Gólgota, O Lugar da Caveira

E levaram Jesus para o Gólgota, que quer dizer Lugar da Caveira.” (Marcos 15:22)

Jesus foi crucificado em um lugar específico e repleto de significados … entretanto, aqui vou abordar apenas um deles que está relacionado ao Gólgota, uma palavra de origem aramaica “גלגלתא” que significa: caveira ( cabeça, crânio ).

Para a minha abordagem é interessante você saber que a cabeça humana é formada por 22 ossos … sendo 8 do crânio (frontal, 2 parietal, 2 temporal, occipital, esfenoide, etmoide) e 14 da face (2 zigomático, 2 maxilar, 2 nasal, mandíbula, 2 palatino, 2 lacrimal, vômer, 2 concha nasal inferior).

Não por acaso, também 22 são as letras do alfabeto hebraico … sendo o Tav ( ת ) a 22ª letra … a letra Tav no proto hebraico (o hebraico antigo) era representada por uma cruz e não pela sua simbologia atual moderna “ת” … a cruz de Cristo foi colocada sobre o Monte do Gólgota … sobre o Monte da Caveira … já consegue perceber a beleza e o simbolismo de tudo isso?!

Jesus é a nossa salvação, a marca da cruz está nas cabeças dos que por Ele foram salvos e remidos … selados por Deus para serem poupados da ira do SENHOR … como está escrito:

… e lhe disse: Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marca com um sinal ( תו “tav”, uma cruz ) a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela. … a todo homem que tiver o sinal ( תו “tav” ) não vos chegueis” (Ezequiel 9:4,6b)

Esse texto de Ezequiel, no capítulo 9, que fala dos que são selados, preservados e salvos encontra um eco também em Apocalipse …

Não danifiqueis nem a terra, nem o mar, nem as árvores, até selarmos na fronte os servos do nosso Deus.” (Apocalipse 7:3)

Os 22 ossos retratam o alfabeto hebraico … fala de toda a Palavra de Deus que deve estar gravada também em nossa mente ( vide Jeremias 31:31-33 ) … culminando em sua 22ª letra, o Tav “ת” … a cruz … que simboliza o selo de Cristo em nós … sendo então o nosso “Capacete de Salvação”.

Curiosamente, o Messias foi crucificado no “Lugar da Caveira“, que poderia ser lido agora também como o “Lugar do Capacete de Salvação” ( a cruz sobre a cabeça ). Está começando a ver as coisas poeticamente pelos simbolismos em tudo que há?! A Palavra de Deus e Sua obra não são lindas em toda sua riqueza simbólica?!

Por isso Paulo e Isaías escrevem tão propriamente …

Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” (Efésios 6:17) … vale lembrar: { a Palavra de Deus está representada pelas 22 letras do alfabeto hebraico e muitas espadas possuem o formato também de uma cruz, um Tav }

Vestiu-se de justiça, como de uma couraça, e pôs o capacete da salvação na cabeça; pôs sobre si a vestidura da vingança e se cobriu de zelo, como de um manto.” (Isaías 59:17)

Não deixa de ser importante lembrar que 22 também representa o valor ordinal da palavra חנּchen” ( 8 + 14 ) … a mesma separação do número de ossos da cabeça que citei anteriormente… palavra essa que significa nada menos que “graça” … tudo o que Deus faz é perfeito, lindo e majestoso … principalmente quando vemos os detalhes de toda a Sua obra. E ainda há mais … muito mais … mas fica para outro dia!

Que o SENHOR lhe abençoe grandemente e que você seja selado pelo SENHOR com o capacete da Salvação!!! 🙏❤️

A Lei e os 430 anos

Números nas Escrituras sempre apontam para algum significado superior além do seu próprio valor, pois nada em seus textos é obra do acaso, em tudo há um design … e cada letra, palavra e frase esconde muito mais do que está na superfície. Na verdade, sempre que eu leio um texto das Escrituras, nunca deixo de esquecer a valiosa recomendação do apóstolo Pedro …

sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular interpretação” (2 Pedro 1:20)

Isso significa que nunca um texto nas Escrituras aponta para uma única mensagem, mas sim para o fato de que o SENHOR esconde em cada texto uma variedade múltipla de informações … basta se estar disposto a “garimpar” com afinco para se encontrar as muitas “pedras preciosas” escondidas dentro de um texto. Até mesmo quando se estuda genealogia, algo que parece não trazer tanta riqueza de informação, há na verdade sempre algo além do que informa o texto, pois cada nome nas Escrituras possui um significado e isso nos “fala” sempre mais do que o que está aparente ( você pode ver isso no artigo que escrevi sobre as mensagens escondidas nas genealogias, aqui ).

Observando tudo isso, não é irrelevante o fato de as Escrituras mencionarem muitas vezes o número 430, o que denota mais uma vez que isso tem muitas outras ramificações quando estudado com mais detalhes … aqui neste artigo eu vou abordar apenas alguns poucos deles.

Sobre o Êxodo do Egito, o qual imediatamente precedeu a recepção da Lei de Deus, a Torah, nos fornece um exemplo apropriado da precisão inerente das obras do SENHOR e o seu vínculo ao número 430, como está escrito …

Ora, o tempo que os filhos de Israel habitaram no Egito foi de quatrocentos e trinta anos. Aconteceu que, ao cabo dos quatrocentos e trinta anos, nesse mesmo dia, todas as hostes do SENHOR saíram da terra do Egito.” (Êxodo 12:40,41)

Observe o grau de exatidão expresso neste verso. Deus especifica que o Êxodo começou após a passagem de exatos quatrocentos e trinta anos … período esse que remete ao tempo da aliança feita entre o SENHOR e Abraão e a sua descendência ( vide Gênesis 12 e 15 ), onde também aparece o significativo número 400 ( número este de que também fiz um estudo sobre o seu amplo e misterioso significado, veja aqui ). Ao cabo desse tempo determinado, Moisés então levou os israelitas ao Monte Sinai, onde o SENHOR fez uma aliança com eles e deu-lhes a Torah, a Sua Lei.

E digo isto: uma aliança já anteriormente confirmada por Deus, a leiνομος “nomos” ), que veio quatrocentos e trinta anos depois, não a pode ab-rogar, de forma que venha a desfazer a promessa.” (Gálatas 3:17)

Muitos séculos depois, no livro de Gálatas, o apóstolo Paulo usou esses fatos quando explicou que a aliança, a Lei, que se passara quatrocentos e trinta anos depois, não destruiu a promessa original de justiça, por intermédio da fé, que foi dada a Abraão. A palavra escrita em grego neste verso, traduzida como Lei, é νομος ( “nomos” ), a forma nominativa da palavra padrão para Lei usada em todo o grego do Novo Testamento. Não deixa de ser curioso quando se observa o valor dessa palavra no grego:

Leiνομος, “nomos” ), soma das letras -> 50 + 70 + 40 + 70 + 200 = 430

Esta é mais uma evidência indelével de que a mão oculta de Deus guiou o desenvolvimento da história, das Escrituras e consequentemente do alfabeto grego como meio também de revelação ( vide artigo anterior que fala sobre o design dos alfabetos grego e hebraico, aqui ). Os mais céticos podem até alegar que isso é apenas uma “coincidência”, mas o fato é que existe uma gama muito ampla de casos similares de “coincidências” como estas que são ricamente documentadas e mostram estatisticamente que isso não é obra do acaso, mas sim evidência de um design superior em toda a história e formação das Escrituras … eu mesmo escrevi sobre isso em artigos anteriores, mas recomendo também aos que apreciam investigar o tema mais à fundo que leia o vasto trabalho do meu amigo e irmão Moacir Junior, com quem tenho aprendido muito e que tem uma gama de dezenas de milhares de páginas, com evidências dos mais variados tipos, que atestam esse design nas Escrituras. Sobre essa questão do design no grego e no hebraico eu recomendo o artigo que ele publicou em seu estudo “O Código Gênesis – parte 34”, que pode ser acessado aqui.

Esta é mais uma demonstração de que fazer determinados cálculos é uma amostra de sabedoria e entendimento quando se observam as Escrituras em sua enorme abrangência de revelação; como também atesta a própria Escritura no seguinte texto …

Aqui está a sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número ( αριθμος “arithmos” ) da besta, pois é número ( αριθμος “arithmos” ) de homem. Ora, esse número ( αριθμος “arithmos” ) é seiscentos e sessenta e seis.” (Apocalipse 13:8)

Como explicação extra, a frase grega traduzida em algumas versões bíblicas como “o número de um homem” não tem nenhum artigo definido no grego, portanto a tradução mais precisa é “o número de homem”. Isto é coerente com o significado do número seis como revelado pela criação do homem no sexto dia e a proibição contra o assassinato premeditado que está no sexto mandamento. O número seis é o número do homem.

Voltando ao ponto principal, a palavra que João usou neste verso, traduzido como número, é αριθμος ( “arithmos” ), a forma nominativa da palavra grega padrão usada em todo o Novo Testamento. Esta é a raiz da palavra “aritmética”. Assim, temos uma segunda identidade:

Númeroαριθμος, “arithmos” ), soma das letras -> 1 + 100 + 10 + 9 + 40 + 70 + 200 = 430

Vemos então que “Lei” e “Número” têm a mesma “assinatura” de valor quando calculados de acordo com a estrutura alfanumérica intrínseca do alfabeto grego. Ambos são membros da categoria numérica definida pelo número 430 … e essa não é a única relação, pois quatrocentos e trinta anos fala também do tempo de amadurecimento e completude da descendência de Abraão para enfim tornar-se uma nação apta a receber a Lei do SENHOR e a sua própria terra, como já prefigurava um misterioso texto no meio da genealogia de Gênesis 11 …

… depois que gerou a Pelegue ( פלג Peleg … divisão ), viveu Héberעבר `Eber … “a região dalém de” … עברי Hebreu = “pessoa dalém de” ) quatrocentos e trinta anos; e gerou filhos e filhas.” (Gênesis 11:17)

Nesse pequeno trecho da genealogia de Sem, vemos uma frase que simboliza o que ocorreria no futuro, no tempo de Abraão, onde a terra havia sido divida entre os Filhos de Deus em face do episódio da Torre de Babel ( vide também Deuteronômio 32:7-9 ), onde Jacó ( menção ao povo de Israel ) seria a porção do SENHOR entre as nações. Esse versículo da genealogia de Sem prefigurava que a nação dos hebreus ( mesma raiz de Heber como visto acima ), teria alcançado a sua maturidade e completude em filhos e filhas para receber a Lei e a terra após os quatrocentos e trinta anos depois da divisão que ocorreu no tempo em que Abraão foi chamado por Deus … fato esse que é detalhado justamente no capítulo seguinte, em Gênesis 12.

Não deixa de ser significativo que a soma dos algarismos do valor 430 é 7 ( 4+ 3 + 0 ), pois 7 é o número da perfeição divina e fala também de completude … o que mais uma vez também remete à completude do tempo determinado para que a descendência de Abraão alcançasse o número de filhos e filhas necessários para se tornar uma nação madura e completa, dentro do tempo “perfeito” definido pelo SENHOR … e mais uma vez vemos aqui uma evidência de design divino … para entender melhor isso que eu quero demonstrar, veja os textos a seguir …

Portanto, sede vós perfeitosτέλειοι, “teleioi” ) como perfeito é o vosso Pai celeste” (Mateus 5:48)

Irmãos, não sejais meninos no juízo; na malícia, sim, sede crianças; quanto ao juízo, sede homens amadurecidosτέλειοι, “teleioi” ).” (1 Coríntios 14:20)

Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos ( τέλειοι, “teleioi” ) e íntegros, em nada deficientes.” (Tiago 1:4)

Perceba que o termo usado para “perfeitos”, “maduros” ( ou “completos” ) em grego é τέλειοι, “teleioi”, o qual curiosamente tem o valor de … 430

Completos, Perfeitos, Maduros ( τέλειοι, “teleioi” ), soma das letras -> 300 + 5 + 30 + 5 + 10 + 70 + 10 = 430

Vemos uma curiosa identidade que une a mensagem bíblica explícita por meio dos valores numéricos intrínsecos do alfabeto grego em conjunção com fatos e tempos determinados nos textos em hebraico das Escrituras. Com isso testemunhamos a natureza eterna de Deus, o nosso Criador, codificando e unindo não apenas as histórias, mas até mesmo os idiomas em que as mesmas foram escritas. O que evidência ainda mais a amplitude da revelação e da riqueza da Palavra do SENHOR, aumentando o nosso entendimento quando lemos que …

Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2 Timóteo 3:16,17)

A glória de Deus é encobrir as coisas, mas a glória dos reis é esquadrinhá-las.” (Provérbios 25:2)

Ao SENHOR seja toda a Honra e toda a Glória!

Que o SENHOR lhe ilumine e abençoe ricamente!🙏❤

Espírito de Poder, Amor e Moderação para Enfrentar Tempos Difíceis

As Escrituras afirmam que o tempo antes do “fim desta era” seria “difícil“,”perigoso“,”feroz” ( χαλεπος chalepos ), cheio de depravação humana, com pessoas egoístas, cruéis, inimigas do bem, como está escrito …

Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis ( perigosos, ferozes … χαλεπος chalepos ), pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder.” (2 Timóteo 3:1-5).

À luz desta guerra espiritual furiosa ao nosso redor, é vital que seja enfatizado: “É importante não se perder a cabeça … nos dias atuais, essa expressão serve tanto figuradamente como literalmente”. Na verdade, a mente é a “porta de entrada” para o seu coração e, portanto, é essencial que você proteja o seu pensamento, e assim ao seu coração, imergindo-se na verdade …

Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.” (Provérbios 4:23)

O medo é, muitas vezes, o resultado de se acreditar na mentira de que Deus não está no controle ou de que Ele é incapaz, ou de que Ele não está disposto a ajudá-lo … “Não perder a cabeça” significa estar fundamentado no que é real e verdadeiro e, portanto, isso significa que você deve entender qual é a sua identidade e provisão como filho de Deus …

Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.” (2 Timóteo 1:7)

Espírito de poder ( δυναμις dunamis ), amor ( αγαπη agape ) e de moderação ( σωφρονισμος sophronismos ) … o termo em grego traduzido aqui como “moderação” significa literalmente uma “mente equilibrada“, uma “mente curada da fragmentação” … que possui disciplina e autocontrole … nesse versículo anterior o apóstolo Paulo reforça que nós devemos nos sentir “seguros” no sentido de que estamos sob os cuidado do Espírito de Deus …

E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo.” (Romanos 15:13)

sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo.” (1 Pedro 1:5)

Em tempos como os atuais, o último tempo, devemos lançar mão desse poder que nos está disponível através do Espírito do SENHOR, mas com amor e autocontrole ( disciplina e equilíbrio ) … dessa forma seremos capazes de vencer as dificuldades e os perigos desse tempo, estando cheios daquilo que o mundo está vazio … cheios do Espírito do SENHOR que nos dá paz mesmo diante das tempestades e do mais ferrenho caos …

Que o SENHOR lhe abençoe, ilumine e lhe proporcione a Sua maravilhosa paz que excede a todo o entendimento! 🙏❤

O Significado “Escondido” dos 400 Anos de Gênesis 15:13

Quando observamos determinados textos nas Escrituras, é comum passar despercebido certos significados mais profundos que a passagem “esconde” … veja essa passagem por exemplo:

então, lhe foi dito: Sabe, com certeza, que a tua posteridade será peregrina em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos” (Gênesis 15:13)

Essa passagem é famosa aos que conhecem as Escrituras, pois refere-se à Aliança feita entre o SENHOR e Abraão ( nesse tempo ainda conhecido apenas como Abrão ) e que abrangia toda a sua enorme descendência prometida, a qual nesse tempo existia apenas no campo da fé, visto que Abraão ainda não tinha recebido o filho da promessa.

São muitos os aspectos interessantes nessa passagem, mas aqui vou abordar apenas um ponto que não está tão perceptível no texto, mas que merece uma menção. Como pode perceber pela imagem compartilhada neste artigo, a moderna letra “Tav” ( ת ) em hebraico, que também significa marca/sinal … no tempo de Abraão ( cerca de 2000 anos antes de Cristo ), era representada pelo símbolo de uma cruz ( ), porém o que muitos também desconhecem é que, assim como todas as letras em hebraico, ela representa um valor … e o seu valor é de 400.

A libertação do povo da escravidão do Egito veio apenas após exatos 400 anos e isso aponta para a beleza e harmonia das Escrituras e do plano do SENHOR como um todo, pois fomos libertos do pecado ( simbolicamente do Egito ) por meio da cruz de Cristo, ( a letra tav “ת“, o símbolo da ,️ de 400 ). É isso o que o texto de Gênesis 15:13 já prefigurava … a libertação da aflição por meio da cruz … esse é um dos sentidos que o SENHOR “escondeu” no texto, já naquele tempo quando Moisés escrevia os textos do livro de Gênesis, pois tudo aponta para Cristo e o Seu sacrifício perfeito e libertador na cruz que nos tornou Filhos de Deus … como está escrito:

porque, por Ele [ Cristo ], ambos temos acesso ao Pai em um Espírito. Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus” (Efésios 2:18,19)

Cristo é o tema central das Escrituras … a cruz é cumprimento da promessa do SENHOR … é o maior símbolo de amor e libertação, pois a morte de Cristo na cruz é vida eterna para os que nEle creem ( João 3:16 )!

Um adendo interessante ao texto citado de Gênesis … não deixa de ser curioso o fato de que os textos proféticos bíblicos utilizem anos de 360 dias ( vide os 1260 dias de Daniel que abrangem 3 anos e meio ), pois quando se observa isso e multiplicamos os 400 anos vezes 360 dias, temos: 144.000 … o número “símbolo” das tribos “seladas” no livro de Apocalipse, no capítulo 7 … mais uma vez Gênesis 15:13 aponta para aqueles “filhos de Abraão”, os quais hoje abrangem tantos judeus quanto gentios, que são “libertos” e “selados” para o SENHOR, por meio de Cristo, e que vão herdar a “terra prometida”.

Convenhamos … a Bíblia não é linda e cheia de belezas em cada texto?! … ainda mais quando conhecemos os fundamentos nos idiomas em que ela foi escrita, pois o SENHOR se utiliza das mais diversas formas para revelar e confirmar os Seus bons propósitos para com aqueles que O amam!!!

Que o SENHOR lhe ilumine e abençoe grandemente! 🙏❤

————————————————————-

*** Um adendo ao artigo … vale refletir nisto, 400 também é o valor das seguintes palavras:

Hebraico:

Esposa: נשים (‘ishshah) Gên 4:19
Anos: שנים (shaneh) Gên 5:6
Céus: השמימה (shamayim) Gên 15:5
Colheita: קציר (qatsiyr) Gên 30:14
Paz: לשלם (shalowm) Gên 37:4
Livro: מספרך (cepher) Êxo 32:32
Habitar: לשכן (shakan) Núm 9:22
Fôlego: הנשמה (neshamah) Jos 10:40
Juiz: השופט (shaphat) Jui 2:18
Salvação: ישעך (yesha`) 2Sa 22:36
Leão: מכפירים (kephiyr) Sal 35:17
Traspassar: ומדקרים (daqar) Jer 51:4
Domínio: ושלטנה (sholtan) Dan 4:3 [ Aramaico ]
Sétimo: ובשביעי (shebiy`iy) Zac 7:5

Grego:

Vinho: οινος (oinos) Mat 9:17
Vinagre: οξος (oxos) Mat 27:34
Ramo: κληματα (klema) Joã 15:5
Santo: οσιον (hosios) Ato 2:27

Expressões:

“Julgue ele com justiça o Teu povo” (Salmo 72:2a)
[ Yadin Amkah B’Tsedek ] יָדִ֣ין עַמְּךָ֣ בְצֶ֑דֶק
 
“Eu falo com justiça” (Isaías 45:19)
[ Davar Tsedek ] דֹּבֵ֣ר צֶ֔דֶק
 
“santos e amados” (Colossenses 3:12)
[ Hagioi kai Hegapemenoi ] ἅγιοι καὶ ἠγαπημένοι
 
“alturas do céu” (Jó 22:12)
[ Gavah Shamayim ] גֹּ֣בַהּ שָׁמָ֑יִם
 
“Benigno e misericordioso é o SENHOR” (Salmo 145:8)
[ Hanun V’Rahum YHVH ] חַנּ֣וּן וְרַח֣וּם יְהוָ֑ה

Por que se aprofundar no estudo da Palavra?

Quem se limita no estudo da Palavra de Deus, limita em sua vida o Deus da Palavra.

Vou explicar melhor … é comum eu ver pessoas que, ao lerem e estudarem as Escrituras, pulam textos ou livros inteiros, ou por acharem chatos, ou por acharem complicados, ou até mesmo porque o texto as confronta em seu viver ou em sua teologia, isso entre outros tantos motivos … e assim estes “fatiam” as Escrituras apenas naquilo que lhes interessa. Lamento dizer, mas essa não é uma atitude sábia, pois quem faz isso por não gostar, por exemplo, de textos de genealogias, quantidades de tribos, ou de livros tais como Levítico, Números, Cantares, Ester, Provérbios, Daniel, Ezequiel, Judas, Hebreus, o “famigerado” Apocalipse, entre muitos outros; estará desdenhando e ignorando verdadeiras jazidas do SENHOR.

Mesmo as genealogias escondem em si a beleza do resumo da mensagem do evangelho em seu significado e muitas outras coisas, quem não as estuda jamais o perceberá, da mesma forma, por exemplo, não conhecerá a beleza e complexidade da construção da genealogia de Mateus 1 no grego, quem não estuda os números das tribos, jamais conseguirá ver a gigante cruz que se movia no deserto durante o êxodo. Quando você se limita até mesmo do idioma original, jamais perceberá a beleza matemática da construção dos primeiros versículos do Gênesis e a sua profundidade. Jamais perceberá a beleza do Aleph e o Tav (Alfa e o Ômega) nas milhares de passagens das Escrituras, o seu significado, beleza e profundidade nas genealogias, no casamento de Rute com Boaz, em Zacarias e muitas outras passagens. Não perceberá o que os textos em Aramaico de Daniel escondem sobre o tempo do fim, não perceberá a beleza dos 13 atributos do SENHOR, sua relação com as virtudes do fruto do espírito e os 7 atributos exclusivos do SENHOR, assim como a sua relação com o número 13. Isso para não citar ainda muitas e muitas belezas e riquezas dos textos de Provérbios, Salmos e muitos outros. As Escrituras são como minas de ouro e de pedras preciosas que quanto mais se cava, mais riqueza se encontra.

Entendo que muitos tem ministérios específicos, mas isso não significa que tenham de se limitar neles, pois quem é especialista sobre as questões da semeadura e colheita pode nunca conhecer a profundidade e a excelência da generosidade. Assim como quem é especialista nos dons, e nisso permanece, poderá jamais conhecer a profundidade do caminho mais excelente que Paulo indica sobre o amor. A mensagem do Evangelho é simples para que todos tenham acesso, tanto que ela pode ser resumida por completo em João 3:16, mas esse é apenas o ponto de partida, infelizmente em nosso tempo muitos o tomam como ponto de chegada e perdem um universo de coisas de uma vida plena em Deus.

Eu, particularmente, reconheço que ainda sou como uma criança à beira da praia enquanto o SENHOR tem um mar de riquezas e verdades que se escondem diante de mim, mas não importa o tamanho da sede que se tenha de se conhecer a Deus, Ele é sempre maior do que a nossa maior sede. O nosso mundo atual mede o sucesso pelo dinheiro, isso acontece mesmo em meios cristãos, mas o sucesso é proporcional em se conhecer ao SENHOR e no nível de intimidade com Ele, em fazer a Sua vontade e realizar o Seu propósito para a sua vida e assim Glorificá-lO. Mas se você já se limita no estudo da Palavra de Deus, acabará limitando em sua vida o Deus da Palavra e todo o relacionamento com Ele!

Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em Me conhecer e saber que Eu Sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas Me agrado, diz o SENHOR.” (Jeremias 9:23-24)

Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR” (Oséias 6:3a)

Que o SENHOR lhe ilumine e abençoe! 

Os Três Níveis

A arca de Noé tinha o próprio Deus como designer (Gênesis 6:14-16), e a salvação por meio de Jesus é o design de Deus (Jonas 2:9, Efésios 1:9,11). A arca de Noé continha apenas uma porta (Gênesis 6:16), assim como Jesus é a única porta para a salvação (João 10:9). A arca de Noé continha três níveis (Gênesis 6:16) e a salvação possui três níveis experienciais (2 Coríntios 1:10): passado, presente e futuro.
 
No passado (em Moriah), Jesus nos livrou da pena do pecado; no presente, Ele nos livra do poder do pecado; e no futuro Ele nos livrará da própria presença do pecado. Da mão de Noé foi dado o sinal da pomba, um símbolo de paz e da presença permanente do Espírito de Deus.
 
A vida cristã também é permeada de três níveis de conhecimento e intimidade com o SENHOR. O Tabernáculo apresentava os mesmos três níveis: o Pátio, o Lugar Santo e o Lugar Santíssimo; sendo então uma simbologia, uma sombra dos três níveis da vida cristã, que abrangem o corpo (Pátio), onde sacrificamos todo os dias os desejos da carne no altar (vide Romanos 12:1), a alma (Lugar Santo), onde renovamos e transformamos a mente (intelecto) e o coração (sentimentos), e o espírito do homem (Lugar Santíssimo), onde nos enchemos do Espírito e da presença do SENHOR e buscamos ser um com Ele.
 
O cristão entra no Pátio pela , aceitando o sacrifício de Cristo na cruz (altar) e lendo a Palavra (bacia) que limpa e aumenta a sua fé, então ele cresce e se desenvolve para entrar no Lugar Santo pela esperança, pela expectativa do bem que virá, tendo a mente (intelecto) e o coração (sentimentos) iluminados (menorah), alimentados (mesa dos pães da presença) e buscando ao SENHOR em oração (altar de incenso). Finalmente, ele adentra o Lugar Santíssimo quando conhece e pratica o verdadeiro amor, a Deus acima de tudo e ao próximo como a si mesmo, tendo em si a presença do SENHOR (arca da aliança). Vide 1 Coríntios 13:13, “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor.
 
A fé em Cristo nos faz passar pela porta do caminho que nos leva ao Pátio; a esperança, a expectativa do bem que virá por meio de Cristo nos leva pela porta da verdade que nos faz adentrar ao Lugar Santo. Já o amor de Cristo e em Cristo é a chave para passar a porta que nos leva para a vida, para o Santíssimo, onde está a presença de Deus e a vida eterna. Vide João 14:6, “Respondeu-lhe Jesus: Eu Sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por Mim.
 
O cristão no Pátio, dá fruto (a 30); pelo processo de limpeza ele cresce, entra no Lugar Santo, e começa a dar mais fruto (a 60). Quando está cheio do Espírito, da presença e do amor do SENHOR, ele entra no Santíssimo e dá muito fruto (a 100). Vide textos de João 15:2,5 e Mateus 13:23.
 
O cristão no Pátio, ainda está com o seu “barco” na areia, junto à praia do lago, pouco ainda conhece do seu SENHOR, apenas ouve dEle se falar. O cristão no Lugar Santo já está com o seu “barco” em “águas rasas“, onde o SENHOR mesmo lhe instrui e ensina sobre Si e o Reino. Mas é com o seu “barco” em “águas profundas“, no Santíssimo, onde a intimidade com o SENHOR é igualmente profunda e plena, onde a verdadeira recompensa se manifesta e transborda a ponto de ser abundantemente cheio, rasgando nossas “redes”. Vide Lucas 5:1-7.
 
O cristão no Pátio conhece a boa vontade do SENHOR. No Lugar Santo ele conhece a agradável/aceitável vontade do SENHOR, mas é no Santíssimo onde ele conhece a perfeita vontade do SENHOR. É um processo gradativo de conhecimento e de intimidade com o SENHOR que nos revela também gradativamente a Sua vontade. Vide Romanos 12:2, “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.
 
Eu recomendo que você busque ao SENHOR com ardor, constância, fervor e profundidade, por meio da Palavra, da oração e deixando o Espírito lhe mudar, moldar e guiar … deixe de ser um cristão menino, carnal (no Pátio) e cresça, passando pelo Lugar Santo, renovando e transformando a sua mente e coração, até chegar ao Santíssimo, onde então você conhecerá a perfeita vontade do SENHOR, sendo um com Ele; então conhecerá e manifestará em si o amor verdadeiro, que é o maior e o mais nobre dos sentimentos, das virtudes do fruto do Espírito, o qual nos faz parecidos com o SENHOR, onde você dará muito fruto (a 100), terá a recompensa das “águas profundas“, alcançará a vida abundante, e assim conhecerá a Plenitude de Cristo, de Sua vontade e será cheio de toda a sabedoria e entendimento espiritual.
 
Que o SENHOR lhe ilumine e abençoe!!! ?❤️

 

O Perdão Perfeito e Pleno do SENHOR

Quem, ó Deus, é semelhante a Ti, que perdoas a iniqüidade e Te esqueces ( עבר `abar ) da transgressão do restante da Tua herança? O SENHOR não retém a Sua ira para sempre, porque tem prazer na misericórdia.” (Miquéias 7:18)

O termo para o verbo “esquecer” aqui em hebraico é עבר ( `abar ) que significa: ultrapassar, passar por, atravessar, alienar, tomar, levar embora, passar por cima … é o mesmo termo do qual deriva o termo “hebreu” ( עברי, “Ibriy” ), que significa “pessoa dalém de”, “passar adiante” …

Portanto, “esquecer” aqui não significa que o SENHOR já não lembra do pecado, até porque pelo Seu atributo de Onisciência, isso lhE é impossível, mas isso significa que, quando o SENHOR perdoa a iniquidade e “esquece” a transgressão, ELE “passa por cima” destes pecados e os mesmos já não tem poder para nos acusar e condenar, pois foram “levados embora”, foram “ultrapassados”; o perdão é perfeito e pleno, já que o pecado não tem mais poder acusatório para condenação.

Portanto, devemos espelhar essa característica do SENHOR, o nosso Pai celeste, e também ter prazer na misericórdia, proporcionando um perdão pleno, completo para com o próximo sempre que for necessário (“setenta vezes sete” como disse Jesus) …

Sede misericordiosos, como também é misericordioso vosso Pai.” (Lc 6:36)

A misericórdia triunfa sobre o juízo.” (Tg 2:13b)

Que o SENHOR lhe abençoe e lhe proporcione a Paz que excede a todo entendimento!