Uma Interpretação Profética da Volta de Jesus em Josué

Há pouco mais de um mês eu publiquei um artigo chamado “As medidas do Tabernáculo de Moisés e os seus significados proféticos” (veja esse artigo aqui) e, anteriormente à este, eu havia também publicado um outro artigo relacionado, em setembro de 2016, que fazia uma divagação a partir dos dias da criação chamado “Em Que Época Vivemos” (veja esse artigo aqui). O assunto que vou abordar hoje está, de certa forma, relacionado a estes dois anteriores pelo motivo de que as suas informações se harmonizam aos dados mencionados neles.

Como mencionei no artigo “Em Que Época Vivemos”, muitos Rabinos e estudiosos entendem que estão designados à humanidade 6.000 anos antes do milênio de descanso, o sétimo. A base para esse pensamento vem tanto da questão dos dias da criação, onde cada dia representa mil anos (vide Salmo 90:4, “Pois mil anos, aos teus olhos, são como o dia de ontem que se foi e como a vigília da noite.“), como também vem da interpretação dos 120 anos mencionados em Gênesis 6:3 (“Por causa da perversidade do homem, meu Espírito não contenderá com ele para sempre; ele só viverá cento e vinte anos.”), onde os sábios interpretam que o SENHOR se referia a 120 anos “jubileu”, ou seja, 6.000 anos, sendo o sétimo milênio, um “sábado” de descanso … o Reino Milenar de Cristo. Existem outros textos e interpretações que também levam para essa mesma conclusão, mas não as vou abordar aqui.

Obviamente não há uma clareza quanto ao dia exato em que Jesus voltaria, e isso está bem claro nos textos dos evangelhos, mas ao contrário do que muitos pensam, podemos não saber a data, mas podemos saber a época, observando as Escrituras e aos sinais que nos foram dados, afinal nós somos filhos da luz e não deveríamos estar “no escuro” quanto a isso, como bem disse Paulo …

Irmãos, relativamente aos tempos (χρονος chronos) e às épocas(καιρος kairos), não há necessidade de que eu vos escreva; pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite. Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão. Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse Dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite, nem das trevas. Assim, pois, não durmamos como os demais; pelo contrário, vigiemos e sejamos sóbrios.” (1 Tessalonicenses 5:1-6)

Tanto o SENHOR Deus definiu os tempos e as épocas com detalhes, que mesmo os demônios parecem saber sobre quando será essa época, e uma pista muito clara sobre isso pode ser lida nos evangelhos, aqui …

Tendo ele chegado à outra margem, à terra dos gadarenos, vieram-lhe ao encontro dois endemoninhados, saindo dentre os sepulcros, e a tal ponto furiosos, que ninguém podia passar por aquele caminho. E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo (καιρος kairos)?” (Mateus 8:28,29)

Perceba no texto que os demônios ficaram, de certa forma, surpresos … “Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo?” … veja que o termo não é o grego “chronos” (χρονος), mas “kairos” (καιρος) que representa uma época … veja aqui a definição dada pelo dicionário Strong sobre o termo “kairos“:

1) medida exata; 2) medida de tempo, maior ou menor porção de tempo; tempo fixo e definido, tempo em que as coisas são conduzidas a crise, a esperada época decisiva. … Ou seja, pelos termos utilizados, essa época não era a que Jesus veio em sua primeira vinda, mas o texto dá a entender de ser uma época futura e conhecida, tanto que os demônios parecem “surpresos”.

Eu acredito que existem muitos textos que apontam para essa época nas Escrituras, por isso citei esses dois artigos anteriores. Aqui eu vou mostrar mais um texto sobre essa mesma época, usando agora um trecho do livro de Josué, acompanhe comigo e eu colocarei a interpretação logo em seguida …

Sucedeu, ao fim de três dias, que os oficiais passaram pelo meio do arraial e ordenaram ao povo, dizendo: Quando virdes a arca da Aliança do SENHOR, vosso Deus, e que os levitas sacerdotes a levam, partireis vós também do vosso lugar e a seguireis. Contudo, haja a distância de cerca de dois mil côvados entre vós e ela. Não vos chegueis a ela, para que conheçais o caminho pelo qual haveis de ir, visto que, por tal caminho, nunca passastes antes.” (Josué 3:2-4)

Sabemos que o Antigo Testamento possui histórias e textos que representam “sombras” do que ocorreu no tempo de Jesus e profecias do fim dos tempos. Uma dessas “sombras” era a própria Arca da Aliança, que muitos teólogos e estudioso interpretam como sendo uma figura, uma simbologia de Jesus, o Messias. O meu objetivo aqui não é ilustrar os mais variados motivos desta simbologia para não alongar demais esse artigo, mas é curioso o fato de que após 3 dias a Arca iria à frente do povo como um guia para a Terra Prometida, por um caminho pelo qual eles nunca haviam passado antes, conforme informa o texto de Josué. E o texto também menciona que o povo deveria ficar distante dela, da Arca, por cerca de 2.000 côvados.

Sabemos que o côvado era majoritariamente usado como medida de distância, mas poderia também o côvado ser usado como medida de tempo?! Bem, observando as próprias Escrituras … sim … Jesus mesmo faz uma aplicação desse tipo, apesar de não ser específico sobre o quanto de tempo a que se refere, mesmo assim a parte importante de sua aplicação é o uso do côvado também como unidade de tempo, como está escrito:

Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida?” (Mateus 6:27)

Sendo assim, usando as simbologias e os dados do texto, vou inferir a seguinte interpretação do texto de Josué acima citado … após 3 dias (“ao fim de 3 dias“) quando Jesus (“a arca da Aliança“) ressuscitou, ele subiu aos céus indo à frente de nós, o Seu povo, a Igreja, por um caminho que não conhecemos e que leva à “Terra Prometida”, ao mundo vindouro, mas nós somente iremos chegar nesse mesmo destino que Ele após cerca de 2.000 anos depois de Jesus (“haja a distância de cerca de dois mil côvados entre vós e ela“).

Muitas vezes esse número (cerca de 2.000 anos) aparece nos textos das Escrituras, como eu já mencionei nos artigos referenciados anteriormente e também, para relembrar, em alguns textos que se tornam emblemáticos quando usamos o Salmo 90:4 como “chave” para interpretação (“Pois mil anos, aos Teus olhos, são como o dia de ontem que se foi e como a vigília da noite.”) …

Vinde, e tornemos para o SENHOR, porque Ele nos despedaçou e nos sarará; fez a ferida e a ligará. Depois de dois dias, nos revigorará; ao terceiro dia [milênio], nos levantará, e viveremos diante dEle. Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR; como a alva, a Sua vinda é certa; e Ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.” (Oséias 6:1-3)
 
Bem-aventurados aqueles servos a quem o SENHOR, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que Ele há de cingir-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando-se, os servirá. Quer Ele venha na segunda vigília, quer na terceira, bem-aventurados serão eles, se assim os achar.” (Lucas 12:37-38)
 
Estamos vivendo em uma época muito interessante, pois já fazem pouco mais de 2.000 anos que Jesus nasceu e logo fará 2.000 anos de Sua morte e ressurreição … não há uma data certa ou dia que possamos afirmar com certeza, mas se a interpretação dos cerca de 2.000 anos que vem de vários textos, além deste de Josué, for uma interpretação correta, podemos afirmar que vivemos num época muito, muito interessante e que pode sim ser marcada com a volta do Senhor … afinal não devemos ser pegos de surpresa, como bem colocou Paulo em Tessalonicenses … a não ser que você não seja filho da luz ou não esteja interessado realmente na volta de Jesus!

 

Jesus, o nosso “hupogrammos” …

Quando uma palavra grega aparece uma única vez em TODO o Novo Testamento, isso é uma característica em si suficiente para se estudar o seu significado e contexto mais à fundo, ainda mais quando ela está diretamente relacionada ao nosso Salvador, Senhor e Messias, Jesus. Abaixo segue o texto e a palavra em questão …

Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo (υπογραμμος hupogrammos) para seguirdes os Seus passos” (1 Pedro 2:21)

Nesta versão, e em muitas outras, o tradutor optou por traduzir “hupogrammos como “exemplo“, mas o significado é muito mais profundo e abrange ainda maiores implicações ao texto. Tecnicamente o termo grego “hupogrammos” (υπογραμμος), é uma palavra composta por dois termos gregos “υπο hupo” (sob, por debaixo) e “γραφω grapho” (escrever, com referência a forma das letras e/ou ao seu conteúdo), o que portanto significa: uma cópia escrita, que inclui todas as letras do alfabeto, dada aos iniciantes como uma ajuda para aprender a como desenhá-los.

Em termos simples para os dias de hoje, é como a criança ou o novato que está aprendendo a escrever as letras do alfabeto e precisa de um “molde” que esteja “por debaixo” para ele seguir com o lápis (vide imagens anteriores) e assim aprender como desenhar as mesmas, pois era essa a forma mais comum usada para se alfabetizar as pessoas no idioma grego nos tempos de Jesus. Por isso Pedro, inspirado pelo Espírito, faz uso desse termo no texto acima mencionado.

Sabendo agora disto, podemos expandir o significado do texto, pois segundo nos coloca Pedro, Jesus é o nosso “hupogrammos”. Jesus deixou-nos, através das Escrituras, um “hupogrammos” (um modelo escrito) pelo qual nós devemos “desenhar” todo o resto. A vida de Cristo é a vida, o hupogramos, sobre o qual nós devemos “desenhar” toda a nossa vida.

Sendo assim, as ações da vida do Messias são os hupogrammos das ações que devem delinear as nossas ações e reações de vida; os pensamentos de Jesus são os pensamentos hupogrammos que nós devemos ter; o caminho hupogrammos que Ele seguiu é o caminho que nós temos de seguir; o Seu amor é o hupogrammos do amor que nós devemos sentir … enfim, a nossa vida como um todo, em TODOS os seus aspectos, devem seguir “à risca o modelo dos passos já deixados pelo nosso Salvador e Senhor … Jesus é o hupogrammos de sua vida.

Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave.” (Efésios 5:1,2)

Entenda, você não pode seguir aquilo que desconhece, não há como seguir um caminho se você não sabe onde ele está. O quanto você conhece das Escrituras? Quão familiarizado está você com os pensamentos, palavras, sentimentos e ações de Jesus? É por isso que Jesus, em João 15, é tão enfático em dizer que as palavras dEle (seu hupogrammos), devem, precisam estar em nós, do contrário não temos parte com Ele.

Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam. Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos.” (João 15:5-8)

Deus, o nosso Pai Celeste, quando enviou o Seu Filho para este mundo, não apenas nos deu o meio de resgate da morte e do inferno por meio dEle, mas através do Filho, também nos ensinou como devemos nos portar e ter uma vida que O agrade e que lhE dê prazer, para sermos então verdadeiramente como filhos do Altíssimo, seguindo uma vida nos mesmos moldes da vida do Seu Filho. Jesus não apenas caminhou entre nós, Ele deixou o rastro de todas as marcas desse caminho para que sigamos em nossas vidas também pelo mesmo caminho, desde os nossos pensamentos, palavras e sentimentos até as nossas ações e reações. Portanto, analise a sua vida em todos os seus aspectos e veja se a sua “caneta” ainda está seguindo as mesmas “linhas” deixadas por Jesus, caso não esteja, recomendo corrigir o quanto antes!

Deus lhe abençoe e lhe faça transbordar do pleno conhecimento da Sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; a fim de que você viva de modo digno do Senhor, para o Seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus!!!

 

… e [Deus] lhe soprou nas narinas o fôlego de VIDAS …

Muitos estão familiarizados com o texto que fala da criação do homem …

Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente.” (Gênesis 2:7)

O que se perde na tradução é que o termo hebraico חיchay” que significa “vida“, no texto original está escrito assim “חַיִּ֑ים“, no plural, e significa “vidas” (“chayim“). Portanto, se for traduzir literalmente, seria algo assim:

Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vidas (חַיִּ֑ים) e o homem passou a ser alma vivente.” (Gênesis 2:7)

Ao contrário do termo hebraico “morte” (מותmaveth“) que está no singular, o termo relacionado à “vida” (חַיִּ֑ים “chayim”) é plural. O que isso significa? Eu poderia fazer várias digressões sobre o tema, mas não quero estender demais a questão … em Deus, limitada é a morte, portanto, a morte é finita. Em vista disso, ao homem está destinado apenas uma morte, como está escrito …

E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo,” (Hebreus 9:27)

Dessa forma, em Deus não é a vida que é limitada, mas sim a morte, e a morte não é o que vai durar para sempre, mas sim a vida, pois a morte terá um fim. O fato de a palavra vida (חַיִּ֑ים “chayim“) no texto estar no plural, denota que a vida é para além da vida … e como está escrito:

… Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; … ” (João 14:6)

Jesus é a vida, mas em hebraico Ele é חַיִּ֑ים chayim“. Ele é a vida que não tem fim. Por isso a morte, que é limitada, não conseguiu vencê-lO, porque חַיִּ֑ים “chayim” (vidas) é maior do que מותmaveth” (morte); e também por isso Jesus afirmou com tanta convicção …

Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá;” (João 11:25b)

A vida é maior do que a morte … Jesus é maior do que a morte ( recomendo também que leia esse outro artigo sobre o mistério de Isaías 53:9 que irá lhe acrescentar ainda mais sobre tudo o que já leu, clique aqui ) … por isso a morte não pôde segurá-lO, como está escrito …

Varões israelitas, atendei a estas palavras: Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós com milagres, prodígios e sinais, os quais o próprio Deus realizou por intermédio dele entre vós, como vós mesmos sabeis; sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos; ao qual, porém, Deus ressuscitou, rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse Ele [Jesus] retido por ela.” (Atos 2:22-24)

Dessarte, matastes o Autor da vida, a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas.” (Atos 3:15)

E nós, que nascemos de Deus, somos então de “chayim”; sendo assim somos o povo de vidas. Portanto, não participe de qualquer coisa que tenha a ver com a morte. Não tenha parte com o pecado ou a escuridão. Porque você é de Jesus, de “chayim“, a vida sem fim!

Destruirá neste monte a coberta que envolve todos os povos e o véu que está posto sobre todas as nações. Tragará a morte para sempre, e, assim, enxugará o SENHOR Deus as lágrimas de todos os rostos, e tirará de toda a terra o opróbrio do Seu povo, porque o SENHOR falou. Naquele dia, se dirá: Eis que este é o nosso Deus, em quem esperávamos, e Ele nos salvará; este é o SENHOR, a quem aguardávamos; na Sua salvação exultaremos e nos alegraremos.” (Isaías 25:7-9)

Eis que vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade. E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” (1 Coríntios 15:51-56)

 

A Bondade de Deus na Correção

Uma das características do SENHOR é a Sua infinita bondade … Deus é bom no sentido pleno da palavra e tudo o que Ele faz comunica esse atributo de alguma maneira em algum nível.

Ao contrário do que muitos pensam, erroneamente, mesmo quando o SENHOR executa juízo que implica em dor e aflições aos Seus servos, ainda assim isso comunica a Sua bondade. Às vezes Deus aflige aos homens para o seu bem temporal e eterno; para o bem das suas virtudes a fim de receberem o bem da Sua glória, que é um bem muito mais excelente.

Pode alguém questionar a bondade do pai que corrige o filho para impedir que o seu vício ou o seu mau comportamento causem a sua ruína, disciplinando-o, por vezes até açoitando-o, e assim conduzindo-o à virtude e à honra? Crueldade e maldade seria o pai deixar o seu filho sem disciplina, deixá-lo miserável a uma situação à qual uma péssima educação o reduziria.

… quando julgados, somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.” (1 Coríntios 11:32)

Não seria maior bondade de Deus separar-nos do mundo para a felicidade com o Seu açoite, do que deixar-nos cair na condenação do mundo pelos nossos pecados? Davi entendia bem isso, pois conhecia profundamente a bondade de Deus, por isso ele disse:

… caia eu, pois, nas mãos do SENHOR, porque são muitíssimas as Suas misericórdias, mas nas mãos dos homens não caia eu.” (1 Crônicas 21:13b)

Não seria maior bondade do SENHOR causar-nos dor aqui pela Sua disciplina do que nos vermos açoitados no mundo do porvir? Como o SENHOR é o nosso pastor, não seria expressão de inimizade ou de má vontade de Deus, às vezes, fazer-nos sentir o peso da Sua vara de pastor para fazer-nos retornar ao Seu caminho? O próprio SENHOR deixa isso bem claro quando faz a Sua aliança com Davi …

Se os seus filhos desprezarem a Minha lei e não andarem nos Meus juízos, se violarem os Meus preceitos e não guardarem os Meus mandamentos, então, punirei com vara as suas transgressões e com açoites, a sua iniqüidade. Mas jamais retirarei dele a Minha bondade, nem desmentirei a Minha fidelidade. Não violarei a Minha aliança, nem modificarei o que os Meus lábios proferiram.” (Salmo 89:30-34)

A vantagem e o ganho das nossas dores e aflições constituem também, em conjunto com as nossas alegrias, um testemunho da bondade de Deus para conosco. A dor proveniente da disciplina, do açoite, é bem recompensada pelo acesso à glória superior, quando essa mesma dor nos direciona para os caminhos eternos.

… estais esquecidos da exortação que, como a filhos, discorre convosco: Filho meu, não menosprezes a correção que vem do SENHOR, nem desmaies quando por Ele és reprovado; porque o SENHOR corrige a quem ama e açoita a todo a quem recebe por filho.” (Hebreus 12:5,6)

Deus, porém, nos disciplina para aproveitamento, a fim de sermos participantes da Sua santidade.” (Hebreus 12:10b)

Deus é sempre bom, não importa qual seja a circunstância, a Sua bondade é sempre comunicada … mesmo nos Seus mais duros e pesados juízos …

Ano-Novo … 2017

Meditando sobre o novo ano de 2017 que se aproxima, eu não poderia deixar de fazê-lo sem olhar essa questão a partir das Escrituras … e a primeira passagem que me veio à mente foi esta …

Disse também Deus: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais, para estações, para dias e anos (שׂנה shaneh).” (Gênesis 1:14)

Como destacado anteriormente, a palavra “ano” no hebraico é שׂנה (shaneh), que vem da raíz שׂנה (shanah) que significa, paradoxalmente, tanto repetir, fazer de novo quanto mudar, modificar. É interessante que em algumas “escolas de teologia”, quando um “paradoxo” se apresenta, elas simplesmente “travam” ou o definem como uma “antinomia” e param nisso … não buscam ir além para enfim compreender o ensino que se esconde por detrás desse tipo de situação. Neste caso, o conceito de ano na raiz das Escrituras está relacionado a um ciclo que se repete novamente e continuadamente, como atesta o texto de Gênesis acima referenciado, mas esses ciclos em si também trazem mudanças.

Observando essa questão pela perspectiva das Escrituras, isso significa que o caminho de Deus é um caminho cíclico, mas também de novidades e mudanças. Você não pode conhecer verdadeiramente a Deus e essa experiência não lhe mudar, lhe modificar ao conhecê-lo intimamente; e a vontade de Deus é a de que isso ocorra em um ciclo, como neste ano novo que está à frente (shanah). Alegoricamente, isso funciona como quando se sobe uma enorme escada em espiral … você tem a impressão de que está andando em círculos, mas na verdade, são repetições que possuem pequenas mudanças a cada degrau que se sobe … com novos começos, novos passos. Se você quiser experimentar um ano de coisas novas, você deve buscar crescer no conhecimento de Deus, subir os degraus da escada do conhecimento e da intimidade com Ele e optar por não andar na sua própria vontade, mas na vontade daquEle que está acima da natureza, acima dos tempos e épocas. Como está escrito …

Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto e rios, no ermo.” (Isaías 43:18,19)

Abra a sua vida para o novo da Sua vontade, e você irá andar em um ciclo crescente de novidade de vida e mudança … שׂנה (shanah). Eu recomendo que, de hoje em diante, você observe os seus dias a partir de uma perspectiva maior, que você aprenda com as Escrituras nesse quesito, como está escrito …

Ensina-nos a contar (מנה manah) os nossos dias, para que alcancemos coração sábio.” (Salmo 90:12)

Observe que o salmista nos instrui a “contar” os nossos dias para alcançarmos sabedoria, em hebraico o termo é מנה (manah), que significa: contar, numerar, considerar, preparar, designar … ou seja, isso significa que não devemos apenas observar e esperar passivamente para ver o que vai acontecer com os seus dias. Você tem que se preparar. E como posso preparar os meus dias antes de eles chegarem?! Para isso devemos aprender com Deus, pois antes de existirem os dias, o tempo, Deus preparou-os e deu-lhes um propósito. Então, se você é um filho de Deus, você deve fazer o mesmo. Como? Orando … ore, declare com suas palavras, por dias que ainda não existem, alinhando os seus planos aos propósitos do SENHOR, como está escrito …

 “Muitos são os planos no coração do homem, mas o que prevalece [o que fica de pé] é o propósito do Senhor.” (Provérbios 19:21)

A oração não é apenas para o que já existe, mas também pelo que ainda não é. Em oração, prepare, considere, designe os seus dias em Deus para trazer coisas boas, para consagrá-los aos propósitos de Deus. E, em seguida, use os seus dias para realizar esses propósitos. Prepare-os para que eles possam se tornar canais de bênção e vida. Conte, numere, considere, prepare, designe os seus dias. Aprenda com Jesus … segundo está registrado nos evangelhos, vemos que Jesus preparava os seus dias em oração …

[Jesus] Tendo-se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto e ali orava.” (Marcos 1:35)

O nosso mundo atual mede o sucesso principalmente pelo dinheiro, e isso acontece mesmo nos meios cristãos, mas o verdadeiro sucesso é proporcional ao conhecimento do SENHOR, em fazer a Sua vontade e realizar o Seu propósito para a sua vida e assim Glorificá-lO. Este é o sucesso que se deve almejar, como está escrito …

Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR.” (Jeremias 9:23-24)

Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR, como a alva, a sua vinda é certa; e ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.” (Oséias 6:3)

Que neste ano novo de 2017, você venha a subir muitos degraus dessa espiral no conhecimento, na experiência e na intimidade com o SENHOR! Que o SENHOR lhe abençoe e ilumine os seus dias!!!

 

 

Por que uma Coroa de Espinhos?!

Você já se perguntou alguma vez o porquê de escolherem tecer e colocar uma coroa de espinhos sobre a cabeça de Jesus?! É claro que o texto por si somente já elucida o motivo mais óbvio … chacota, escárnio …

… tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça e, na mão direita, um caniço; e, ajoelhando-se diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, rei dos judeus!” (Mateus 27:29)

Não bastando isso, a narrativa de Mateus 27 segue e descreve também que tiraram dEle o caniço, o qual servia como uma espécie de sátira do “cetro real”, e com ele batiam-lhE a cabeça. O tempo imperfeito no grego do original desse texto indica pancadas repetidas e, devido a isso, provavelmente fez com que os espinhos pontiagudos entrassem ainda mais no crânio de jesus.

Mas, como muitos já perceberam, quanto mais mergulhamos nas Escrituras, mais ela nos revela. Portanto, vamos observar quando os espinhos aparecem pela primeira vez nos textos sagrados?! Veja aqui …

E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela produzirá também espinhos e ervas daninhas, e você terá que alimentar-se das plantas do campo.” (Gênesis 3:17,18)

A descrição no livro de Gênesis denota que até o homem cair, não haviam espinhos na terra, mas como a queda amaldiçoou a terra, a mesma começou a produzir espinhos e ervas daninhas. Sendo assim, os espinhos são uma concretização física da maldição que sobreveio à terra e à humanidade, é um produto direto da maldição. Dessa forma, quando os soldados teceram a coroa de espinhos, a qual foi provavelmente confeccionada com plantas espinhosas próprias da região do palácio, que poderiam ser ramos de espinheiras ou dos ramos flexíveis da acácia síria que tinham espinhos tão longos quanto um dedo, eles estavam criando um símbolo de realeza, de autoridade, pois coroas são próprias para reis … mas nesse caso, os soldados estavam insinuando, provavelmente sem o saber, que Jesus era também … “Rei da Maldição”.

Espinhos falam de dor e lágrimas, de modo que a coroa de espinhos significa que Ele agora irá suportar a dor e as lágrimas da maldição destinada ao homem. Espinhos também falam de laceração, e assim Ele será dilacerado. Espinhos estão ligados à maldição, e a maldição está ligada à morte; portanto, a coroa de espinhos implicava que o Messias iria morrer; que Ele iria carregar o peso da maldição sobre a sua cabeça. Ele então se torna o “Rei de Espinhos”, o “Rei da Maldição” …

Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso. Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” (Isaías 53:3-5)

Entretanto, é importante lembrar que uma coroa também representa autoridade, representa alguém que reina, que possui poder sobre o reino. Jesus, ao suportar todo o peso da maldição, tornou-se Rei sobre ela, assim Ele não está mais submetido à ela, a maldição, mas agora está reinando sobre ela, acima dela … Ele a venceu … dessa forma então, todos os que estão debaixo de maldição e sofrimento podem agora ir à Ele e encontrar redenção, pois Ele tem autoridade sobre essas coisas, Ele é Rei também sobre elas e assim possui agora autoridade para transformar o que eram espinhos, em flores … o que era tristeza, em alegria … o que era maldição, em benção …. o que era morte, em vida!

Mal sabiam os soldados que, ao colocar a coroa de espinhos sobre Jesus, eles estavam concretizando de forma física através dessa coroa de espinhos que Ele, o Messias, se tornaria maldito em nosso lugar … não apenas um outro maldito qualquer, mas o “Rei da Maldição”, o único capaz de suportar todo o peso da maldição a ponto de vence-la e se tornar não apenas Rei acima da maldição, mas Rei sobre todas as coisas … o Rei dos reis!!!

Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro), para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios, em Jesus Cristo, a fim de que recebêssemos, pela fé, o Espírito prometido.” (Gálatas 3:13,14)

A Prensa de Azeite

Meditando hoje sobre o azeite de oliva, lembrei-me de duas coisas interessantes. A primeira é que a palavra em hebraico para azeite de oliva é שׂמנּ (shemen). A segunda é que a palavra para a prensa ou lagar usados na produção do azeite é גת (gath).

Quando você junta essas duas palavras גת (gath) e שׂמנּ (shemen), prensa de azeite ou azeites, você tem “gathshemen” ou “gatshmanim“. Você talvez não lembre, mas você conhece bem o som dessa palavra, pois representa um lugar muito conhecido pelos cristãos … “Getsêmani”, em grego γεθσημανι (Gethsemane), que significa … “lagar de azeite” … o lugar onde começou o sofrimento do Messias. Foi onde a prensa começou a se movimentar sobre Jesus, por isso não tinha local mais apropriado em todo o Israel para tal … perceba que tudo tem um propósito, nada é por acaso.

Esse movimento da prensa sobre Jesus começou a extrair dEle todo o seu “azeite”, começando primeiro por retirar a sua vontade própria (fazer a vontade do Pai) até terminar tirando dEle a sua vida. Mas todo esse “azeite” por Ele derramado não foi em vão, visto que todo esse “azeite” mais do que puro, esse fantástico “óleo de unção” extraído do Senhor, tem sido então derramado sobre a Igreja através do Espírito Santo ao longo dos séculos, desde o dia do pentecostes até os dias de hoje.

Então, quando a Igreja do Senhor também é “prensada”, através das perseguições e provas, ela derrama esse “azeite” que recebeu do Senhor pelo Espírito … e esse mesmo “azeite” derramado acaba alcançando outros que são “ungidos” por ele num processo contínuo e firme … por isso Tertuliano foi muito feliz ao dizer que: “o sangue dos mártires é semente dos cristãos”.

Essa prensa de azeite continua funcionando até hoje. O “Getsêmani” ainda atua sobre nós cristãos da mesma forma, buscando começar primeiro retirando de cada um de nós a nossa vontade própria, pecadora e egoísta, que está ligada a “velha natureza”; e então vai trabalhando e se movimentando sobre nós até que essa “velha natureza” morra, para que então ganhemos uma “nova vida”, sendo “nova criatura” em Cristo, com quem morremos e renascemos. Nascidos agora do “alto”, sendo livres da “velha natureza” e com a promessa de uma vida abundante e eterna no SENHOR.

Esse processo se tornará efetivamente completo em toda a sua extensão quando o Senhor voltar novamente; enquanto isso, nós vamos derramar o nosso “azeite”, alcançando e “ungindo” no processo a muitos outros, buscando terminar a nossa carreira plenos na realização dos propósitos do Senhor para as nossas vidas e, ao mesmo tempo, … vazios … sem que sobre qualquer “azeite” para ser extraído de nós …

Deus lhe abençoe, lhe fortaleça e lhe dê a Paz!