O SENHOR e a Sua “Pluralidade” nos Originais

majestade

 

Eu amo estudar sobre o meu SENHOR e a Sua Majestade nas Escrituras em hebraico, pois no original certas frases ganham um sentido maior e mais interessante pela sua construção, termos e conjugações, afinal por melhor que seja a tradução, o idioma original sempre terá características próprias que só são perceptíveis nele e que se perdem na tradução.

Como exemplo, vou colocar uma série de versículos que ilustram a “pluraridade” do SENHOR que na versão em Português foram traduzidos de uma forma singular, mas que no original estão no plural. Como irá observar, o termo no original para “Deus” é “Elohiym”, quem conhece o hebraico já percebe, pela sua terminação, que Elohiym é plural e ele aparece já no primeiro versículo das Escrituras em Gênesis 1:1, ou seja, se fôssemos literalmente interpretar o versículo, teríamos algo como: “No princípio criou Deuses os céus e a terra”. Isso é gramaticalmente esquisito, visto que o verbo criar está no singular e não no plural como seria a concordância correta, por isso temos a tradução “criou Deus” e essa é a primeira pista na Bíblia da referência à “pluralidade” de Deus. Nos textos abaixo eu vou colocar como está o verbo no hebraico original entre colchetes e o nome usado do SENHOR para que se perceba a diferença com a versão traduzida:

Quando Deus [Elohiym] me fez [fizeram] andar errante da casa de meu pai, eu disse a ela: Este favor me farás: em todo lugar em que entrarmos, dirás a meu respeito: Ele é meu irmão.” (Gênesis 20:13)

E edificou ali um altar e ao lugar chamou El-Betel; porque ali Deus [Elohiym] se lhe revelou [foram-lhe revelados] quando fugia da presença de seu irmão.” (Gênesis 35:7)

Então, Josué disse ao povo: Não podereis servir ao SENHOR, porquanto é Deus [Elohiym] santo [santos], Deus zeloso, que não perdoará a vossa transgressão nem os vossos pecados.” (Josué 24:19)

Quem há como o teu povo, como Israel, gente única na terra, a quem tu, ó Deus [Elohiym], foste resgatar [foram resgatá-los] para ser teu povo? E para fazer a ti mesmo um nome e fazer a teu povo estas grandes e tremendas coisas, para a tua terra, diante do teu povo, que tu resgataste do Egito, desterrando as nações e seus deuses?” (2 Samuel 7:23)

Então, se dirá: Na verdade, há recompensa para o justo; há um Deus [Elohiym], com efeito, que julga [julgam] na terra.” (Salmos 58:11)

Porque o teu Criador [Criadores] é o teu marido; o SENHOR dos Exércitos é o seu nome; e o Santo de Israel é o teu Redentor; ele é chamado o Deus [Elohiym] de toda a terra.” (Isaías 54:5)

O que isso está nos dizendo é que a realidade de Deus é tão transcendente, tão incrível e tão alta que não há nenhuma palavra em qualquer linguagem que possa expressá-la devidamente. A palavra de Deus nos permite saber que tudo o que você acha que Deus é, saiba que Ele é ainda mais do que isso. Apesar de quão grande você acredite que Ele seja, Ele é ainda maior; apesar de tão belo, majestoso e impressionante que você creia que Ele é, Ele é ainda mais belo, mais majestoso e mais surpreendente. O que isso nos revela sobre Deus? Revela que, apesar do quanto acreditamos saber sobre Deus, há sempre mais para se saber … muito mais. Por isso, nunca pare de buscar à Ele, porque “Elohiym” é tão incrível que Ele é sem fim.

Existem vários debates para buscar explicar essas menções em plural como nos textos acima, desde a alegação por Rabinos de que são referências verbais em caráter “majestáticos”, passando pelas emanações do Eterno até a Trindade. Eu não desejo entrar nesse assunto neste post, pois o alongaria muito. Prefiro aqui apenas apreciar a beleza da Palavra do SENHOR e a Sua Grandeza!!!

O Islã Hoje, no Coração Geográfico dos Antigos Impérios e das Profecias Bíblicas

Uma observação que eu considero pertinente aos que gostam de estudar as Escrituras, a história antiga e as profecias e geografia dos países mencionados em muitos profetas quando envolvem os eventos do tempo do fim desta era, olhando a partir de Jerusalem e Israel como base geográfica …

– Os países do antigo Império Egípcio são hoje muçulmanos (o SENHOR combate contra eles como descrito em Isaías 19).

egito

– Os países do antigo Império Assírio são hoje muçulmanos (o SENHOR combate contra eles como descrito em Miquéias 5, Isaías 14)

map_of_assyria

– Os países do antigo Império Babilônico são hoje muçulmanos (o SENHOR combate contra eles como descrito em Jeremias 49-51)

babylon-empire-map2

– Os países do antigo Império Persa são hoje muçulmanos (o SENHOR combate contra eles como descrito em Ezequiel 38 e 39)

persian

– Os países do antigo Império Grego, em sua maioria, são hoje muçulmanos (o SENHOR combate contra eles como descrito em Zacarias 9:13,14 e Ezequiel 38)

greek3

– Os países do antigo Império Romano do Oriente (Bizantino), são hoje muçulmanos (o SENHOR combate contra eles como descrito em Zacarias 9:13,14 e Ezequiel 38)

roman

– Os países do antigo Império Romano do Ocidente, hoje estão sendo islamizados paulatinamente e, recentemente, de uma forma mais acelerada com as migrações de milhões de muçulmanos [vide imagem anterior e abaixo]. (não há citações diretas dos países europeus nas profecias bíblicas, como as que são observadas nas passagens anteriores citadas que geograficamente mencionavam tais regiões).

ng

Eu conheço os mais variados paradigmas escatológicos e sei que alguns alegam que o Islã seria exterminado antes dos eventos do tempo do fim, mas o que estamos vendo não corrobora com muitas dessas teses e paradigmas. Cada vez mais o Islã se mistura com o ocidente, o que me lembra que a palavra “misturado” de Daniel 2:43 é ערב “`arab” (em aramaico), que também está relacionada aos “árabes”.

Quanto ao que viste do ferro misturado (ערב `arab) com barro de lodo, misturar-se-ão mediante casamento, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura (ערב `arab) com o barro.” (Daniel 2:43)

Também não é irrelevante o fato do Islã pregar que Jesus não é filho de Deus e que não morreu numa cruz, como se diz acerca do espírito do Anticristo que prega exatamente tais coisas.

Hoje existem cerca de 1,5 bilhão de muçulmanos e 57 países do mundo são regidos pela Lei Islâmica da Sharia. Gostem muitos ou não, o Islã está no centro, no coração geográfico de hoje com relação às profecias bíblicas, exceto aconteça algo extraordinário que elimine exatamente os 1,5 bilhões de muçulmanos e repovoe milagrosamente essas regiões imediatamente com outros indivíduos e crenças, é nítido que o Islã possui um papel central nas profecias do tempo do fim desta era, segundo relatam muitas profecias.

Pérolas aos Porcos

perolasporcos

 

Uma análise mais detalhada sobre este famoso dito de Jesus …

Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis ante os porcos as vossas pérolas, para que não as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem.” (Mateus 7:6)

Particularmente, eu acredito que o fato de Jesus usar o plural (“pérolas“) significa, intuitivamente, que ele nos indica de que, se necessário, podemos fazer uso de pelo menos uma única “pérola” para com uma pessoa e, por meio dela, fazer a “leitura” de como essa pessoa a recebe de nós, para então usarmos de sabedoria e identificarmos se ela é ou não como um cão ou um porco, pois dependendo do resultado, não devemos gastar então mais nenhuma.

Gostaria de observar algumas coisas a mais sobre esse texto aqui, mesclando com um pouco do material do Dr. R. N. Champlin:

coisas santas” – provavelmente, alude à carne oferecida em sacrifícios; assim, temos o quadro de um sacerdote que jogava pedaços de carne, tirados do altar, aos cães que infestavam as cidades do oriente. As pérolas pequenas, denominadas “pérolas-sementes“, tinham a aparência de ervilha ou milho, que era comida de porcos. Portanto, temos aqui o quadro de um homem rico que jogava mãos cheias dessas pequenas pérolas aos porcos. A advertência não visa a missões religiosas, porque isso seria uma contradição a muitas outras passagens bíblicas, mas é um aviso para que não degrademos nem nossa fé preciosa e nem nós mesmos, por meio de uma atitude imprópria dirigindo nosso ensino àqueles que o degradam desdenhosamente.

coisas santas” e “pérolas” – o termo têm recebido várias interpretações simbólicas, tais como: 1) A fé cristã. 2) As verdades do Reino e de Deus. 3) A comunhão e os privilégios da comunidade cristã e, embora Jesus fale em termos gerais, parece ser essa a interpretação mais razoável.

Porcos” e “Cães” – Eram considerados animais imundos segundo a lei dos judeus. Esses animais são símbolos de certos tipos de homens. Há várias idéias sobre isso: 1) Os hereges (cães); os inimigos; os indivíduos hostis (porcos). 2) De acordo com Agostinho, os perseguidores hostis (cães) e os indivíduos imundos, sem nenhum sentimento de santidade (porcos). Paulo se referiu a homens assim: “… para que sejamos livres de homens perversos e maus; porque a fé não é de todos” (2 Ts 3:2). Os escritos judaicos falam de alguns homens como se fossem animais imundos e desavergonhados. Provavelmente, Jesus pensou nessas referências ao proferir essas palavras.

voltando-se, vos dilacerem” – Alguns acham que Jesus fala somente dos porcos com essas palavras, mas os cães do Oriente, às vezes, eram violentos; basta lembrar do caso de Jezabel que teve seu corpo devorado pelos cães. Esses cães no Oriente Médio comiam, por vezes, carne apodrecida, lixo ou qualquer coisa que encontrassem. Eram cães de comportamento violento. Esses animais eram um símbolo usado por Jesus para ilustrar a natureza de alguns homens. Precisamos usar de cautela com essas pessoas, não evitando ajudá-las quando isso for possível, mas sem fazer da verdadeira religião um motivo de zombaria por estes. Jesus não queria que os preceitos da verdadeira religião permanecessem ocultos, mas mostrou que esses ensinos não devem ser impostos às pessoas de má vontade ou que odeiam abertamente a causa cristã.

O Endurecimento do Coração de Faraó

coracaopedra

 

Compartilhando aqui alguns comentários sobre um questionamento feito a respeito da questão do “endurecimento do coração de Faraó” … a idéia não é esgotar o assunto, mas quem sabe essas informações podem vir a ser úteis …
————————————————————————————————————————————
Os termos que descrevem o endurecimento do coração de Faraó aparecem por vinte vezes em Êxodo (do capítulo 4 ao 14). Na descrição desse endurecimento são utilizados 3 verbos hebraicos: חזק (chazaq), כבד (kabad) ou כבד (kabed) e קשׂה (qashah). O significado básico de chazaq é “ser forte, duro“, a mesma raiz de Ezequias onde diz “o Senhor é a minha força“, e de Ezequiel onde diz “que Deus fortaleça“, num contexto negativo o significado seria mais para “cabeça-dura“. O verbo kabad significa “ser pesado” e essa palavra, além de descrever o coração, também pode descrever os olhos (Gn 48:10), os ouvidos (Is 6:10), ou a boca e a língua (Êx 4:10); onde cada uma dessas referências diz respeito ao mau funcionamento de um órgão em especial, quer em virtude de idade ou de doença. O verbo qashah significa “ser duro, severo, difícil“. Dos 3 verbos chazaq é o mais utilizado, 11 vezes; logo após vem kabad, 7 vezes e depois qashah, 2 vezes.

É curioso observar que, somente após a sexta praga vir sobre os egípcios é que vemos alguma referência a Deus endurecendo o coração de Faraó. Existem apenas duas referências a Faraó endurecendo o próprio coração (Êx 9:34,35) após Deus o ter feito. Certamente há relevância no fato de que, mesmo após Deus ter endurecido o coração de Faraó (Êx 9:12), o soberano do Egito, pelo menos mais uma vez, foi capaz de endurecer o seu próprio coração (Êx 9:34). Depois disso, contudo, é Deus e apenas Deus, que endurece o coração de Faraó. É como se a janela de oportunidade de Faraó tivesse se fechado.

Teria sido um acidente tudo isso? Querem as Escrituras dizer que Faraó, agora tão intransigente com Deus, havia perdido o direito de optar de forma consistente ou independente? A liberdade pode ser revogada? Sabemos que Faraó, pelo menos durante algum tempo, teve controle sobre as suas escolhas, mas jamais teve sobre as consequências dessas mesmas escolhas.

É interessante lembrar que durante o processo, Deus por diversas vezes tentou sensibilizar o coração de Faraó. O fez isso por meio de Moisés (Êx 8:8, 8:24), pelo testemunho de seus próprios mágicos (Êx 8:19), levando-o ao arrependimento, ainda que parcialmente (Êx 9:27) e mesmo assim Faraó continuou a pecar (Êx 9:34).

Vale lembrar que Paulo, em Romanos do capítulo 9 ao 11, se refere ao endurecimento do coração de Faraó e a ação de Deus (Rm 9:17-18 e 11:7,25). Isso mostra tanto a soberania divina quanto a liberdade moral do homem. Não deixa de ser interessante observar que, em Romanos, a palavra “misericórdia” (ελεεω eleeo) aparece 11 vezes, sendo que 9 delas estão nos capítulos 9 ao 11.

Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? De modo nenhum! Pois ele diz a Moisés: Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia e compadecer-me-ei de quem me aprouver ter compaixão. Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia. Porque a Escritura diz a Faraó: Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti o meu poder e para que o meu nome seja anunciado por toda a terra. Logo, tem ele misericórdia de quem quer e também endurece a quem lhe apraz.” (Romanos 9:14-18)

O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do SENHOR. Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o SENHOR pesa o espírito. Confia ao SENHOR as tuas obras, e os teus desígnios serão estabelecidos. O SENHOR fez todas as coisas para determinados fins e até o perverso, para o dia da calamidade. Abominável é ao SENHOR todo arrogante de coração; é evidente que não ficará impune. Pela misericórdia e pela verdade, se expia a culpa; e pelo temor do SENHOR os homens evitam o mal. Sendo o caminho dos homens agradável ao SENHOR, este reconcilia com eles os seus inimigos. Melhor é o pouco, havendo justiça, do que grandes rendimentos com injustiça. O coração do homem traça o seu caminho, mas o SENHOR lhe dirige os passos.” (Provérbios 16:1-9)

Tu, porém, me dirás: De que se queixa ele ainda? Pois quem jamais resistiu à sua vontade? Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim? Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra e outro, para desonra? Que diremos, pois, se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, a fim de que também desse a conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão, os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios? Assim como também diz em Oséias: Chamarei povo meu ao que não era meu povo; e amada, à que não era amada; e no lugar em que se lhes disse: Vós não sois meu povo, ali mesmo serão chamados filhos do Deus vivo. Mas, relativamente a Israel, dele clama Isaías: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo. Porque o Senhor cumprirá a sua palavra sobre a terra, cabalmente e em breve; como Isaías já disse: Se o Senhor dos Exércitos não nos tivesse deixado descendência, ter-nos-íamos tornado como Sodoma e semelhantes a Gomorra.” (Romanos 9:19-29)

Aonde, portanto, tudo isso leva a humanidade? Esse é o interesse de Romanos 9:30 até 10:21. É importante não parar em Romanos 9:29. Afinal, Deus é soberano sim, mas isso não nega a liberdade humana.

Paulo compara o endurecimento de Faraó ao endurecimento dos judeus; em ambos os casos, Deus usa esse endurecimento visando à redenção. Ele endureceu o coração de Faraó e o resultado foi a libertação dos Israelitas do Egito. Ele endureceu os judeus, o resultado é que foi permitido aos gentios que participassem do Reino de Deus. Esse endurecimento é permanente? Romanos 11:26 dá a resposta final: “E, assim, todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador e ele apartará de Jacó as impiedades“.

Virá ao seu templo o Senhor …

trombeta

 

Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo da Aliança, a quem vós desejais; eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos. Mas quem poderá suportar o dia da sua vinda? E quem poderá subsistir quando ele aparecer? Porque ele é como o fogo do ourives e como a potassa dos lavandeiros. … Então, a oferta de Judá e de Jerusalém será agradável ao SENHOR, como nos dias antigos e como nos primeiros anos. Chegar-me-ei a vós outros para juízo; serei testemunha veloz contra os feiticeiros, e contra os adúlteros, e contra os que juram falsamente, e contra os que defraudam o salário do jornaleiro, e oprimem a viúva e o órfão, e torcem o direito do estrangeiro, e não me temem, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Malaquias 3:1-2,4-5)


Note a distinção entre “Senhor” (אדני ‘adown) e “SENHOR” (יהוה Y@hovah) – uma alusão ao Cordeiro, o Messias, e ao que se assenta no Trono – no texto acima … observe também o trecho “… de repente, virá [בוא bow’ … entrará, ser colocado] ao seu templo o Senhor …”, ou seja, virá surpreendentemente, repentinamente, num instante. Perceba também o uso da palavra “templo” (היכל heykal … templo, nave, santuário, etc) em minúsculo, sinal de que o Senhor (veio e virá novamente) no seu “templo”, no seu corpo, por isso os anjos disseram em Atos: “Esse [mesmo] Jesus (corpo) … “

E, estando eles com os olhos fitos no céu, enquanto Jesus subia, eis que dois varões vestidos de branco se puseram ao lado deles e lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes subir.” (Atos 1:10-11)

O trecho “Mas quem poderá suportar o dia da sua vinda?” encontra eco em Apocalipse 6:17, “porque chegou o grande Dia da ira deles [o que se assenta no trono e o Cordeiro]; e quem é que pode suster-se?” …

… quanto ao “Anjo da Aliança” é importante observar as referências a seguir …

Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, em que firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá. … Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.” (Jeremias 31:31,33)

Semelhantemente, depois de cear, [Jesus] tomou o cálice, dizendo: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós.” (Lucas 22:20)

Por isso mesmo, Ele [Jesus] é o Mediador da nova aliança, a fim de que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia sob a primeira aliança, recebam a promessa da eterna herança aqueles que têm sido chamados.” (Hebreus 9:15)

Reflexão Sobre o Juízo da Geração da Volta do Senhor

juizo

 

Vou compartilhar uma meditação minha, ela está relacionada à última geração que irá presenciar os eventos do fim desta era, antes da próxima conforme os relatos bíblicos, e ao juízo relacionado a essa época.

Observando a nossa geração e o que ocorre nos dias atuais é natural você perceber que estamos fora dos caminhos do Eterno, exceto aos que pertencem ativamente da verdadeira igreja do Senhor, número este que não se tem como saber. Pensando nisso, eu me questionei sobre os juízos que a última geração antes da vinda do Senhor (que talvez seja a nossa), acabará por sofrer e por que tamanha severidade? Afinal serão eventos terríveis, nunca antes vistos até aqui, como está relatado nas Escrituras.

A resposta veio imediatamente ao meu coração: … esta geração, comparada às anteriores, nunca teve tanto acesso à informação e às evidências como tem hoje e, mesmo assim, eles não se arrependem e, mesmo grande parte dos ditos cristãos, permanecem indiferentes, alienados e egocêntricos.

Lembrei da passagem de Jonas 4:11, onde bastou um profeta ir à Nínive, mesmo que empurrado, para pregar o arrependimento ao povo e estes se converteram e mudaram os seus caminhos, baseados apenas na pregação de um único homem de Deus.

Também lembrei do texto em Mateus 10:5-15, onde Jesus ao instruir os seus discípulos para pregarem às cidades, alertou no fim que haveria menos rigor com Sodoma e Gomorra no dia do Juízo do que com a cidade que não recebesse a mensagem do evangelho pelos discípulos.

Bastou isso para inferir que hoje, com o volume de informação existente no mundo e a possibilidade de acesso ao evangelho, o qual está disponível até mesmo pelo celular através da Internet e, mesmo assim, o povo em geral (sempre há exceções), preferem buscar as coisas que não lhes acrescentam ou que não agradam ao SENHOR. É só observar o Facebook, até mesmo daqueles que se autodenominam cristãos, para perceber o porquê da apatia e da indiferença ao que ocorre em nosso tempo e ao verdadeiro caminho definido pelo Altíssimo.

As profecias e as suas evidências são, por si mesmas, acusadoras destes que se portam como se as mesmas não existissem ou não estivessem se cumprindo. Com isso, não foi difícil perceber o porquê de tamanho Juízo para a geração que irá presenciar os eventos da volta do Senhor e o tamanho de sua severidade.

Quem tem ouvidos, ouça a voz do Espírito!

Os Limites da Tentação e da Provação

prova

 

Existe uma certa confusão sobre os limites das provações e das tentações que assolam a vida de cada um, isso em si se deve muitas vezes até pela confusão entre o significado dos termos, visto que muitos acreditam serem sinônimos.

Mas, pelas Escrituras, a tentação não vai além de nossas forças, como está escrito … “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.” (1 Coríntios 10:13)

Porém, a provação pode sim ir além, como está escrito … “Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio na Ásia, porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos até da própria vida.” (2 Coríntios 1:8). Isso pode ser percebido também na situação dos muitos mártires conhecidos ao longo dos séculos e até na atualidade, onde a fé dos mesmos foi provada de tal forma e de tal maneira além de suas forças, que acabaram perdendo a vida no processo.

O que se precisa entender é que, o termo usado para “provação” e “tentação” possui a mesma fonte no grego, πειρασμος (“peirasmos”) e, algumas vezes, os intérpretes confundem e igualam ambos os significados, como se fossem a mesma coisa. Mas as provações são testes para lhe promover e lhe tornar melhor enquanto que as tentações são testes que buscam lhe derrubar. As provações tem o objetivo de lhe tornar perfeito e íntegro, em nada deficiente, como escreveu Tiago:

Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança. Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes.” (Tiago 1:2-4)

Se tentação e provação fossem as mesmas coisas, como explicar isso …

porque Deus não pode ser tentado pelo mal e Ele mesmo a ninguém tenta (πειραζω peirazo).” (Tiago 1:13b)

Pela fé, Abraão, quando posto à prova (πειραζω peirazo), ofereceu Isaque; estava mesmo para sacrificar o seu unigênito aquele que acolheu alegremente as promessas,” (Hebreus 11:17).

Se em ambas as referências acima, a palavra é a mesma no grego, e se tanto tentação quanto provação fossem a mesma coisa, os textos entrariam em conflito, pois Tiago diz que Deus não tenta (πειραζω peirazo) a ninguém, mas em Hebreus Abraão foi posto à prova (πειραζω peirazo) por Deus; sendo assim, tentação e provação não podem ser a mesma coisa de forma alguma. Por isso o contexto e um conhecimento maior do grego e de sua abrangência são fundamentais para uma boa tradução e interpretação dos originais.

tentacao_provacao