O Mistério do Ano Shemitá

por Dionei Vieira,

 

Capa da edição em Inglês do livro: O Mistério da Shemitá

 

Este artigo é outro misto de dica de livro com informações relacionadas ao mistério que envolve o ano Shemitá. Inicialmente, gostaria de recomendar o livro “O Mistério da Shemitá“, de Jonathan Cahn, o mesmo autor do livro “O Presságio” (já comentado no meu blog, aqui em outro artigo). Só que, diferente do livro “O Presságio”, não há uma versão em Português desse novo livro, mas temos algo que se aproxima bastante, que é uma edição em Espanhol, veja aqui.

É sabido que Deus instituiu para a nação de Israel que a cada sétimo dia fosse chamado de Sábado, um dia santo, dedicado ao Senhor, como está escrito: “Seis dias trabalhareis, mas o sétimo será o sábado do descanso solene, santa convocação; nenhuma obra fareis; é sábado do SENHOR em todas as vossas moradas.” (Levítico 23:3).

Mas o que não é bem conhecido é que o sábado não foi apenas um dia, mas também um ano. Como todo sétimo dia era o sábado, por isso (mais…)

Dabiq Edição 5: Preparai o Caminho do Mahdi

Meu Comentário: Para uma compreensão mais abrangente de alguns termos utilizados no artigo e os fatos a ele relacionados, recomendo a leitura prévia, caso não a tenha feito, do artigo Dabiq: O Estado Islâmico quer a batalha do Fim dos Tempos, aqui.

 

por Timothy R. Furnish,

Nos os EUA, amanhã (27/11/2014), vamos celebrar o Dia de Ação de Graças – alguns o consideram um feriado secular, mas uma maioria o consideram como um feriado quase-religioso que comemora os protestantes ingleses do século 17, que fugiram da Europa para o Novo Mundo, a fim de estabelecerem a sua versão de uma comunidade cristã. Depois de ler a quinta edição da “Dabiq”, a revista do Estado Islâmico (veja aqui), estou convencido de que o panteão de graças deve ser alargado aos líderes políticos e militares famosos que ajudaram a civilização cristã a afastar a conquista islâmica – tais como Constantino IV, Charles Martel, Don João da Áustria e o príncipe Eugene de Savoy. Graças a Deus, e a estes homens, que a lei islâmica nunca chegou a governar a Europa e, por extensão, a América.

 

Expandindo, esperam eles, rumo ao Sul até a cidade de Meca e sua Caaba!

 

Não se engane, o Estado Islâmico (anteriormente conhecido como ISIS ou ISIL), apesar dos protestos de seus apologistas, é profundamente muçulmano: a última edição da “Dabiq” cita  (mais…)

O Oriente Médio e A Besta do Apocalipse

Meu Comentário: Este artigo foi escrito pelo brasileiro, Rodrigo Silva, autor do livro recém lançado, “The Coming Bible Prophecy Reformation” (o qual pode ser adquirido na Amazon, aqui). Eu tive o prazer de adquirir este livro no dia do seu lançamento e o recomendo fortemente para todos os que estudam as profecias relacionadas ao tempo em que vivemos. É interessante notar que esse artigo foi escrito em 2008, muito antes de vermos o surgimento do Califado na região do Iraque e da Síria, algo que o Rodrigo já acreditava que poderia ocorrer nessa região, devido as interpretações das profecias bíblicas, como você poderá comprovar ao ler o artigo. Como reforço para uma melhor compreensão da leitura, recomendo que assista aos vídeos que traduzi e legendei que tratam sobre o ISIS e sua possível relação com a antiga Assíria, aqui e aqui, pois poderão aumentar ainda mais o seu entendimento sobre o texto. Recomendo novamente, que também adquira o livro do Rodrigo, pois pelo que tenho lido de sua obra, ele faz muitos adendos que elucidam ainda mais os assuntos aqui abordados e com muito mais profundidade, já abrangendo os últimos eventos importantes, do ponto de vista escatológico, que temos visto no decorrer dos últimos anos até aqui, em 2014. Além disso, o livro trata de muitos outros temas que vão bem além do assunto abordado neste artigo.

 

por Rodrigo Silva,

 

Estudantes das profecias bíblicas sempre identificaram a besta do Apocalipse, capítulo 13, com o Império Romano em sua forma renascida. De acordo com este ponto de vista, a União Europeia seria o império profetizado do Anticristo. Depois de ler tantos livros proféticos escritos por autores com uma mentalidade ocidental, passei a acreditar que o Apocalipse, capítulo 13, de fato previa a ascensão de Roma no fim dos tempos, como a União Europeia e até escrevi sobre isso no meu artigo intitulado “A Grande Tribulação” até que um dia fiquei impressionado com o versículo que diz: “e a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os pés de um urso, e a sua boca como a de um leão …” (Apocalipse 13:2a).

Imediatamente, após este versículo quase pular para fora da página e me dar um tapa no rosto, percebi que este versículo não estava prevendo o renascimento de Roma, mas o renascimento dos antigos impérios (mais…)

Por Que Israel Deve Ser Um Estado Judeu?

por Moshe Phillips e Benyamin Korn,

 

 

O gabinete de Israel aprovou uma legislação para definir oficialmente o país como um Estado-Nação do povo judeu. Esta medida oportuna atinge vários objetivos importantes. Irá facilitar a paz, incentivando o mundo árabe a aceitar a permanência de Israel. Ela vai ajudar a forjar um senso de unidade entre o célebre, controverso e diversificado, público israelense. E isso não vai de forma alguma infringir os direitos dos cidadãos árabes de Israel e de outras minorias.

O obstáculo principal para a paz árabe-israelense sempre foi a recusa de ambos os regimes, os árabes e a liderança palestina, para aceitarem sinceramente a existência permanente de um Estado Judeu. O estudo do clássico “Atitudes Árabes para com Israel”, pelo Professor Yeshoshafat Harkabi (1921-1994) da Universidade Hebraica, tem uma seção inteira chamada de “a artificialidade de Israel”. Ele descreve a convicção generalizada entre os líderes árabes, intelectuais e jornalistas que a existência de Israel é uma aberração, uma violação da ordem natural do mundo e uma violação da vontade de Alá. Harkabi (o qual aliás, era da política de esquerda) resume a visão árabe: “Israel não pode aguentar, pois a justiça vai ganhar no final … Israel está fadado a se desintegrar e desaparecer”.

É por isso que, formalmente definir Israel como o Estado-Nação do povo judeu irá enviar uma mensagem importante ao mundo árabe, a de que Israel, o Estado judeu, está aqui para ficar. Se, e (mais…)

Será que Estamos Realmente no Fim dos Tempos?

por Perry Stone,

 

Os videntes proféticos estão nele outra vez. Eventos tais como a guerra no Oriente Médio, um tsunami, um terremoto assassino ou um fenômeno meteorológico ao estilo Katrina que venham a atingir o planeta, e os estudantes de profecias e adivinhos seculares começam a gorjear as suas advertências, como as aves em abril nos EUA anunciando que a primavera chegou. Desde que Cristo subiu em uma nuvem para o céu a partir do topo do Monte das Oliveiras, em Jerusalém, séculos de pregadores e estudantes de profecias tentaram discernir de todas as outras nuvens de conflito global que pairam sobre o horizonte como a nuvem através da qual Jesus pode retornar. Será que estamos realmente no tempo do fim, e se nós estamos, o que é o tempo do fim?

Em primeiro lugar, o tempo do fim não é o fim dos tempos, uma frase muitas vezes repetida quando os crentes falam sobre os últimos dias. O termo “fim dos tempos” não é encontrado em nenhum dos Testamentos nos originais. Nem é o tempo do fim o fim do mundo, como alguns sugerem. O conceito de que o mundo vai acabar é um mal-entendido de um versículo na tradução do Evangelho de Mateus. Cristo previu:

E, estando assentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo?” Mateus 24:3 (versão Almeida Corrigida e Revisada Fiel)

O termo “fim do mundo” pinta uma imagem na tela da imaginação humana (mais…)

O Anticristo Muçulmano Acaba de Dar o Discurso Mais Chocante e Importante do Século

pela Fundação Shoebat, em 19 novembro de 2014
Por Walid Shoebat (Shoebat Exclusivo), com agradecimento especial ao portal ‘The Scoop Right

 

Em que nós consideramos serem as gravações de vídeos mais chocantes da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan, em dois discursos em Istambul revela a prova incrível sobre o que o site Shoebat.com tem dito há mais de uma década: o espírito, a meta e o objetivo do Anticristo muçulmano que parece em tudo se manifestar no “líder estrela” da Turquia. Erdogan expressou seu desejo de catapultar a Turquia em um império islâmico decorrente de Istambul e cobrindo todo o mundo muçulmano em apoio ao sonho do mapa de um Califado de uma confederação de 10 Estados muçulmanos.

 

 

 

Em dois notáveis espantosos discursos registrados, pode-se resumir a definição do Anticristo, que é um tipo de figura de Hitler, exceto que este príncipe decorre não ser originário da Alemanha, da Europa, mas da Turquia (1). O Sultão turco querendo ser o califa, Hitler-Erdogan, que está começando a “preencher todos os requisitos necessários”, como ele mostrou em suas tiradas demoníacas e alucinações, proclamando os muçulmanos como um povo especial, indo tão longe quanto propor a “teoria da linguagem original”, em que descreveu como a língua turca foi a língua original do mundo a partir da qual todas as outras foram derivadas, como na Babel inicial. Ele alegou que os muçulmanos descobriram a América antes de Colombo e que, quando Cuba foi descoberta pela primeira vez, havia uma mesquita em uma colina e, (mais…)

Torá em Debate – Profecias Messiânicas

Abaixo, segue um vídeo do programa Torá em Debate, gravado em 11/02/2014, que aborda questões sobre as profecia Messiânicas relacionadas a Israel. O vídeo de 56 minutos aborda as mudanças ocorridas em Israel a respeito de Jesus e de profecias relacionadas ao mesmo, comentando inclusive sobre a profecia do Rabino Yitzchak Kaduri e suas últimas profecias. Eu já escrevi sobre isso no blog neste post aqui, abaixo segue o trecho sobre o que escrevi relacionado a isto:

No livro de Carl Gallups (veja aqui), “The Rabbi Who Found Messiah” (O Rabino Que Encontrou O Messias), o autor relata a história do Rabino Yitzchak Kaduri que afirmou, pouco antes de morrer que teve um encontro com o Messias, tão esperado pelos judeus. Kaduri foi um rabino altamente respeitado no mundo judaico e fora dele, tanto que no advento de sua morte, o seu enterro foi acompanhado por diversos chefes de estado e milhares de pessoas seguiram o cortejo em Jerusalém, causando uma paralização do trânsito de muitas regiões de Jerusalém.

Basicamente, este rabino que morreu em 2006 com 108 anos de idade, afirmou ter tido uma visão onde o Messias se revelou a ele com sua verdadeira identidade. Antes de Kaduri morrer, ele escreveu uma nota para ser lida após a sua morte onde nela estaria codificado o nome do Messias. Bem, essa nota veio a público e tal foi a surpresa ao saberem que o nome codificado era Yeshua (Jesus), o que causou um grande alvoroço visto que, por ser um rabino ortodoxo, eles não consideram Jesus como o Messias, então a notícia caiu como uma bomba no meio judaico em 2007. Tanto que removeram a nota do site (mais…)