para um calote de sua dívida do governo e também uma falha do seu sistema bancário. Com o benefício da retrospectiva, parece que o governo grego não estava disposto a fingir que era solvente e alargar o seu apoio financeiro, como se o fosse. Os outros ministros das Finanças da Zona do Euro e da Troika não estavam dispostos a aceitar esta realidade.

Não há nenhum benefício imediato de debater o porquê. O que importa agora são as consequências econômicas e financeiras, que são basicamente duas: o sistema bancário da zona euro é muito frágil e não pode absorver qualquer choque de calote soberano facilmente, e o próprio BCE precisa agora de refinanciamento. Vamos concentrar-se no BCE em primeiro lugar.

As perdas que o BCE encara da Grécia só são cerca de duas vezes o seu capital social e reservas. A assistência de liquidez de emergência (ELA) devidos pela Grécia aos totais do BCE somam € 89bn, e o saldo TARGET2 devido pelo Bank of Greece para os outros bancos centrais da zona euro é mais de € 100.3bn, que no final do dia é de responsabilidade do BCE. O total destas duas responsabilidades por conta própria é cerca de duas vezes o capital e reservas, que somam apenas € 98.5bn do BCE. Dada a probabilidade do colapso do sistema bancário grego e o calote do governo sobre sua dívida, podemos assumir que qualquer garantia realizada contra esses empréstimos, bem como de quaisquer títulos gregos detidos pelo BCE, são definitivamente mais ou menos inúteis.

O BCE tem duas linhas de ação: ou ele continua a apoiar a Grécia para evitar a cristalização de suas próprias perdas ou recapitalizar-se com um apelo aos seus acionistas. O anterior parece ter sido descartado por acontecimentos do último fim de semana. Para o mais recente, uma olhada nos direitos parece um desafio, para dizer o mínimo, porque nem todos os bancos centrais nacionais da UE (União Européia) estão em condições de contribuir. Em vez disso, é provável que algum tipo de qualificação de bônus perpétuo será emitido para os quais deve haver assinantes prontos.

Como isso é feito é que é crucial, porque há um perigo considerável para o BCE da instabilidade de todo o sistema bancário da zona do euro, que é altamente orientada e extremamente vulnerável a qualquer reavaliação do risco de crédito soberano. Se você acredita que a crise grega não tem implicações para Itália, Espanha, Portugal e até mesmo a França, você vai cair fácil. Isso certamente é como o BCE gostaria de representar a situação. Se por outro lado você suspeitar de que o colapso do sistema bancário grego, além de seu calote soberano, juntamente com um efeito de arrastamento nos mercados de derivativos, têm implicações importantes para os mercados de títulos denominados em euros, provavelmente você vai correr para as montanhas. Sendo este último o caso, os bancos da zona do euro altamente orientadas são susceptíveis de enfrentar dificuldades, e elas irão afetar as próprias explorações de todas as obrigações do BCE, ambos de propriedade definitiva e realizada como de garantia contra empréstimos a bancos frágeis.

Em suma, o balanço do BCE, que está fortemente dependente do preço das obrigações (títulos) da zona euro não estejam colapso, é em si extremamente vulnerável a efeitos de contágio da Grécia. Como a situação no BCE torna-se claro para os mercados financeiros, a legitimidade do euro como moeda pode ser questionada, uma vez que não é mais do que uma construção artificial em circulação por apenas treze anos.

Em conclusão, o perturbador do problema grego é que corre o risco de desestabilizar o próprio euro, e acena para uma taxa de sub-par ao dólar.

Alasdair Macleod 29 June 2015 Make no mistake; the Greek crisis is a euro crisis that threatens the solvency of the ECB itself, and therefore confidence in the currency. Before going into why, a fe…
FINANCEANDECONOMICS.ORG

Fonte: Dionei Vieira – Recomendo fortemente para quem está interessado em…

A Queda do Mercado de Ações da China Continua, as Perdas em Três Semanas de Queda Chegam a 24%

A questão da Grécia tem seus efeitos e sua gravidade, mas a China está causando neste momento ainda mais perdas em volume de dinheiro pelo tamanho de seu mercado e muitos parecem esquecer disso … estamos falando em quase 2 trilhões de dólares em perdas, perto disso, os bilhões até aqui da Grécia, são apenas uns trocados …

Segue trecho do artigo traduzido:
————————————————————————————————-
A Queda do Mercado de Ações da China Continua, as Perdas em Três Semanas de Queda Chegam a 24%

Outra noite, outra perda no Mercado de Ações da China com os preços das ações em Xangai caindo quase 4%, enquanto os sul-africanos estavam dormindo. Isso leva a queda acumulada desde 12 de junho a um escalonamento de 24%, a maior queda em quase duas décadas, acabando com o boom do mercado de ações da China.

Bloomberg News

Mercado de Ações Colapsa (Bloomberg) – O estrategista do Bank of America Corp., David Cui, tem uma lista de medidas de apoio que o governo da China pode implementar para combater a queda mais acentuada de perdas do mercado de ações desde 1996.

Eles poderiam deter as ofertas públicas iniciais, incentivar as seguradoras a comprar ações, facilitar o acesso ao financiamento, reduzir o imposto de sinais ou cortar as taxas de empréstimos – apenas para citar alguns.

O problema, diz Cui, é que nenhuma dessas medidas são susceptíveis de desencadear um crescimento sustentado numa altura em que os comerciantes estão desenrolando um acúmulo de apostas alavancadas. Seu alvo de fim de ano para o Shanghai Composite Index implica em uma queda de 11 por cento a partir da segunda-feira próxima.

“A chamada de margem, a venda forçada, chamada de margem de ciclo vicioso pode desenvolver rapidamente uma dinâmica própria”, disse Cui, o chefe de estratégia de ações da China no Bank of America em um e-mail na segunda-feira.

As dúvidas sobre a capacidade dos responsáveis políticos para sustentar a segunda maior bolsa de valores do mundo estão se espalhando depois de um corte da taxa de juros no fim de semana e as especulações de que os reguladores vão deter IPOs não conseguiu impedir o Shanghai Composite de cair em um mercado
“selvagem”. O medidor precisaria cair mais de 13 por cento para coincidir com a sua desaceleração média desde 1990.

“Qualquer apoio que o governo pode fornecer seria de curta duração”, disse Chad Padowitz, o diretor de investimentos com sede em Melbourne no Wingate Asset Management Ltd., por telefone. “O único apoio real que eles podem fornecer ao longo do tempo está em fornecer uma economia razoavelmente equilibrada, crescendo. Essa é a melhor coisa que podem fazer. Qualquer coisa que eles façam a curto prazo, diminuir as taxas de juros para apoiar o mercado ou coisas assim, são um pouco tolo”.

Dinheiro emprestado

O papel crescente da alavancagem na negociação de ações chinesas está tornando-se especialmente difícil para as autoridades para controlar oscilações no que se tornou o mercado mais volátil do mundo depois da Grécia, de acordo com Paul Chan, o diretor de investimentos baseado em Hong Kong para a Ásia ex-Japão no Invesco Ltd.

A margem da dívida na Bolsa de Xangai caiu pelo sexto dia na segunda-feira para 1,36 trilhões de yuans (219 bilhões de dólares), o maior período de declínio desde junho de 2014, enquanto que 10 dias de volatilidade do medidor de referência saltou para o maior desde 2008.

“Fé Perdida”

O Shanghai Composite caiu 3,9 por cento as 10:12, hora local, na terça-feira.

Zhang Xiaoxi, um designer de 29 anos de idade, em Chongqing, diz que não há nada que o governo possa fazer para convencê-la de que as ações são uma aposta segura.

“Eu perdi a fé”, disse Zhang, que liquidou seus 20.000 yuan de investimento em ações na semana passada. “Com os catalisadores de política, o governo está apenas criando uma falsa ilusão de que o mercado saudável não terminou. Pode introduzir outras medidas ou políticas, mas eles não terão muito efeito já que as pessoas começaram a mudar seus fundos para outros canais, incluindo a propriedade”.

Mais detalhes no artigo compartilhado abaixo …

 

Another night, another rout on the China Stock Market as share prices in Shanghai dropped almost 4% taking the cumulative drop since 12 June to 24%.
BIZNEWS.COM|POR ALEC HOGG

Fonte: Dionei Vieira – A questão da Grécia tem seus efeitos e sua…