O Mistério do Ano Shemitá

por Dionei Vieira,

 

Capa da edição em Inglês do livro: O Mistério da Shemitá

 

Este artigo é outro misto de dica de livro com informações relacionadas ao mistério que envolve o ano Shemitá. Inicialmente, gostaria de recomendar o livro “O Mistério da Shemitá“, de Jonathan Cahn, o mesmo autor do livro “O Presságio” (já comentado no meu blog, aqui em outro artigo). Só que, diferente do livro “O Presságio”, não há uma versão em Português desse novo livro, mas temos algo que se aproxima bastante, que é uma edição em Espanhol, veja aqui.

É sabido que Deus instituiu para a nação de Israel que a cada sétimo dia fosse chamado de Sábado, um dia santo, dedicado ao Senhor, como está escrito: “Seis dias trabalhareis, mas o sétimo será o sábado do descanso solene, santa convocação; nenhuma obra fareis; é sábado do SENHOR em todas as vossas moradas.” (Levítico 23:3).

Mas o que não é bem conhecido é que o sábado não foi apenas um dia, mas também um ano. Como todo sétimo dia era o sábado, por isso a cada sete anos seria o ano de descanso.

Disse o SENHOR a Moisés, no monte Sinai: Fala aos filhos de Israel e dize- lhes: Quando entrardes na terra, que vos dou, então, a terra guardará um sábado ao SENHOR. Seis anos semearás o teu campo, e seis anos podarás a tua vinha, e colherás os seus frutos. Porém, no sétimo ano, haverá sábado de descanso solene para a terra, um sábado ao SENHOR; não semearás o teu campo, nem podarás a tua vinha.” (Levítico 25:1-4).

Assim como o sábado, o ano de descanso deve ser igualmente distinto aos seis anos que o precederam. Era para ser um ano santo, um ano dedicado especialmente ao Senhor. Durante o repouso não se faria qualquer trabalho sobre a terra. Durante o repouso quem deve descansar não são somente as pessoas, mas também a terra. Os campos ficam livres, as podas das vinhas e pomares não são realizadas. A própria terra observava seu próprio descanso para o Senhor.

Durante o descanso, o povo de Israel devia deixar os seus campos, vinhas e pomares abertos aos pobres. Durante a vigência deste ano, a terra pertencia de fato a todos. E tudo isso, o que cresceu por si só é chamado de hefker, o que significa “sem dono”. Portanto, durante o descanso, a terra, na verdade, pertencia a todos e a ninguém ao mesmo tempo.

29 de Elul

Igualmente surpreendente ao que acontece com a terra durante o descanso, é o que acontece com as pessoas no último dia do ano:

Ao fim de cada sete anos, farás remissão. Este, pois, é o modo da remissão:todo credor que emprestou ao seu próximo alguma coisa remitirá o que havia emprestado; não o exigirá do seu próximo ou do seu irmão, pois a remissão do SENHOR é proclamada.” (Deuteronômio 15:1-2).

A “cada sete anos” refere-se ao último dia de descanso. Elul é o último mês do calendário hebraico e o vigésimo nono dia é o último dia de Elul. Portanto, em 29 de Elul, o último dia do ano de descanso, uma transformação generalizada ocorre na esfera econômica da nação. Todo mundo que tinha uma dívida era liberado. E cada credor teria que liberar a dívida que lhe era devida. Portanto, em 29 de Elul todo o crédito era excluído e toda a dívida era cancelada. As contas econômicas da nação eram efetivamente anuladas. Era o dia de cancelamento e remissão econômica de Israel.

Na forma hebraica de olhar para o tempo, cada dia não começa com a manhã e sim com a noite. Isso remonta ao Gênesis 1, quando a história da criação foi registrada pela primeira vez naquela noite escura e em seguida o dia. Portanto, cada dia começa com o anoitecer. E como a noite começa com o pôr-do-sol, todos os dias hebraicos começam ao pôr-do-sol. Portanto, todas as dívidas eram para serem canceladas no pôr-do-sol do dia 29 de Elul.

 

Jonathan Cahn explica o mistério da Shemitá no programa Jim Bakker Show. (foto do YouTube)

 

Shemitá

A palavra Shemitá significa: remissão, suspensão da cobrança de tributos, perdão da dívida. Como exemplo, ela aparece neste versículo: “Ao fim de cada sete anos, farás remissão (Shemitá).” (Deuteronômio 15:1).

A Shemitá na antiga Israel não se refere apenas à libertação da terra, mas também ao cancelamento da dívida e crédito ordenado por Deus, em todo o país. Portanto, a palavra Shemitá abrange tanto o sétimo ano como o último dia deste ano, o dia 29 de Elul. É um crescente durante o ano, atingindo o seu ápice de remissão no último dia do ano da remissão. Em certo sentido, tudo sobre o ano de Shemitá se desenvolve em direção a esse dia final, quando tudo é liberado, enviado e cancelado em um dia; ou mais especificamente, na noite deste dia, o último pôr-do-sol do ano.

O que isso tem a ver com os EUA então?

Jonathan Cahn mostrou na obra “O Presságio”, que sobre a América viria um julgamento na sequência dos ataques de 11 de setembro, porque, em vez de se humilhar e se arrepender, o país dobrou-se ao aborto, à pornografia e à remoção da oração e todas as coisas cristãs das praças públicas. Ainda nesse livro, Jonathan Cahn mostra as similaridades entre os EUA e Israel, usando o versículo de Isaías 9:10 como base para comparar os juízos e presságios que ocorreram na antiga Israel e que se repetiram recentemente nos EUA. É complicado colocar aqui os detalhes de todo esse processo de comparação e como isso se relaciona aos EUA, aconselho a ler o artigo que fiz sobre o livro do Presságio para você ter uma melhor noção sobre isso, nele estão dois vídeos que podem ajudar a compreender melhor essa vinculação.

O que isso tem a ver conosco?

Não é segredo para ninguém que qualquer “soluço” econômico que ocorre nos EUA vem a atingir a todo o mundo e, quanto maior a crise econômica nos EUA, maiores serão os reflexos em todo o mundo. Dessa forma, se o padrão do ano Shemitá está também, de alguma forma, vinculada também aos EUA, é importante observar o que pode ocorrer, ainda mais que estamos agora, 2014/2015, num ano Shemitá. Já publiquei um artigo que mostra que os primeiros dias do ano Shemitá, que começou em 25 de setembro de 2014, deram sinais preocupantes (você pode ver esse artigo aqui). Agora, vou mostrar, com dados do vídeo que traduzi e legendei e que está abaixo, que esse padrão é muito preocupante, por exemplo, observando o século 20 em diante:

  • Você sabia que dentre os 10 maiores pontos de queda de mercado que aconteceram num único dia, 70% deles estão de alguma forma vinculados ao ano Shemitá ou ao mês de Tishri, que começa imediatamente após ao dia 29 de Elul?
  • Você sabia que dentre as maiores 20 quedas em percentual da história, em Wall Street, 75% delas estão de alguma forma vinculados ao ano Shemitá ou ao mês de Tishri, que começa imediatamente após ao dia 29 de Elul?
  • Você sabia que dentre os 5 maiores pontos de crise na história americana, 100% deles ocorreram num Shemitá?

A seguir disponibilizo um vídeo contendo uma entrevista do Rabino Messiânico Jonathan Cahn, feita ao programa do Jim Bakker, onde ele aborda esses dados apontados por mim anteriormente e muitos outros mais. Você irá se espantar com as estatísticas apresentadas e, assim como eu, colocará “as barbas de molho”, figuradamente falando, ao lembrar que no próximo dia 13 de setembro de 2015, será o dia 29 de Elul do calendário hebraico do atual ano Shemitá.

 

6 thoughts to “O Mistério do Ano Shemitá”

  1. Hermano, hoje tive uma rara oportunidade de acessar uma internet um pouco mais rápida que a minha e pude ver alguns dos vídeos postados em teu canal. São excelentes! Claro que não concordo com 100% das opiniões apresentadas neles, mas isso é o normal numa democracia, hehehe! De qualquer forma, mesmo não podendo acessar os vídeos sempre, posso, contudo, ler teus ótimos artigos sobre esses maravilhosos temas proféticos. No momento, não estou em condições de me dedicar na elaboração dos estudos proféticos, como gostaria (e como já fiz muitas vezes), e por isso, apenas para não deixar de atualizar meu site/blog, publico algum estudo em slides (cujo projeto já estava elaborado há algum tempo). Mas espero em Deus que em breve eu possa voltar para a parte 2 de C.S.I. APOCALÍPTICO e outros estudos envolvendo os temas que você tanto aborda em teu blog.

    1. Oi Moacir, seus contatos e materiais são sempre um prazer, inclusive no meu artigo deste último sábado (29/11) sobre “O Oriente Médio e A Besta do Apocalipse”, faço menção a um de seus estudos como forma de enriquecer a compreensão do assunto. Quanto aos vídeos que publico, confesso que eu também não concordo 100% com o que é dito, mas os tenho postado devido a trechos, comentários ou abordagens que são relevantes segundo meu entendimento. Também gostaria de postar mais vídeos e materiais, mas o fazemos de acordo com nossas possibilidades e tempo, da mesma forma como você. Espero que ambos possamos ter ainda mais tempo no futuro, se Deus permitir, para disponibilizarmos ainda mais material e artigos sobre os mais variados temas que venham a contribuir para o Reino! Um grande abraço!

  2. Olá irmão!

    Por acaso você é daqui de Floripa e congrega na IBPV Sede?

    Gostei do post, e das argumentações no seu blog.

    1. Olá,

      Sim, eu congrego na IBPV Sede, ontem mesmo eu estive durante culto de domingo, junto com o Bispo Flori, falando sobre essas questões do Shemitáh, num formato de entrevista.

      Se você também congrega na IBPV Sede, podemos marcar um café ou algo assim, se desejar! Um grande abraço e que Deus lhe abençoe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *