O Tempo de Luz do Dia e o seu Curioso Vínculo no Hebraico

 

Considere a duração relativa do tempo da luz do dia ( definido pelo intervalo entre o nascer e o pôr do sol ) e o tempo de escuridão ( o restante do ciclo de 24 horas ). Esse tempo nos define o tempo ao que chamamos de “dia” ( luz do dia ) e “noite” ( ausência da luz do dia ). É interessante que muitos acham que o tempo de dia e noite são, na média anual, de igual duração quando computado os seus valores ao longo do ano. Entretanto, devido a características do nosso planeta e de sua órbita elíptica, é interessante ressaltar que o tempo de luz do dia é relativamente pouco superior ao tempo de escuridão … uma forma tênue e muito discreta do SENHOR afirmar que a Luz é superior as Trevas já na construção da separação dos dias e anos, conforme está escrito …

Disse também Deus: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais, para estações, para dias e anos.” (Gênesis 1:14)

Todas as coisas foram feitas por intermédio dEle, e, sem Ele, nada do que foi feito se fez. A vida estava nEle e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela.” (João 1:3-5)

A variação da duração do dia ao longo do ano é causada, como fato bem conhecido, pela inclinação da terra em 23,45° em relação ao eixo perpendicular e ao plano orbital em torno do Sol. Portanto, pode-se naturalmente perguntar sobre a média anual de duração da luz do dia – ou, equivalentemente -, qual a percentagem, em média, que constitui o dia e qual a percentagem que constitui a noite dentro do ciclo de vinte e quatro horas. Uma resposta intuitiva é de que seria 50% para cada, mas esta não é a resposta correta, visto que a a média anual desvia um pouco deste número dependendo da latitude em que ocorre a medição ( observe isso pelo gráfico compartilhado no início deste artigo ).

Por exemplo, para um ano padrão consistindo de aproximadamente 8760 horas, a duração máxima “aparente” do dia seria de 4380 horas, porém existem efeitos físicos e astronômicos que mudam essa proporção. Ou seja, a refração atmosférica permite que o Sol ainda seja visível, mesmo quando fisicamente se situa abaixo da linha do horizonte. Por essa razão, o tempo médio ( desconsiderando os efeitos das nuvens ) é mais longo nas áreas polares, onde o Sol aparente passa a maior parte do tempo no horizonte. Os lugares no Círculo Ártico têm o mais longo dia total anual com 4647 horas ( cerca de 53% do tempo do ano é de luz do dia ), enquanto que o Pólo Norte recebe 4575 horas ( cerca de 52% do tempo do ano é de luz do dia ). Devido à natureza elíptica da órbita da Terra, o Hemisfério Sul não é simétrico e por isso essa diferença entre os pólos. Já na linha do Equador tem-se o total do dia de 4422 horas por ano ( cerca de 50,5% do tempo do ano é de luz do dia ), já na região de Israel, em Jerusalém, por estar na latitude 31 ao norte, o tempo de luz do dia é de cerca de 51% ( mais precisamente 50,76% … guarde esse número! ).

Muito bem! … você deve estar pensando …, mas o que isso tem a ver com o hebraico??!! Ok, vamos lá então … no hebraico temos palavras relacionadas a esses períodos do dia, que são:

  • DIA em hebraico é יוֹם “yowm” ( vide Gn 1:14 ), cujo valor da palavra pelas letras é: 56 = ( 40 = םi) + (י = 10 ) + (ו = 6).
  • NOITE em hebraico é לילה “lay@lah”( vide Gn 1:14 ), cujo valor da palavra pelas letras é: 75 = (ל = 30) + (י = 10) + (ל = 30) + (ה = 5).
  • AMANHECER em hebraico é בקר “boqer” ( vide Gn 29:25 ), cujo valor da palavra pelas letras é: 302 = (ב = 2) + (ק = 100) + (ר = 200).
  • ANOITECER em hebraico é ערב `ereb ( vide Gn 19:1 ), cujo valor da palavra pelas letras é: 272 = (ע = 70) + (ר = 200) + (ב = 2).

Em face dessas informações, agora vamos adicioná-las juntas:

  • AMANHECER + DIA = 302 + 56 = 358
  • ANOITECER + NOITE = 272 + 75 = 347

A primeira coisa surpreendente de se observar sobre esses números acima é que eles são muito próximos um do outro ( como seria de se esperar visto o significado desses termos ). Agora, calculando os seus “pesos relativos” no somatório de seus valores numéricos ( que presume-se representar todo o dia de vinte e quatro horas ), encontramos:

  • Percentual de Luz do Dia: 358 / ( 358 + 347 ) = 358/705 = 50,78% ( lembrou de algo?! )
  • Percentual de Ausência de Luz do Dia: 347/705 = 49,22%

Em outras palavras, o “peso lingüístico” do AMANHECER + DIA implica que períodos de luz no ciclo diário de vinte e quatro horas constituem, em média, 50,78% do ciclo diário completo … observando que o idioma hebraico abrange especificamente Israel e olhando a partir de sua capital, Jerusalémesse valor de 50,78% é fantasticamente muito próximo do número de 50,76% calculado para a cidade de Jerusalém**. Seria isso apenas uma grande coincidência ou um processo altamente elaborado de design?! Quem conhece as Escrituras de forma profunda e os meus muitos estudos sobre esses temas já sabe a resposta … é design divino, sem dúvida!!! Não me canso de repetir … o Criador é espetacularmente majestoso …

Teu, SENHOR, é o poder, a grandeza, a honra, a vitória e a majestade; porque Teu é tudo quanto há nos céus e na terra; Teu, SENHOR, é o reino, e Tu Te exaltaste por chefe sobre todos. Riquezas e glória vêm de Ti, Tu dominas sobre tudo, na Tua mão há força e poder; Contigo está o engrandecer e a tudo dar força. Agora, pois, ó nosso Deus, graças Te damos e louvamos o Teu glorioso nome.” (1 Crônicas 29:11,12)

Que o SENHOR lhe abençoe e ilumine com a Sua maravilhosa luz! 🙏❤️

 

** Caso queira observar esses dados cientificamente e considerar toda a física envolvida no processo para se chegar nesses valores colocados neste artigo, tal como a fórmula usada para o gráfico compartilhado neste post, eu recomendo estes dois sites para você começar a fazer as suas análises e pesquisas: https://physics.stackexchange.com/questions/28563/hours-of-light-per-day-based-on-latitude-longitude-formula/320092http://www.jgiesen.de/astro/solarday.htm

A Forma de Vida Baseada em Carbono e a Bíblia

As Escrituras são fantásticas e fascinantes em várias formas e aspectos, pois a sua mensagem em muito se antecipa ao que a ciência humana veio a descobrir e reafirmar apenas milênios depois … por exemplo, veja o relato da criação do homem …

Criou Deus, pois, o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. … Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. Houve tarde e manhã, o sexto dia.” (Gênesis 1:27,31)

Pelas Escrituras, no primeiro livro da Bíblia, o homem está diretamente relacionado ao número 6é o número do homem …, e sua criação ao sexto dia reitera isso. Não por acaso, também o faz o último livro da Bíblia, quando em Apocalipse afirma …

Aqui está a sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Ora, esse número é seiscentos e sessenta e seis.” (Apocalipse 13:18)

O texto do livro de Apocalipse novamente reitera o vínculo do homem com o número 6, tanto que o faz repetidamente e em seu vínculo maior e extremo … 666.

Não é interessante tudo isso quando se observa cientificamente que a nossa forma de vida é baseada em Carbono?! Ainda mais quando sabe-se hoje que o Carbono é o elemento químico de número atômico 6composto por 6 prótons, 6 neutros e 6 elétrons ( 6 6 6 )!

O fato da Bíblia, milênios antes de se conhecer esses dados, reiterar esse vínculo do ser humano com o número 6, repetidamente, seria coincidência ou design?! Quem conhece as Escrituras de forma profunda já sabe a resposta … é design divino, sem dúvida!!! O Criador é majestoso …

Teu, SENHOR, é o poder, a grandeza, a honra, a vitória e a majestade; porque Teu é tudo quanto há nos céus e na terra; Teu, SENHOR, é o reino, e Tu Te exaltaste por chefe sobre todos. Riquezas e glória vêm de Ti, Tu dominas sobre tudo, na Tua mão há força e poder; Contigo está o engrandecer e a tudo dar força. Agora, pois, ó nosso Deus, graças Te damos e louvamos o Teu glorioso nome.” (1 Crônicas 29:11,12)

Deus abençoe o seu dia! 🙏❤️

O Deus que Se Oculta, a Fé e a Sua Relação com o Espaço-Tempo

.
A palavra hebraica “עלמּ`olam, significa longa duração, eternidade, mundo físico.
 
Esta única palavra aparece na Bíblia, com variações, não menos que 437 vezes. Na língua hebraica, `olam ( עלמּ ) representa tanto a dimensão física quanto a dimensão do tempo – relacionando-se, especificamente, com sua propriedade “ilimitada”. Assim, `olam ( עלמּ ) significa, simplesmente, “mundo físico” ( tudo o que existe ), mas também fala de “tempo“, “eternidade” ( relacionado ao tempo sem limites ), ou o tempo decorrido desde o início dos tempos até a eternidade.
 
Não deixa de ser curioso e até espantoso ver essa inter-relação entre a dimensão física e o tempo numa única palavra em hebraico há milhares de anos, pois somente recentemente a ciência, por meio da mente brilhante de Einstein, alcançou o entendimento dessa relação conjunta do espaço-tempo através da Teoria da Relatividade, a qual revolucionou a física fornecendo uma descrição unificada da gravidade como uma propriedade geométrica do espaço e do tempo, ou espaço-tempo. Mais uma vez uma descoberta da ciência moderna aponta para algo já descrito de forma cifrada nas Escrituras há muitos milênios.
 
A palavra `olam ( עלמּ ) é derivada da raiz “עלמּ`alam, que significa ocultar, esconder, ser escondido, ser ocultado, ser secreto. Na língua hebraica, essa raiz é origem de muitas palavras, todas com um senso comum: ser escondido, ocultado. Exemplos incluem “העלם” healem ( esquecimento, desaparecimento ), “תעלמה” ta`alummah ( mistério, segredo ), “להעלים” le-halim ( esconder ) e “להתעלם” le-hitalem ( ignorar, agir como se algo é inexistente ).
 
Olhando o sentido da palavra no seu significado mais concreto como era utilizado nos primórdios pelo povo hebreu, `olam ( עלמּ ) significa “além do horizonte“, apontando para algo distante e escondido, tanto fisico quanto temporal, por isso a relação de `olam ( עלמּ ) com sua raiz `alam ( עלמּ ).
 
Você pode então justificadamente perguntar: Qual é a conexão entre “mundo” e “ocultação”? A resposta está escondida no clamor do profeta Isaías a Deus …
 
Verdadeiramente, Tu és Deus que Se oculta ( Se esconde, misterioso ), ó Deus de Israel, ó Salvador.” (Isaías 45:15)
 
O tema do Deus oculto é repetido inúmeras vezes na Bíblia. Por exemplo, quando Moisés pede a Deus “Mostre-me a Tua glória” (Êxodo 33:18), a resposta que ele recebe é …
 
Não Me poderás ver a face, porquanto homem nenhum verá a Minha face e viverá. Disse mais o SENHOR: Eis aqui um lugar junto a Mim; e Tu estarás sobre a penha. Quando passar a Minha glória, Eu te porei numa fenda da penha e com a mão te cobrirei, até que Eu tenha passado. Depois, em tirando Eu a mão, Tu Me verás pelas costas; mas a Minha face não se verá.” (Êxodo 33:21-23).
 
A tradição judaica interpreta isso implicando que a presença de Deus pode ser evidenciada pelas coisas que já ocorreram no passado (“Tu Me verás pelas costas“), entretanto, a própria existência de Deus está escondida dos olhos. Isso é muitas vezes comparado com o fato de que se pode ver o corpo humano, em suas várias manifestações, mas não a alma e o espírito que reside dentro de cada um. Da mesma forma como no Tabernáculo de Moisés no deserto, onde o Pátio ( que simboliza o corpo ) poderia ser visto abertamente, mas o Lugar Santo ( que representa a alma) e o Lugar Santíssimo ( que representa o espírito ) ficavam escondidos pelas várias coberturas e os véus do Santuário. Por isso o autor de Hebreus escreve que o caminho ao SENHOR foi por meio da destruição do véu ( a cobertura que simboliza a carne … nesse caso a carne de Jesus que escondia a Sua natureza divina ) que esconde o Santuário …
 
Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que Ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela Sua carne” (Hebreus 10:20)
 
O sentido e o uso da palavra `olam ( עלמּ ) agora se torna claro: o mundo inteiro é uma manifestação do oculto de Deus. Deus está no mundo, mas o mundo inteiro é também um testemunho do Deus que Se esconde ( Isaías 45:15 ) e isso para que o homem sempre tenha que fazer uso da fé, porque …
 
… sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que Ele existe e que se torna galardoador dos que O buscam.” (Hebreus 11:16)
 
O design na palavra hebraica para “mundo” e “eternidade” agora torna-se óbvio: em uma única palavra, `olam ( עלמּ ), está descrito toda a criação que envolve o mundo físico e o tempo, percebidos na física moderna pela relação espaço-tempo que rege o universo, mas que também fala do Criador de todas as coisas e que Se esconde, que Se oculta para que o homem possa fazer uso de seu poder de escolha e busque ou não ter um relacionamento com aquEle que o criou.
 
Recomendo que você busque ao SENHOR enquanto ainda pode, como está escrito …
 
Buscai o SENHOR enquanto se pode achar, invocai-O enquanto está perto. Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao SENHOR, que Se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar.” (Isaías 55:6,7)
 
O SENHOR está muito perto de você, não se deixe enganar pelo véu do espaço-tempo dessa criação, pois escondido atrás desse véu está o Criador, esperando para lhe encontrar e mudar a sua vida de uma forma como você nunca poderia imaginar e lhe mostrar o bom propósito que Ele tem para a sua vida.
 
Que Deus lhe abençoe e lhe ilumine!🙏❤️

As Péssimas Escolhas do Empire State e do CERN

Eu acompanhei os efeitos luminosos feitos no Empire State relacionados ao Islã no Ramadã assim como as imagens projetadas da “deusa” Kali recentemente, apenas há poucos dias, também no Empire State. Aproveito para lembrar que o pessoal do CERN tem uma estátua da “deusa” Kali em seu pátio como “homenagem” (vide imagens deste post), e isso em si já é estranho, visto que os “cientistas” alegam que a ciência e a religião não possuem qualquer vínculo, mas nesse caso fazem uma homenagem e vínculam o projeto do CERN à “deusa” Kali, o que em si mostra a incongruência de seus pensamentos.

Mas o ponto que quero colocar é: por que o Empire State, em Nova Iorque, recentemente homenageou tanto o Islã quanto a “deusa” Kali? Afinal o Islã, gostem ou não, direta e indiretamente é responsável por uma das maiores tragédias ocorridas em Nova Iorque há 14 anos, sem comentar nas muitas outras pelo mundo afora. E Kali é simplesmente a “deusa” da destruição, uma ceifadora de vidas. Portanto, ao homenagear o Islã e Kali, o Empire State em Nova Iorque parece estar querendo trazer mais mortes e tragédias à Nova Iorque, visto o que ambos representam, de certa forma, estão conscientemente ou inconscientemente buscando trazer a morte e a destruição novamente aos EUA, em particular, para Nova Iorque. Sinceramente, esse não é o tipo de imagem com a qual seja saudável se associar, isso não é bom para Nova Iorque, assim como associar um projeto científico com uma “deusa” da destruição e ceifadora de vidas não é nada bom para o CERN.

Mas hoje em dia bom-senso é algo cada vez mais raro … e isso em todas as esferas da sociedade doente em que vivemos … parece que essas imagens e homenagens apenas são um prelúdio do que parecem desejar que venham aos mesmos … loucos!

 

"Homenagem do Empire State ao Islã no Ramadã"
"Imagem da “deusa” Kali projetada no Empire State"
"Imagem da “deusa” Kali projetada no Empire State"
"Estátua da “deusa” Kali no CERN"

Fonte: Dionei Vieira – Eu acompanhei os efeitos luminosos feitos no…

Dica de Livro – Arqueologia Proibida (Forbidden Archeology)

Esta dica é para quem gosta de ciência e gosta de pesquisar, indo além do que a mídia e os grupos científicos buscam esconder com relação as evidências que cercam a história da civilização humana. O livro Forbidden Archeology (Arqueologia Proibida), escrito por Michael Cremo (veja aqui), lançado originalmente em 1993, é uma obra de pouco mais de 900 páginas repletas de pesquisas realizadas sobre descobertas arqueológicas feitas em várias partes do mundo.

Ao longo dos séculos, os pesquisadores descobriram ossos e artefatos que mostram que os seres humanos, como nós, existem há muito mais tempo do que é oficialmente alegado pela comunidade científica em sua versão oficial. Essa mesma comunidade científica dominante tem suprimido estes fatos em favor de manter a Teoria da Evolução intacta, já que muitas dessas evidências, apresentadas no livro, fariam desmoronar a teoria “oficial” sobre a origem humana. Os preconceitos, com base na teoria científica atual, funcionam como um “filtro de conhecimento”, dando-nos uma imagem da pré-história que é, em grande, parte incorreta.

O livro é exclusivamente científico e busca apenas apresentar os fatos registrados e comprovados em várias descobertas arqueológicas que hoje estão escondidas nos museus e institutos de pesquisas arqueológicas. As evidências apresentadas no livro mostram que o ser humano está presente desde os primórdios da existência do planeta, no que seria considerado pela ciência atual como sendo há bilhões de anos, pois muitos artefatos foram encontrados Leia Mais