OPEP Está Prestes a Esmagar o Boom do Petróleo nos EUA

Como já escrevi antes, a guerra econômica dos muçulmanos contra o ocidente, em particular visando os EUA, segue a pleno vapor. Eu denunciei isso em outubro de 2014 em meu blog ( aqui: http://dcvcorp.com.br/?p=692 ), antes da OPEP assumir publicamente em novembro de 2014 a sua intenção de manter a produção em alta para forçar a queda no preço do petróleo e assim atingir a exploração de petróleo do seu principal alvo, os EUA. Os resultados já aparecem, além dos mais de US$1,3 trilhões em perdas devido a queda do preço do petróleo no mercado mundial, os efeitos nos EUA tem sido cada vez mais devastadores e, ao que tudo indica, isso não irá parar aí. Há muitos fatores nessa guerra, mas um dos principais é o ataque das forças muçulmanas contra o ocidente através de uma guerra econômica e a arma é o preço do petróleo …

Segue o artigo traduzido abaixo:
—————————————————————————————————–
Depois de um ano sofrendo as consequências econômicas da queda do preço do petróleo, a OPEP está finalmente prestes a sufocar o crescimento na produção de petróleo dos EUA.

A produção da nação está quase de volta para baixo, para o nível de bombeamento de novembro de 2014, quando a Organização dos Países Exportadores de Petróleo mudaram sua estratégia de se concentrar em bater nos concorrentes e recuperarem a sua quota de mercado. Como os wilts dos EUA, a demanda por petróleo da Opep vai crescer em 2015, encerrando dois anos de retiro, estima a Agência Internacional de Energia.

Enquanto os preços colapsam e há cortes históricos na perfuração sobre os EUA, membros da Opep também pagaram um preço pesado. Um ano de queda nas receitas do governo, crescendo os déficits orçamentários e a queda das moedas deixou vários membros com problemas econômicos graves. O fato de que o boom do petróleo dos EUA continuou por cerca de seis meses após a decisão de Novembro, a OPEP, até agora, só conseguiu trazer o mercado de volta para onde começou.

“Levou um longo tempo infernal e ele vai continuar a levar um longo tempo – a produção de petróleo dos EUA tem sido mais resistentes do que as pessoas pensavam”, disse Mike Wittner, chefe de pesquisa de mercados de petróleo em Societe Generale SA, em Londres. “A questão de fundo é que o reequilíbrio já começou”.

A OPEP abandonou o seu papel tradicional de diminuir a produção para evitar o excesso de oferta em novembro passado enquanto uma maré de óleo novo dos EUA corroía a sua quota do mercado mundial. O grupo preferiu manter o bombeamento, permitindo a subsequente queda do preço e espremer os concorrentes com custos mais elevados.

O plano parece estar funcionando. O petróleo continua a ser 34 por cento mais baixo do que quando a OPEP revelou sua estratégia em 27 de novembro – a negociação foi de US$ 47,63 por barril nesta quarta-feira. A produção de petróleo nos EUA recuou cerca de 500.000 barris por dia a partir do pico de três décadas que alcançou em junho para 9,1 milhões por dia na semana para 09 de outubro, de acordo com dados da Administração de Informação de Energia.

As perdas vão acelerar no próximo ano com uma queda de 390.000 barris por dia na produção média anual de 8,86 milhões de barris por dia, de acordo com a EIA. Fortunas da OPEP vão melhorar à medida que os EUA diminuirem, com a procura a previsão da AIE para a escalada bruta do grupo para 31,1 milhões de barris por dia no próximo ano, dos 29,3 milhões em 2014.

“Sua estratégia ainda está funcionando para eles”, disse Mahesh Miswin, analista do Barclays Plc em Londres. “Isso significa que dói agora, mas a médio e longo prazo eles vão colher os frutos de um mercado mais equilibrado, fontes de xisto moderados, uma crescente demanda por petróleo e, finalmente, um preço mais elevado”.

A dor tem sido considerável. O preço médio de uma seleção de crudes da OPEP foi cerca de 46 por cento menor este ano do que em 2014, equivalente a uma perda de receitas de exportação de cerca de US$ 370 bilhões.

A Arábia Saudita, o principal arquiteto da nova estratégia da OPEP, terá um défice orçamental de 20 por cento do produto interno bruto este ano, estima o Fundo Monetário Internacional. Enquanto o reino tem sido capaz de explorar as reservas de moeda estrangeira e reduzir os gastos para lidar com a crise, os ativos financeiros podem cair dentro de cinco anos se o governo mantiver as atuais políticas e os preços permanecerem baixos, disse o FMI nesta quarta-feira.

Os membros menos ricos da OPEP têm ainda menos opções. A ameaça de instabilidade política está se formando na Argélia, Iraque, Líbia, Nigéria e Venezuela, de acordo com a RBC Capital Markets LLC.

Mais dados no artigo original: http://www.bloomberg.com/…/after-year-of-pain-opec-close-to…

Foto de Dionei Vieira.
Foto de Dionei Vieira.

Fonte: Dionei Vieira – Como já escrevi antes, a guerra econômica dos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *