O “Tiro” de Davi em Golias

Quando I Samuel 17:50 descreve o confronto entre Davi e Golias, no qual relata que Davi prevaleceu sobre o filisteu “com uma funda e uma pedra, e feriu o filisteu e o matou, mas não havia espada na mão de Davi“, isso sugere que Davi não estaria munido de nada além de um “brinquedo de menino”. Entretanto, essa é uma interpretação sumamente enganosa. Em mãos adequadamente treinadas, a funda ou atiradeira revela ter sido uma das armas mais mortíferas de todas.

Uma atiradeira do comprimento do braço do atirador duplica a velocidade do projétil, fazendo com que a velocidade deste, ao deixar a funda, seja de quase cem metros por segundo, o que já é consideravelmente maior que a velocidade da flecha de um arco longo, que atinge apenas cerca de sessenta metros por segundo.

Tendo recebido um treinamento intensivo desde a infância, não há razão para crer que um fundeiro profissional não pudesse superar com bastante facilidade os cem metros por segundo e, quem sabe, até começar a se aproximar da velocidade inicial de um disparo de pistola calibre 45: cerca de 150 metros por segundo. E mais, o projétil liso de uma funda tem um alcance muito maior que o da flecha, com uma diferença de quase meio quilômetro, porque as penas da flecha produzem muita resistência ao avanço. O moderno recorde mundial de distância para uma pedra lançada com uma funda foi alcançado em 1981 por Larry Bray, que conseguiu atingir 437 metros e, em retrospectiva, considerou que poderia ter superado os seiscentos metros, com uma atiradeira melhor e com projéteis de chumbo.

Sempre se julgou que o ponto fraco da funda como arma era sua falta intrínseca de precisão, bem como a impossibilidade de as pedras perfurarem armaduras. Mas a descoberta arqueológica dos projéteis de Hamoukar, na atual Síria, contradisse essas duas crenças. Essa descoberta apresenta resquícios do embate brutal entre exércitos na antiga Mesopotâmia, onde foram encontrados vários projéteis.

O formato pontiagudo destes projéteis nos diz duas coisas: que eles eram capazes de perfurar armaduras e que os fundeiros deviam ter uma técnica para dispara-los com um giro, como uma bala de fuzil, a fim de mantê-los na trajetória certa durante o voo até o alvo. A precisão dos fundeiros devia equiparar-se facilmente à dos benjaminitas canhotos mencionados em Juizes 20:16, “cada um [ dos quais ] era capaz de atirar pedras à distância, mirando em um fio de cabelo e não errar“. Mais tarde ainda, em sua obra “História de Roma”, Tito Lívio relatou que os fundibulários de Aegium, Patrae e Dymae, “tendo sido treinados a atirar a longas distâncias através de arcos de circunferência moderada, eram capazes de ferir não apenas a cabeça dos inimigos, mas qualquer parte do rosto em que mirassem”.

Em vista dessas informações, pode-se perceber que Davi estava muito bem armado e preparado para derrotar o gigante Golias, portando não um simples “brinquedo” como muitos imaginam, mas uma arma com o poder de lançar um projétil, no caso uma pedra lisa, com a potência quase equivalente a de uma bala de uma arma de calibre 45 dos dias atuais. Considerando o relato do embate e a precisão do “tiro” de Davi, Golias com todo o seu tamanho tornou-se um alvo fácil, além disso, Davi tinha o apoio do Altíssimo, o qual foi fundamental para o desfecho relatado nas Escrituras.

Que o SENHOR lhe dê suporte e lhe proporcione também a vitória em suas batalhas! 🙏❤️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *