O Ano de 2017 … 

O ano de 2017 que se aproxima é repleto de aniversários curiosos e significativos, entre outros dados que mostram que talvez seja um ano … “marcante”:

– Em 2017 serão 800 anos da profecia de Judah ben Samuel sobre os 10 jubileus, feita em 1217.
– Em 2017 serão 500 anos desde que começou o último Califado Muçulmano, o qual tomou Jerusalém em 20 de Março de 1517.
– Em 2017 serão 500 anos da Reforma Protestante, onde Lutero publicou suas 95 teses em 31 de outubro de 1517.
– Em 2017 serão 120 anos do Primeiro Congresso Sionista ocorrido em 29 de agosto de 1897.
– Em 2017 serão 100 anos da Declaração de Balfour, escrita em 2 de novembro de 1917 e da libertação de Jerusalém das mãos dos Otomanos pelos Ingleses.
– Em 2017 serão 70 anos do Estado de Israel, promulgado através da resolução 181 da ONU em 29 de novembro de 1947 (Plano de Partilha da Palestina). Em 14 de maio de 1948 ocorreu a Independência de Israel.
– Em 2017 serão 50 anos da retomada completa do controle de Jerusalém por Israel após a Guerra dos Seis Dias ocorrida de 5 a 10 de junho de 1967.
– Em 2017 é o último ano referenciado pela profecia dos 10 jubileus, que já teve seus cumprimentos em 1517, 1917, 1967 …
– Em 2017 ocorrerá um evento astronômico que lembra a figura descrita em Apocalipse 12, da “mulher vestida do sol com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça”, pois em 23 de setembro de 2017 a constelação de virgem, vista a partir de Jerusalém, terá uma formação similar. Não estou afirmando que Apocalipse 12 se refira a isso, mas a semelhança é digna de nota.
– Curiosamente o ano de 2017 também possui interseção com o ano judaico de 5777 (que começa em 03 de outubro de 2016) e o número 7 é significativo para quem conhece as Escrituras, ainda mais quando aparece 3 vezes ( 777 ).

Obviamente eu não posso afirmar com certeza que algo de proporções históricas irá acontecer em 2017, pois eu não tenho nem permissão e nem autoridade para fazer afirmações diretas. Mas eu posso fazer essa seguinte especulação a partir dos padrões vistos no passado, pois em 1517, 1917, 1947 e 1967, que foram anos importantes relacionados a Jerusalém (e Israel indiretamente), são todos anos relacionados a guerras que prenunciaram os eventos ocorridos nesses anos conforme descrito abaixo:

– Em agosto de 1516 houve uma guerra no Oriente Médio, não muito longe de Aleppo, que permitiu aos Otomanos tomarem Jerusalém em 1517.
– Em 1914 iniciou a Primeira Guerra Mundial que preparou todo o cenário necessário para a tomada de Jerusalém pelos Ingleses em 1917 e para a Declaração de Balfour.
– Em 1939 iniciou a Segunda Guerra Mundial que preparou todo o cenário que culminou na criação do Estado de Israel em 1947.
– Em 1967 ocorreu a Guerra dos Seis Dias que levou Jerusalém a ser completamente controlada por Israel novamente após quase 2000 anos.
– Estamos em 2016, e 2017 tem todos esses “aniversários” e “marcos” acima descritos … caso o padrão se mantenha, isso indique que talvez vejamos algo ocorrendo, quem sabe uma guerra ainda em 2016 ou mesmo em 2017 como prenúncio de algo significativo que ocorrerá … ou talvez nada significativo ocorra … só o tempo dirá …

2016_2017

Fonte: Dionei Vieira – O ano de 2017 que se aproxima é repleto de…

Campanha Palestina para Julgar Israel por “Crimes Contra a Humanidade” é Financiada pela Europa

Segue o artigo traduzido:
————————————————————————————————–
Financiamento europeu está por trás de quatro ONGs palestinas que apresentaram um documento para o Tribunal Penal Internacional (TPI) na última semana de novembro, supostamente com evidências de “crimes de guerra” israelenses cometidos durante a Operação Margem de Proteção no verão de 2014, de acordo com um relatório divulgado pela organização de vigilância ONG Monitor na quarta-feira.

De acordo com o relatório, os grupos palestinos em questão – Al-Haq, Al-Mezan Center for Human Rights, Aldameer e o Palestinian Center for Human Rights – “são todos líderes em atividades anti-Israel, (incluindo campanhas de boicote, desinvestimento e sanções), e esta apresentação é parte da campanha em curso “lawfare” que está explorando as instituições internacionais em geral e, em especial, o TPI para campanhas anti-Israel. Essa tática foi adotada no Fórum de ONGs da Conferência de Durban de 2001 e é uma parte integrante da Estratégia de Durban, que procura demonizar e deslegitimar Israel”.

O relatório diz que o objetivo das “campanhas lawfare” é “apagar o contexto do terrorismo palestino alvejando civis israelenses, e para obstruir tentativas de Israel de se defender contra ele”.

Um exemplo dos “crimes de guerra e crimes contra a humanidade” israelenses que um comunicado de imprensa liberou sobre apresentação do documento ao Procurador do TPI, Fatou Bensouda, é o testemunho de um homem de Gaza, que afirma que sua casa foi atacada em um ataque aéreo israelense enquanto a sua família estava dormindo. Duas das ONGs afirmam que oito pessoas foram mortas no ataque.

Mas, diz a ONG Monitor, “Um exame rápido deste caso mostra que ele está baseado em distorções e meias-verdades. Um mês após o incidente, [um homem morto] foi reconhecido pelo Hamas como um “mártir” e lançou um pôster dele como um combatente, enterrando-o [com] uma bandana do Hamas”.

Cada uma das ONGs que apelam ao TPI recebem amplo financiamento direto e indireto de governos europeus, disse a ONG Monitor:

Al-Haq – “Os parceiros de 2014″ incluem: Bread for the World (Alemanha); Irish Aid (Irlanda); Christian Aid (Reino Unido); Ministério Norueguês das Relações Exteriores, Diakonia (Suécia), Governo Federal da Bélgica; Heinrich Boll Stiftung (Alemanha); ICCO (Holanda); AECID (Espanha); Human Rights and International Law Secretariat (uma junção financiada pela Suécia, Suíça, Dinamarca e Países Baixos); UNDP; e Open Society Institute (EUA).

Al-Mezan – Os doadores incluem: Human Rights and International Law Secretariat (financiamento conjunto a partir de Suécia, Suíça, Dinamarca e Países Baixos); Noruega; Medico International (Alemanha); Save the Children International; and the Open Society Foundations.

“Projeto de Doadores” incluem: a União Europeia; Human Rights and International Law Secretariat; Diakonia (Suécia); Heinrich Boll Foundation (Alemanha); Conselho Norueguês de Refugiados; Sigrid Rausing Trust (Reino Unido); Oxfam-GB; Save the Children; Open Society Foundation; UNDP; e o Fundo de Resposta de Emergência Central das Nações Unidas.

Aldameer – Human Rights and International Law Secretariat (financiamento conjunto a partir da Suécia, Suíça, Dinamarca e Países Baixos). Outras informações de financiamento não estão disponíveis.

Palestinian Center for Human Rights (Centro Palestino para os Direitos Humanos) – Os doadores incluem: a União Europeia; UN OCHA; Irlanda; Dinamarca e Noruega; ONG Development Center (financiamento conjunto dos governos da Suíça, Suécia, Holanda, Dinamarca); Open Society Foundations (EUA); Christian Aid (Reino Unido), Grassroots International (EUA); Kvina Till Kvina (Suécia); Al-Quds Association Malaga (Espanha); Oxfam Novib (Holanda); e Dan Church Aid (Dinamarca).

Esses governos, conclui o relatório, “irresponsavelmente financiam e permitem as campanhas políticas com o único propósito de demonizar Israel sob uma fachada de direitos humanos”.

European funding is behind four Palestinian NGOs that submitted a document to the International Criminal Court (ICC) this week, purporting evidence of Israeli…
ALGEMEINER.COM

Fonte: Dionei Vieira – Segue o artigo traduzido:…

HAMAS e o seu vínculo com o Tempo do Fim

Para quem não sabe, foneticamente, HAMAS (chamas) em hebraico significa “violência” {Strong: 02554; DITAT- 678a; n m 1) violência, dano, crueldade, injustiça}. Eu já escrevi sobre isso antes, mas dessa vez vou estender um pouco mais os meus comentários. O nome do grupo terrorista islâmico, que está na região de Israel atualmente, e que tem o nome de HAMAS, não o tem por acaso, está relacionado às profecias antigas e que apontam para o tempo do fim.

Curiosamente, HAMAS é um acrônimo em árabe para “Harakat al-al-Islamiyya Muqawamah“, que significa “O Movimento de Resistência Islâmica“. Mas “o Hamas” também é uma palavra árabe que significa “zelo”. E não dá para negar que eles buscam destruir Israel com determinado “zelo”.

Quando as profecias dizem que o tempo da vinda do SENHOR será similar aos tempos de Noé e de Sodoma e Gomorra, é necessário que você entenda o que ocorria nessa época … e aqui eu vou me referir apenas a um dos aspectos dessa época, no caso ao da violência, que é comum de se observar em ambos os casos.

Em Gênesis 6:11 e 13, há dois versículos importantes que caracterizam o tempo de Noé, veja abaixo:

A terra estava corrompida à vista de Deus e cheia de VIOLÊNCIA.” (Gen 6:11)
Então, disse Deus a Noé: Resolvi dar cabo de toda carne, porque a terra está cheia da VIOLÊNCIA dos homens; eis que os farei perecer juntamente com a terra.” (Gen 6:13)

Em ambos os textos fica caracterizado a violência [HAMAS] na terra na época de Noé, da mesma forma, hoje na região de Israel está impregnado o HAMAS, a violência.

Agora vamos analisar alguns textos relacionados às profecias do tempo do fim, veja o que diz o texto de Amós, mas vou atualizar o texto para os tempos atuais colocando ao lado de algumas palavras o nome moderno e atual:

Ai dos que andam à vontade em Sião e dos que vivem sem receio no monte de Samaria, homens notáveis da principal das nações, aos quais vem a casa de Israel! Passai a Calné [IRAQUE] e vede; e, dali, ide à grande Hamate [SÍRIA]; depois, descei a Gate dos filisteus [FAIXA DE GAZA]; sois melhores que estes reinos? Ou será maior o seu território do que o vosso território? Vós que imaginais estar longe o dia mau e fazeis chegar o trono da VIOLÊNCIA [HAMAS];” (Amós 6:1-3)

Percebe o que acontece hoje no Iraque, na Síria e na Faixa de Gaza?!

Agora veja o texto de Joel:

O Egito se tornará uma desolação, e Edom [sul da Jordânia] se fará um deserto abandonado, por causa da VIOLÊNCIA [HAMAS] que fizeram aos filhos de Judá, em cuja terra derramaram sangue inocente. Judá, porém, será habitada para sempre, e Jerusalém, de geração em geração. Eu expiarei o sangue dos que não foram expiados, porque o SENHOR habitará em Sião.” (Joel 3:19-21)

Dessa forma, podemos deduzir que, devido às obras de violência [HAMAS], haverá uma resposta vinda do SENHOR e/ou dos filhos de Judá, que estão hoje na moderna Israel, que tornará o Egito e Edom uma região desértica, possivelmente isso pode decorrer de algum ataque nuclear.

Poderia ainda citar os textos de Ezequiel 7, entre outros, que apontam não apenas para as coisas que vemos ocorrendo hoje, mas também para o fato de que essa violência vinda de grupos islâmicos (muitos deles descendentes de Ismael e Esaú) irá ter um fim … fim este vindo da parte do SENHOR … e isso pode acontecer num futuro não muito distante … veja estes textos de Isaías e Obadias:

Nunca mais se ouvirá de VIOLÊNCIA [HAMAS] na tua terra, de desolação ou ruínas, nos teus limites; mas aos teus muros chamarás Salvação, e às tuas portas, Louvor.” (Isaías 60:18)

Por causa da VIOLÊNCIA [HAMAS] feita a teu irmão Jacó, cobrir-te-á a vergonha, e serás exterminado para sempre.” (Obadias 1:10)

Fonte: Dionei Vieira – Para quem não sabe, HAMAS, em hebraico significa…

Prognósticos do Analista de Tendências, Gerald Celente, para 2016

As entrevistas do programa de Greg Hunter continuam ótimas, eu que não tenho tido muito tempo para traduzir o resumo e publicá-las aqui com a frequência anterior, mas continuo a assistir a todos os programas. Desta vez, pela importância do entrevistado e do assunto relacionado ao cenário atual, resolvi traduzir um resumo da entrevista de cerca de 30 minutos de Gerald Celente, publicada no último domingo. Naturalmente, a entrevista tem muitos detalhes e dados a mais do que o resumo, portanto, para quem não tem problema com o idioma, recomendo que assista.

Segue o resumo:
—————————————————————————————————-
Guerra & Calamidade Econômica estão chegando, são os prognósticos para 2016 do analista de tendências Gerald Celente.

As principais tendências analisadas e prognosticadas por Gerald Celente dizem que 2016 vai ser um ano muito difícil. O que está vindo direto para nós? Celente diz: “A recessão global, e isso já está acontecendo, tudo que você tem que fazer é abrir os olhos e os ouvidos. O minério de ferro, o cobre, o alumínio, o níquel, o zinco, um após o outro, desde o trigo até aos produtos lácteos do milho. Quando você olha para o Índice Bloomberg, está abaixo dos níveis de 1999, em média. O que é que isto nos diz? Há muito produto e a procura não é suficiente. É a mesma coisa com petróleo. Há muita produção e a procura não é suficiente. . . . O que estamos vendo é uma desaceleração global, porque as commodities são como o canário na mina de carvão”.

Celente diz que tudo isso está sinalizando um outro colapso financeiro maior do que o de 2008. Celente explica: “Então, o que você tem é uma bolha, uma bolha de dívida que cresceu para US$ 220 TRILHÕES em todo o mundo desde esta falsa flexibilização quantitativa e os esquemas das taxas de juros negativas que vieram com vários bancos centrais . . . Você não pode fazer isso. As taxas de juros e os rendimentos negativos nunca aconteceram antes no mundo. Isso é novo. Eles estão perdendo a cabeça e fora da sua área. Eles não sabem o que estão fazendo. Eles estão tomando decisões de pânico para tentar manter esse esquema ‘Ponzi’ vivo”.

Na guerra global, Celente diz: “Infelizmente, quando tudo o mais falhar, eles nos levarão à guerra. Olhe, volte para 1929 e a queda do mercado. Você tinha colapsos de mercado, Depressão, guerras de moeda, guerras comerciais, guerra mundial. Voilá, aqui estamos novamente. Pânico de 2008, Grande Recessão, guerras cambiais … guerra mundial. . . . Quando o mercado cai, o assunto da guerra vai esquentar”.

O ouro e a prata são diferentes das outras commodities. Por quê? Celente diz: “A demanda é para o ouro e a prata. Para mim, é o porto seguro final. Eu venho dizendo isso desde 2012 e 2013 que o fundo para o ouro é de cerca de US$ 1.050 a onça. Eu dei esse número, porque isso está relacionado sobre o que custa para retirá-lo da terra. . . . O ouro está relacionado ao planejamento para o pior”.

Então, este é o pico que o ouro e a prata exigem como um precursor para o próximo colapso. Celente está prevendo que isso ocorra em breve? Celente diz: “Eu acredito totalmente assim. . . . Será definitivamente pior agora. Olha a bolha que eles criaram. . . . Se houver uma ataque terrorista, eles vão usar isso como uma desculpa para roubar-nos, para tentar mitigar o desastre que eles causaram. Eu acredito que eles vão declarar um feriado bancário e desvalorizar a moeda. Essa é a maneira que eles vão tentar nos tirar isso”.

Abaixo o link para o vídeo da entrevista no YouTube …

 

On global war, trends researcher Gerald Celente says, “Unfortunately, when all else fails, they take us to war. Look, go back to 1929 and the market…
YOUTUBE.COM

Fonte: Dionei Vieira – As entrevistas do programa de Greg Hunter…

Reportagem: O ISIS contrabandeou armas de destruição em massa para a Europa

O pesadelo continua …
—————————————————————————————————–
Um breve documento compilado pela União Européia (UE) revela que a organização terrorista Estado Islâmico (ISIS) tem contrabandeado armas de destruição em massa (WMD) para a Europa, e a UE teme que o ISIS irá usá-las em um ataque pendente.

De acordo com um relatório do britânico Daily Mail, o ISIS já contrabandeou armas químicas e biológicas para a UE e recrutou químicos e biólogos que têm o conhecimento para usar corretamente as armas de destruição em massa (WMD).

“Atualmente, os cidadãos europeus não estão contemplando seriamente a possibilidade de que grupos extremistas possam utilizar (CBRN) materiais biológicos, radiológicos ou nucleares e químicos, durante os ataques na Europa. Nestas circunstâncias, o impacto desse tipo de ataque, se ocorrer, seria ainda mais desestabilizador”, adverte o relatório.

“Estamos lidando com uma ameaça muito séria de uma organização terrorista internacional com bons recursos e determinada, que agora está ativa nas ruas da Europa”, o Daily Mail cita Rob Wainwright, diretor da Europol, como dizendo depois dos ataques terroristas islâmicos em Paris, que mataram 132 pessoas, “isso representa a mais séria ameaça terrorista enfrentada na Europa em 10 anos”.

Ele também alertou que o ISIS que tinha graves capacidades em termos de “recursos e mão de obra”.

Milhares de Europeus tem viajado para a Síria para lutar junto ao ISIS. Eles voltaram para os seus países de origem, e as autoridades temem que usem seu conhecimento, adquirido no campo de batalha, para estabelecer células de terror e atacar alvos ocidentais.

“‘O ISIL / Da’esh [ISIS] tem recrutado e continua a recrutar centenas de combatentes estrangeiros, incluindo alguns com formação em física, química e ciência da computação, especialistas acreditam que têm a capacidade de fabricar armas letais a partir de substâncias cruas”, disse o relatório.

Autoridades e agências de inteligência estão em alerta máximo e vasculhando o continente por células terroristas possíveis e sinais de WMD, enquanto os “relatórios mensais de inteligência CBRN da Interpol mostram numerosos exemplos de tentativas de adquirir, utilizar ou contrabandear materiais QBRN”.

Evidências em campos de batalha no Iraque e na Síria mostram que o ISIS já utilizou armas químicas contra seus inimigos. Vários relatos de várias fontes ao longo de um curso de meses têm alertado para capacidades destrutivas do ISIS e a sua motivação para usá-los.

Houve também um relatório em outubro de 2014 de que o ISIS está experimentando armas biológicas e, especificamente, o vírus Ebola, que pretendem usar em solo americano. Eles pretendem usar os terroristas contaminados com Ebola como armas humanas que vão transmitir a doença mortal e altamente contagiosa para os EUA e o Ocidente.

European authorities fear ISIS will attack Western targets with chemical weapons, which are already in place.
WORLDISRAELNEWS.COM

Fonte: Dionei Vieira – O pesadelo continua ……

Prepare-se, porque o petróleo a US$ 20 pode estar próximo para esse mercado

Cada vez mais o mercado vislumbra essa possibilidade. Lembro de ter escrito sobre isso ainda em 2014, avisando há um ano sobre o que estava por vir ( veja aqui: http://dcvcorp.com.br/?p=985 ). Esse é mais um do tabuleiros do jogo de forças que tenho acompanhado e sei o que pode estar vindo … e não é nada bom. Há uma estratégia maligna por detrás de tudo isso, já escrevi detalhes sobre isso antes e tudo segue conforme o planejado e ainda sem sinal de mudanças.

Para ter uma idéia, essa declaração está bem clara no artigo que publiquei em Dezembro de 2014:

“Não é do interesse dos produtores da OPEP de cortarem a sua produção, seja qual for o preço”, disse Naimi. “Se ele vai cair para US$ 20, US$ 40,US$ 50,US$ 60, isso é irrelevante”.

Abaixo segue trecho traduzido do artigo publicado hoje no mercado e aqui compartilhado:
—————————————————————————————————–
Aqueles que procuram algum conforto em Dezembro podem enfrentar mais algumas sessões sombrias, dada a queda aparentemente interminável do petróleo.

As ações globais não estão muito felizes com as coisas nesta manhã, e isso inclui o Mercado de Futuros das Ações Americanas, com os investidores ainda vindo a enfrentar a noção de que a OPEP realmente está ficando parada e assistindo aos preços do petróleo continuarem caindo. Não há quaisquer dados maiores para distrair-nos hoje e a reunião do FED ainda está há uma semana de distância, portanto, não há nada para ver, exceto o petróleo.

A conversa esta manhã é sobre o quão difícil vai ser para o petróleo para se recuperar da última queda. Aqueles que procuram elementos de apoio não estão encontrando muito, e isso é colocado para fora em nossa chamada do dia, que diz para nos prepararmos para US$ 20 por barril. Isso tudo resulta da queda do petróleo de ontem para uma nova baixa de 7 anos, abaixo dos US$ 38.

Oil prices at $20 is not just a fantasy, it’s quickly becoming a reality for this market.
MARKETWATCH.COM|POR BARBARA KOLLMEYER

Fonte: Dionei Vieira – Cada vez mais o mercado vislumbra essa…

China Lança Grandes Mudanças Militares para Projetar Poder em Meio a Tensões com os EUA

O presidente chinês, Xi Jinping tem revelado as mudanças militares mais significativas de seu país em mais de 60 anos, que definem planos para aumentar a prontidão de combate e fazem o maior exército do mundo mais bem equipado para irradiar força além das fronteiras do país, de acordo com a mídia apoiada pelo Estado.

O anúncio do presidente da maior reforma militar desde a década de 1950 vem em meio a tensões entre os Estados Unidos e a potência asiática sobre reivindicações territoriais recentes no Mar do Sul da China.

Xi disse em uma reunião com mais de 200 altos oficiais militares que as reformas militares marcam todos os ramos das forças armadas para virem sob um comando militar conjunto, semelhante ao sistema nos Estados Unidos, relata a agência de notícias estatal Xinhua.

Em setembro, a Bloomberg destacou detalhes do plano, que pode também tentar reduzir sete regiões militares da China para algo como quatro apenas.

“Sob a liderança do partido, o exército passou de pequeno a grande, de fraco a forte e de vitória em vitória”, Xi disse aos líderes militares, de acordo com a Xinhua. “A razão pela qual os militares se mantiveram vigorosos é que eles mantiveram o ritmo com a época e nunca deixaram de se reformarem. Agora, enquanto o país passa de um grande país para um grande e poderoso, a defesa e o desenvolvimento militar estão em uma nova e histórica linha de partida”.

A Bloomberg relata que o plano de reorganização visa também a consolidar o domínio do Partido Comunista sobre os 2,3 milhões de membros militares, acrescentando que Xi insistiu que o Exército Popular de Libertação (PLA) mantenha “uma orientação política correta” e sublinhou, “o Partido Comunista da China tem liderança absoluta das forças armadas”, observa Xinhua.

“Sob Xi, a China tem sido mais assertiva sobre as reivindicações territoriais no Mar da China Oriental e no Mar do Sul da China, elevando as tensões com os países vizinhos, como o Japão e as Filipinas, assim como os EUA”, assinala a Bloomberg.

O South China Morning Post relata que os militares chineses já estão protestando contra as mudanças ao longo dos salários e das pensões, citando especialistas dizendo que as revisões militares mal geridas do passado foram fracassos totais.

“O Sr. Xi presidiu a reunião de três dias [com os líderes militares] que abriu na terça-feira para discutir as revisões militares, sinalizando um passo importante em seu programa para mudar o foco militar da China dos exércitos terrestres tradicionais e das regiões militares para uma mais flexível, um conjunto coeso de forças que podem avançar as reivindicações marítimas do país e os interesses externos”, observa o New York Times. “O planejamento militar da China e os gastos têm cada vez mais focados em disputas territoriais no Mar do Sul da China e em águas perto do Japão”.

O anúncio de Xi vem mais de dois meses depois que ele prometeu reduzir a força militar da nação em 300 mil, trazendo o total para quase dois milhões de soldados.

Da atual força de 2,3 milhões, um número estimado de 1,4 milhões são de forças terrestres.

“Esta é a maior reforma militar desde a década de 1950,” disse à Bloomberg o coronel aposentado Yue Gang, do Departamento Geral de Pessoal do PLA. “A reforma abala as próprias fundações do sistema militar no estilo da União Soviética da China e de transferir para uma estrutura de comando conjunto ao estilo dos EUA vai transformar a PLA da China em uma força armada especializada que poderia embalar mais de um ataque no mundo”.

“A Marinha do país tem sido a demonstração mais visível da unidade de modernização, com os avançados navios de guerra chineses participando de patrulhas anti-pirataria no Golfo de Aden e extraditando nacionalistas das zonas de conflito na Líbia e no Iêmen”, observa a Bloomberg. “Na quinta-feira, o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês confirmou que a China estava em negociações com Djibouti sobre a construção de instalações de logística para ajudar a navios militares de reabastecimento que operam ao largo da costa Leste Africana”.

Os Estados Unidos já tem uma base militar no Djibouti. O Presidente Obama tem sido acusado por críticos de permitir que a China projete sua força militar.

O Pentágono, em seu mais recente relatório anual ao Congresso dos EUA, declarou que a criação de entidades de comando-conjuntos “seriam as mudanças mais significativas na organização de comando do PLA desde 1949”.

Fonte: China Launches Major Military Overhaul Amid U.S. Tensions