A Quem foi Revelado o Braço do SENHOR …

O hebraico é um idioma realmente revelador em muitos aspectos, muitas vezes uma única palavra esconde muitos significados e, por vezes, são todos representativos para o contexto original, mas ao traduzir para o Português ou outros idiomas, o tradutor precisa escolher apenas um único significado segundo o que considera a melhor interpretação. Aqui um exemplo:

Quem creu em nossa pregação? E a quem foi REVELADO ( גלה galah ) o braço do SENHOR?” (Isaías 53:1)

Esse capítulo de Isaías é conhecidíssimo, afinal trata do “Servo Sofredor”, identificado como o “braço do SENHOR”, uma metáfora para se referir ao Messias. Já no primeiro versículo existem muitas características reveladas, ainda mais se observarmos tudo ao que o termo se refere no original que foi traduzido como “revelado” ( גלה galah ), pois não apenas se refere ao Messias “manifesto” como também o termo utilizado implica em …

  • levar cativo, exilar … denotando que o Messias se converteria em um prisioneiro.
  • envergonhar, expor, desgraçar … denotando que o Messias seria envergonhado, exposto e condenado como um blasfemo, um desgraçado.
  • desnudar, tirar as roupas, expor a nudez … denotando que o Messias teria suas roupas tiradas e sua nudez exposta, como se percebe nos relatos anteriores e durante a crucificação.

Enfim, no primeiro versículo de Isaías 53, o termo גלה “galah” não apenas se refere à revelação (descoberta, manifestação) do Messias (o Servo Sofredor, o Braço do SENHOR), mas também denota que ele seria levado cativo, aprisionado, envergonhado, exposto, condenado e desnudado. Um versículo repleto de significados de uma profecia feita cerca de 700 anos antes pelo profeta Isaías e que se cumpriu em Jesus, conforme relatam os evangelhos.

A beleza e profundidade da Palavra do SENHOR é indescritível e fica ainda mais bela à medida em que mergulhamos em cada letra e palavra das Escrituras …

Que o SENHOR lhe abençoe e lhe ilumine! Shalom!!!

Ensino de Arrebatamento Pré-Tribulacionista (e Mid) nos Primórdios da Igreja

 

Você provavelmente deve ter ouvido que o ensino de um arrebatamento pré-tribulacionista, ou seja, de um arrebatamento da Igreja antes da Tribulação, foi inventado por James Darby no anos 1800. Embora seja verdade que Darby trouxe de volta o ensino e o tornado popular, não é verdade que ele foi o primeiro a ensinar sobre o arrebatamento desta maneira.

Neste artigo eu vou mostrar evidências de que o ensino de um arrebatamento pré-tribulacionista também foi ensinado nos primórdios da igreja. Importante, lembre-se de que o fato de haver essas evidências desse ensino na igreja antiga, isso não significa que eles estivessem certos em sua interpretação, não é este o ponto deste artigo, pois o assunto de quando ocorre o arrebatamento da igreja é polêmico e há muita diversidade de pensamentos e interpretações que não cabem de serem relacionados e discutidos aqui, talvez isso fique para um próximo artigo, mas é importante se perceber que a interpretação pré-tribulacionista não é tão recente como muitos costumam alegar.

A seguir eu descrevo uma lista de alguns pré-tribulacionistas da igreja antiga. Mais uma vez, esses homens podem ou não estar corretos em sua teologia, mas eles definitivamente mostraram que um arrebatamento pré-tribulacionista era uma crença existente na igreja antiga:

  • Victorinus, por volta de 240 dC …

Victorinus escreveu um comentário por volta do ano 240 dC sobre o livro de Apocalipse. Em seu comentário, Victorinus refere-se à frase de Paulo: “aquele que o detém, até que saia do meio dela“, onde ele mostra claramente que ele acreditava que era a igreja arrebatada que “saiu do meio” da terra.

E vi outro sinal grande e maravilhoso, sete anjos com as sete últimas pragas; Pois neles se completa a Ira de Deus. (Apocalipse 15:1) e estes estarão na última hora, quando a Igreja sairá do meio dela (2 Tessalonicenses 2:7).” (Comentário sobre Apocalipse 15.1)

Victorinus está dizendo que pela última hora, ou no “tempo do fim”, a Igreja já terá sido tirada. Em outro lugar Victorinus mostra que ele acredita em um arrebatamento da Igreja.

O céu sendo aberto como um rolo é a Igreja sendo levada embora (Apocalipse 6:14).” (Comentário sobre Apocalipse 6:14)

 

  • Efraim, por volta de 373 dC …

Esta citação seguinte é de um trabalho intitulado pseudo-Efraim. Tem o título pseudo, não porque alguém duvidou do sermão, mas porque quando citado mais tarde, dois historiadores disseram que foi Efraim, o sírio, quem a escreveu, e um historiador disse que era Isidoro de Sevilha. Se foi escrito por Isidoro ou Efraim, independente disso, o sermão sempre foi aceito como genuíno. Ele claramente ensina que o arrebatamento ocorre antes do período de sete anos da Tribulação.

… porque todos os santos e os eleitos do Senhor se ajuntaram antes da Tribulação que está para vir e serão levados ao SENHOR ” (Nos últimos tempos 2 – Efraim, o sírio)

 

  • Pastor de Hermas, por volta de 150 dC …

O Pastor de Hermas foi escrito por volta do ano 150 dC. Ele descreve um sonho e dá a interpretação dele. A Igreja (a noiva vestida de branco) escapa da Grande Tribulação por causa da promessa do Senhor, essa interpretação está mais ligada ao ensino de arrebatamento no meio (mid) da Tribulação, visto que a Grande Tribulação ocorre nos últimos três anos e meio como disse Jesus, mas não deixa de ser uma interpretação pré em contraponto a interpretação pós-tribulacionista. O Pastor de Hermas não pode ser considerado como o é a Escritura, mas mostra que muitos cristãos do segundo século acreditavam em um arrebatamento que não era pós-tribulacionista.

Ide, pois, e declarai ao Eleito do Senhor, de poderosos feitos, e dize-lhes que esta besta é um tipo da Grande Tribulação que está para vir. Se, pois, vos preparardes, e com todo o vosso coração, converter-vos ao Senhor em arrependimento. Então podereis escapar dele. Se o seu coração é puro e irrepreensível … a cor dourada representa que você escapou deste mundo. … Agora sabeis o símbolo da Grande Tribulação que está por vir. Mas se tiveres dispostos, isso não será nada.” (Pastor de Hermas)

 

  • Cipriano, por volta de 250 dC …

Cipriano foi o bispo de Cartago por volta de 250 dC. Observe que ele não ensinou que devemos suportar o tempo do Anticristo, mas que nós seremos “livres” dele. Ele disse aos seus leitores que a ressurreição futura era a esperança do cristão e apontou que o arrebatamento “que nos tiraria” deveria nos motivar à medida que vemos os últimos dias se aproximando.

Nós que vemos que coisas terríveis começaram. E sei que ainda mais coisas terríveis são iminentes, podem ser consideradas como uma grande vantagem para partirmos daqui o mais rapidamente possível. Você não dá graças a Deus, você não se congratula, que por uma partida precoce você será levado embora, e livre dos naufrágios e desastres que são iminentes? Saudamos o dia que nos leva a cada um de nós para a sua própria casa, que nos arrebata, e nos liberta das ações do mundo, e restaura-nos ao paraíso e ao reino” (Tratados de Cipriano – 21 a 26)

O Anticristo está vindo, mas acima dele vem também Cristo, o inimigo vem e se enfurece, mas imediatamente o Senhor segue para vingar nosso sofrimento e nossas feridas. O adversário está enfurecido e ameaça, mas há Um que pode nos livrar de suas mãos.” (Epístola 55 – Cipriano)

 

  • Irineu, por volta de 180 dC …

Segundo ensinou Irineu, todos os cristãos maduros seriam pré-milenistas ( eu escrevi um artigo sobre o ensino pré-milenista nos primórdios da Igreja que você pode ver clicando aqui ); os pré-milenistas acreditam em uma futura Tribulação de sete anos, com o surgimento do Anticristo, e isso imediatamente antes de em um reino literal de mil anos de Jesus Cristo, o qual começaria logo após a derrota do Anticristo.

Os novos céus e terra são os primeiros criados e então a nova Jerusalém desce. Essas são coisas literais, e os cristãos que as alegorizam são cristãos imaturos.” (Contra Heresias 5.35)

Irineu pode ou não estar correto em suas interpretações, eu não estou debatendo isto aqui, mas quando ele ensinava que a ordem dos eventos era de que haverá uma ressurreição física, então o Reino Milenar, então os novos céus e a nova terra e a Nova Jerusalém, é importante ressaltar que ele tinha convicção de que esses eventos todos eram literais. Irineu entendeu exatamente a partir das Escrituras de que o Império Romano se dividiria em dois impérios separados antes que ele fosse dissolvido. Irineu escreveu estas previsões por volta do ano 180 dC. O Império Romano tornou-se cristão apenas em 325 dC, dividido em duas partes (Roma e Constantinopla) somente em 395 dC, e dissolvido em 476 dC.

O Império Romano será primeiro dividido e depois dissolvido.” (Contra as Heresias 5.26)

Irineu ensinou que o sonho da imagem de Nabucodonosor e os sonhos da besta de Daniel previam os mesmos impérios que governaram Israel. O primeiro foi o Império Babilônico, representado pela cabeça de ouro e pelo leão alado. O segundo era o Império Medo-Persa, representado pelo peito e braços de prata, o urso e o carneiro. O terceiro era o Império Grego representado pelas coxas de bronze, o leopardo e a cabra. O quarto era o Império Romano representado pelas pernas de ferro e a besta indescritível. Ele também ensinou que do Império Romano viriam as dez nações, simbolizadas pelos chifres e dedos dos pés. O décimo primeiro chifre seria o próprio Anticristo, que então destruirá três das dez nações e se tornará o líder das sete restantes.

O quarto reino visto por Daniel é Roma. O templo reconstruído estará em Jerusalém.” (Contra Heresias 5.30)

Para Irineu, o fim dos tempos começaria quando Israel retornaria como uma nação, o que iria desencadear uma série de profecias a serem cumpridas, ajudando-nos a interpretar corretamente o resto das profecias.

Daniel, o profeta, diz: ‘Fechai as palavras, e sela o livro até o tempo da consumação, até que muitos aprendam e o conhecimento seja completado’. Pois naquele tempo, quando a dispersão tiver sido completada [ Irineu está se referindo aqui ao renascimento de Israel que ocorreu em 1948 pelo fim da dispersão ], eles saberão todas estas coisas. ” (Contra Heresias 4.26)

A igreja em geral se tornará então apóstata, então a igreja verdadeira será arrebatada antes que a Tribulação comece. O Anticristo fará cumprir uma aliança por sete anos, no final da qual ocorreria a Segunda Vinda de Cristo à terra e ao início do Reino Milenar. Além deste esboço básico da profecia, Irineu acrescentou alguns detalhes muito úteis. Uma é a de que o nome do Anticristo é igual a 666 quando o mesmo fosse escrito em grego. Outra é de que o Anticristo nasceria da tribo de Dan.

Em 2 Tessalonicenses, a ‘queda’ é uma apostasia e haverá um templo literalmente reconstruído. Em Mateus [capítulo 24], a ‘abominação falada por Daniel’ é o Anticristo sentado no templo como se ele fosse Cristo. A abominação começará no meio da semana 70 de Daniel e durará por três anos e seis meses literais. O pequeno chifre é o Anticristo.” (Contra Heresias 5.25)

Sobre o pré-tribulacionismo, Irineu escreveu:

Quando, no fim, essa Igreja será repentinamente arrebatada disto, então é dito, ‘Haverá tribulação como não houve desde o início, nem haverá.’” (Contra Heresias 5.29)

O “Ventre” do SENHOR

Quando você analisa no hebraico algumas palavras, os seus significados e as suas raízes, é incrível a correlação entre certos termos e significados com a profundidade do ensino de Jesus em muitos aspectos.

Lendo a famosa passagem do profeta Jeremias sobre o seu chamado …

Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre (רחמּ “rechem”), te consagrei, e te constituí profeta às nações.” (Jeremias 1:5)

Eu reparei no termo usado para “madre” que é רחמּ (rechem), cuja raiz vem de רחמּ (racham). O termo “rechem” significa “ventre, útero“, enquanto “racham” significa “amar profundamente, ter misericórdia, ter compaixão” … curiosamente “racham” significa tanto “misericórdia” quanto “ventre, barriga”.

Você já conseguiu perceber a beleza dessa relação? O ventre é um lugar de ternura, nutrição, proteção e desenvolvimento. Se não fosse por esse terno lugar de amor você nunca teria nascido. Nas Escrituras, o termo “racham” é usado com frequência para se referir ao amor e à misericórdia de Deus. Observando o que temos visto e aprendido … o amor e a misericórdia de Deus são como um útero.

É o profundo amor e a compaixão de Deus que nos faz nascer … de novo! Quando Jesus estava conversando com o líder Nicodemos sobre o que era necessário para ver o Reino de Deus, o Mestre reiterou a necessidade de se “nascer de novo”. Nicodemos não entendendo perguntou …

Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?” (João 3:4)

Nicodemos claramente não compreendeu a profundidade da expressão “nascer … de novo”, Jesus não se referia à uma questão meramente biológica, não era essa a questão. Mas sim, há um “útero” em que podemos entrar … no “rechem”, o “ventre” da misericórdia e do amor profundo de Deus. É no ventre (rechem) de Seu grande amor (racham), onde Ele nos mantém com a Sua ternura sobre as nossas vidas, onde nos sustenta, nutre e protege do mal. Quando vivemos sendo nutridos pelo grande amor e pela misericórdia de Deus é que nós crescemos, nos desenvolvemos e somos então formados como “filhos do Alto”, como “novas criaturas” que fomos chamados para ser. O “racham“, o amor de Deus, é o “rechem“, o ventre do nosso novo nascimento. O profundo amor de Deus é o útero que gera o nosso novo nascimento, o nosso “novo ser”.

Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16)

Busque você esse “novo nascimento” … encontre o profundo amor do SENHOR e nutra-se dEle, desenvolvendo-se para ter uma nova vida através de Cristo que é a demonstração mais contundente do amor e da misericórdia de Deus, Ele é o profundo amor de Deus encarnado que nos traz uma nova vida … uma vida eterna e abundante!

Ao SENHOR seja o Poder, a Honra e a Glória pelos séculos dos séculos … Amém!

Evidências do Pré-Milenismo nos Primórdios da Igreja

Os Seis Mil Anos e o Reino Milenar … uma abordagem de alguns dos pais da igreja e de pensadores cristãos da igreja em seus primórdios …

A idéia de que Jesus retornará para estabelecer o seu reino milenar no ano 6.000 é ensinada por vários pais da igreja antiga. A primeira vinda de Jesus ocorreu cerca do ano 4.000 segundo a contagem a partir da criação de Adão e Eva como descrito no livro do Gênesis. Estes pais da igreja antiga ensinaram que a Segunda Vinda ocorreria cerca de 2.000 anos depois da Primeira Vinda de Cristo. O descritivo mais detalhado está na Epístola de Barnabé que dedica um capítulo inteiro sobre esta questão.

Lembre-se, isso não significa que eles estavam corretos; mas se acreditavam e ensinavam isso; isto prova que antigos cristãos eram pré-milenistas. A seguir estão algumas citações sobre essa questão a partir de livros antigos. Naturalmente, devido aos calendários confusos e imprecisos, não podemos dizer com certeza quando o ano 6.000 ocorrerá. Um intervalo aproximado seria entre os anos 2.030 e 2.067, embora possa ocorrer ainda mais cedo ou até mais tarde, não se tem como saber ao certo.

Seguem algumas citações de conhecidos cristãos sobre o assunto em suas obras nos primórdios da Igreja:

  • Barnabé, Primeiro Século depois de Cristo

Portanto, crianças, em seis dias, ou em seis mil anos, todas as profecias serão cumpridas. Então ele disse: ‘Ele descansou no sétimo dia’. Isto significa que na Segunda Vinda de nosso Senhor Jesus, Ele destruirá o Anticristo, julgará os ímpios e mudará o sol, a lua e as estrelas. Então Ele descansará verdadeiramente durante o reinado Milenar, que é o sétimo dia“. ( Epístola de Barnabé 15:7-9 )

  •  Irineu, 180 dC …

O dia do Senhor é como mil anos; e em seis dias as coisas criadas foram completadas. É evidente, portanto, que elas chegarão ao fim no sexto milênio“. ( Contra Heresias, Livro 5, Capítulo 28 )

 

  • Hippolytus, 205 dC …

O sábado é um tipo do futuro reino … Porque ‘um dia para o Senhor é como mil anos’. Desde então, em seis dias o Senhor criou todas as coisas, segue-se que em seis mil anos serão cumpridos“. ( Fragmento 2, Comentário sobre Daniel 2.4 )

 

  • Commodianus, 240 dC … 

Seremos imortais quando os seis mil anos forem completados“. ( Contra os Deuses dos Pagãos, 35 )

A ressurreição do corpo será quando os seis mil anos forem completados, e após os mil anos [o reino milenar] o mundo chegará ao fim“. ( Contra os Deuses dos Pagãos, 80 )

 

  • Victorinus, 240 dC … 

Satanás ficará preso até os mil anos estarem finalizados; isto é, depois do sexto dia“. ( Comentário sobre Apocalipse 20.1-3 )

 

  • Metódio, 290 dC … 

No sétimo milênio seremos imortais e verdadeiramente celebraremos a Festa dos Tabernáculos“. ( Dez Virgens 9.1 )

 

  • Lactâncio, 304 dC … 

O sexto milênio ainda não está completo. Quando este número estiver completo, a consumação deve acontecer“. ( Institutas Divinas 7.14 )

 

  • Justino Mártir, 150 dC … 

Haverá um reinado literal de mil anos de Cristo“. ( Diálogo 81 )

 

No primeiro século, apenas Barnabé e Papias escreveram sobre a profecia bíblica …

O próprio Apóstolo João me ensinou que, depois da ressurreição dos mortos, Jesus reinará pessoalmente por mil anos“. ( Papias, Fragmento 6 )

Você pode perceber que sua esperança é vã. Além disso, o Senhor disse: ‘Eis que os que destruírem este templo, eles edificarão novamente uma vez mais‘. Esta profecia foi cumprida porque os judeus foram para a guerra contra o inimigo. Mas mesmo que agora não sejam mais que servos de Roma, eles retornarão e reconstruirão o templo. Foi revelado que a cidade de Jerusalém, o templo e o povo de Israel seriam abandonados“. ( Epístola de Barnabé 16:5-7 )

Papias foi abençoado por ter sido ensinado em profecia bíblica pelo Apóstolo João. Barnabé foi o primeiro a dizer-nos que os judeus iriam retornar à sua terra e reconstruir o seu templo de Jerusalém.

Jesus, o nosso “hupogrammos” …

Quando uma palavra grega aparece uma única vez em TODO o Novo Testamento, isso é uma característica em si suficiente para se estudar o seu significado e contexto mais à fundo, ainda mais quando ela está diretamente relacionada ao nosso Salvador, Senhor e Messias, Jesus. Abaixo segue o texto e a palavra em questão …

Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo (υπογραμμος hupogrammos) para seguirdes os Seus passos” (1 Pedro 2:21)

Nesta versão, e em muitas outras, o tradutor optou por traduzir “hupogrammos como “exemplo“, mas o significado é muito mais profundo e abrange ainda maiores implicações ao texto. Tecnicamente o termo grego “hupogrammos” (υπογραμμος), é uma palavra composta por dois termos gregos “υπο hupo” (sob, por debaixo) e “γραφω grapho” (escrever, com referência a forma das letras e/ou ao seu conteúdo), o que portanto significa: uma cópia escrita, que inclui todas as letras do alfabeto, dada aos iniciantes como uma ajuda para aprender a como desenhá-los.

Em termos simples para os dias de hoje, é como a criança ou o novato que está aprendendo a escrever as letras do alfabeto e precisa de um “molde” que esteja “por debaixo” para ele seguir com o lápis (vide imagens anteriores) e assim aprender como desenhar as mesmas, pois era essa a forma mais comum usada para se alfabetizar as pessoas no idioma grego nos tempos de Jesus. Por isso Pedro, inspirado pelo Espírito, faz uso desse termo no texto acima mencionado.

Sabendo agora disto, podemos expandir o significado do texto, pois segundo nos coloca Pedro, Jesus é o nosso “hupogrammos”. Jesus deixou-nos, através das Escrituras, um “hupogrammos” (um modelo escrito) pelo qual nós devemos “desenhar” todo o resto. A vida de Cristo é a vida, o hupogramos, sobre o qual nós devemos “desenhar” toda a nossa vida.

Sendo assim, as ações da vida do Messias são os hupogrammos das ações que devem delinear as nossas ações e reações de vida; os pensamentos de Jesus são os pensamentos hupogrammos que nós devemos ter; o caminho hupogrammos que Ele seguiu é o caminho que nós temos de seguir; o Seu amor é o hupogrammos do amor que nós devemos sentir … enfim, a nossa vida como um todo, em TODOS os seus aspectos, devem seguir “à risca o modelo dos passos já deixados pelo nosso Salvador e Senhor … Jesus é o hupogrammos de sua vida.

Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave.” (Efésios 5:1,2)

Entenda, você não pode seguir aquilo que desconhece, não há como seguir um caminho se você não sabe onde ele está. O quanto você conhece das Escrituras? Quão familiarizado está você com os pensamentos, palavras, sentimentos e ações de Jesus? É por isso que Jesus, em João 15, é tão enfático em dizer que as palavras dEle (seu hupogrammos), devem, precisam estar em nós, do contrário não temos parte com Ele.

Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam. Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos.” (João 15:5-8)

Deus, o nosso Pai Celeste, quando enviou o Seu Filho para este mundo, não apenas nos deu o meio de resgate da morte e do inferno por meio dEle, mas através do Filho, também nos ensinou como devemos nos portar e ter uma vida que O agrade e que lhE dê prazer, para sermos então verdadeiramente como filhos do Altíssimo, seguindo uma vida nos mesmos moldes da vida do Seu Filho. Jesus não apenas caminhou entre nós, Ele deixou o rastro de todas as marcas desse caminho para que sigamos em nossas vidas também pelo mesmo caminho, desde os nossos pensamentos, palavras e sentimentos até as nossas ações e reações. Portanto, analise a sua vida em todos os seus aspectos e veja se a sua “caneta” ainda está seguindo as mesmas “linhas” deixadas por Jesus, caso não esteja, recomendo corrigir o quanto antes!

Deus lhe abençoe e lhe faça transbordar do pleno conhecimento da Sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; a fim de que você viva de modo digno do Senhor, para o Seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus!!!

 

… e [Deus] lhe soprou nas narinas o fôlego de VIDAS …

Muitos estão familiarizados com o texto que fala da criação do homem …

Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente.” (Gênesis 2:7)

O que se perde na tradução é que o termo hebraico חיchay” que significa “vida“, no texto original está escrito assim “חַיִּ֑ים“, no plural, e significa “vidas” (“chayim“). Portanto, se for traduzir literalmente, seria algo assim:

Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vidas (חַיִּ֑ים) e o homem passou a ser alma vivente.” (Gênesis 2:7)

Ao contrário do termo hebraico “morte” (מותmaveth“) que está no singular, o termo relacionado à “vida” (חַיִּ֑ים “chayim”) é plural. O que isso significa? Eu poderia fazer várias digressões sobre o tema, mas não quero estender demais a questão … em Deus, limitada é a morte, portanto, a morte é finita. Em vista disso, ao homem está destinado apenas uma morte, como está escrito …

E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo,” (Hebreus 9:27)

Dessa forma, em Deus não é a vida que é limitada, mas sim a morte, e a morte não é o que vai durar para sempre, mas sim a vida, pois a morte terá um fim. O fato de a palavra vida (חַיִּ֑ים “chayim“) no texto estar no plural, denota que a vida é para além da vida … e como está escrito:

… Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; … ” (João 14:6)

Jesus é a vida, mas em hebraico Ele é חַיִּ֑ים chayim“. Ele é a vida que não tem fim. Por isso a morte, que é limitada, não conseguiu vencê-lO, porque חַיִּ֑ים “chayim” (vidas) é maior do que מותmaveth” (morte); e também por isso Jesus afirmou com tanta convicção …

Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá;” (João 11:25b)

A vida é maior do que a morte … Jesus é maior do que a morte ( recomendo também que leia esse outro artigo sobre o mistério de Isaías 53:9 que irá lhe acrescentar ainda mais sobre tudo o que já leu, clique aqui ) … por isso a morte não pôde segurá-lO, como está escrito …

Varões israelitas, atendei a estas palavras: Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós com milagres, prodígios e sinais, os quais o próprio Deus realizou por intermédio dele entre vós, como vós mesmos sabeis; sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos; ao qual, porém, Deus ressuscitou, rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse Ele [Jesus] retido por ela.” (Atos 2:22-24)

Dessarte, matastes o Autor da vida, a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas.” (Atos 3:15)

E nós, que nascemos de Deus, somos então de “chayim”; sendo assim somos o povo de vidas. Portanto, não participe de qualquer coisa que tenha a ver com a morte. Não tenha parte com o pecado ou a escuridão. Porque você é de Jesus, de “chayim“, a vida sem fim!

Destruirá neste monte a coberta que envolve todos os povos e o véu que está posto sobre todas as nações. Tragará a morte para sempre, e, assim, enxugará o SENHOR Deus as lágrimas de todos os rostos, e tirará de toda a terra o opróbrio do Seu povo, porque o SENHOR falou. Naquele dia, se dirá: Eis que este é o nosso Deus, em quem esperávamos, e Ele nos salvará; este é o SENHOR, a quem aguardávamos; na Sua salvação exultaremos e nos alegraremos.” (Isaías 25:7-9)

Eis que vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade. E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” (1 Coríntios 15:51-56)

 

Ano-Novo … 2017

Meditando sobre o novo ano de 2017 que se aproxima, eu não poderia deixar de fazê-lo sem olhar essa questão a partir das Escrituras … e a primeira passagem que me veio à mente foi esta …

Disse também Deus: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais, para estações, para dias e anos (שׂנה shaneh).” (Gênesis 1:14)

Como destacado anteriormente, a palavra “ano” no hebraico é שׂנה (shaneh), que vem da raíz שׂנה (shanah) que significa, paradoxalmente, tanto repetir, fazer de novo quanto mudar, modificar. É interessante que em algumas “escolas de teologia”, quando um “paradoxo” se apresenta, elas simplesmente “travam” ou o definem como uma “antinomia” e param nisso … não buscam ir além para enfim compreender o ensino que se esconde por detrás desse tipo de situação. Neste caso, o conceito de ano na raiz das Escrituras está relacionado a um ciclo que se repete novamente e continuadamente, como atesta o texto de Gênesis acima referenciado, mas esses ciclos em si também trazem mudanças.

Observando essa questão pela perspectiva das Escrituras, isso significa que o caminho de Deus é um caminho cíclico, mas também de novidades e mudanças. Você não pode conhecer verdadeiramente a Deus e essa experiência não lhe mudar, lhe modificar ao conhecê-lo intimamente; e a vontade de Deus é a de que isso ocorra em um ciclo, como neste ano novo que está à frente (shanah). Alegoricamente, isso funciona como quando se sobe uma enorme escada em espiral … você tem a impressão de que está andando em círculos, mas na verdade, são repetições que possuem pequenas mudanças a cada degrau que se sobe … com novos começos, novos passos. Se você quiser experimentar um ano de coisas novas, você deve buscar crescer no conhecimento de Deus, subir os degraus da escada do conhecimento e da intimidade com Ele e optar por não andar na sua própria vontade, mas na vontade daquEle que está acima da natureza, acima dos tempos e épocas. Como está escrito …

Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto e rios, no ermo.” (Isaías 43:18,19)

Abra a sua vida para o novo da Sua vontade, e você irá andar em um ciclo crescente de novidade de vida e mudança … שׂנה (shanah). Eu recomendo que, de hoje em diante, você observe os seus dias a partir de uma perspectiva maior, que você aprenda com as Escrituras nesse quesito, como está escrito …

Ensina-nos a contar (מנה manah) os nossos dias, para que alcancemos coração sábio.” (Salmo 90:12)

Observe que o salmista nos instrui a “contar” os nossos dias para alcançarmos sabedoria, em hebraico o termo é מנה (manah), que significa: contar, numerar, considerar, preparar, designar … ou seja, isso significa que não devemos apenas observar e esperar passivamente para ver o que vai acontecer com os seus dias. Você tem que se preparar. E como posso preparar os meus dias antes de eles chegarem?! Para isso devemos aprender com Deus, pois antes de existirem os dias, o tempo, Deus preparou-os e deu-lhes um propósito. Então, se você é um filho de Deus, você deve fazer o mesmo. Como? Orando … ore, declare com suas palavras, por dias que ainda não existem, alinhando os seus planos aos propósitos do SENHOR, como está escrito …

 “Muitos são os planos no coração do homem, mas o que prevalece [o que fica de pé] é o propósito do Senhor.” (Provérbios 19:21)

A oração não é apenas para o que já existe, mas também pelo que ainda não é. Em oração, prepare, considere, designe os seus dias em Deus para trazer coisas boas, para consagrá-los aos propósitos de Deus. E, em seguida, use os seus dias para realizar esses propósitos. Prepare-os para que eles possam se tornar canais de bênção e vida. Conte, numere, considere, prepare, designe os seus dias. Aprenda com Jesus … segundo está registrado nos evangelhos, vemos que Jesus preparava os seus dias em oração …

[Jesus] Tendo-se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto e ali orava.” (Marcos 1:35)

O nosso mundo atual mede o sucesso principalmente pelo dinheiro, e isso acontece mesmo nos meios cristãos, mas o verdadeiro sucesso é proporcional ao conhecimento do SENHOR, em fazer a Sua vontade e realizar o Seu propósito para a sua vida e assim Glorificá-lO. Este é o sucesso que se deve almejar, como está escrito …

Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR.” (Jeremias 9:23-24)

Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR, como a alva, a sua vinda é certa; e ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.” (Oséias 6:3)

Que neste ano novo de 2017, você venha a subir muitos degraus dessa espiral no conhecimento, na experiência e na intimidade com o SENHOR! Que o SENHOR lhe abençoe e ilumine os seus dias!!!