Escatologia – Onde estamos? (Profecias cumpridas de Israel) – Parte 1/2

Sempre que converso sobre o assunto relacionado ao fim dos tempos mencionado na Bíblia, costumo ouvir as seguintes indagações: “estamos mesmo no fim dos tempos, quais as evidências?“, “Quão próximo estamos dos eventos do Apocalipse relacionados à volta de Cristo?“, “As profecias estão mesmo se cumprindo?“, enfim, a lista é longa. Para responder a pelo menos essas perguntas e algumas outras relacionadas vamos, nesta primeira parte do artigo, estudar alguns eventos históricos e profecias cumpridas relacionadas a Israel que muitos estudiosos até o século 19 imaginavam que viriam a se cumprir somente após a segunda vinda de Cristo, mas como eles não imaginavam que Israel voltaria a ser uma nação, tinham então uma visão limitada das realizações de várias profecias. Por isso aconselho o uso das regras de interpretação e estudo que mencionei no meu post anterior sobre essa série (veja aqui).

Como vamos ver, centenas de profecias relacionadas a Israel já se cumpriram até a data atual, o que por si só já é um fato extraordinário se você considerar que muitas dessas profecias foram escritas há vários milênios. O cumprimento delas também é um xeque (na minha opinião seria um xeque-mate) à famosa e infame teologia da substituição no sentido de que essa teologia acredita ter sido Israel abolida das promessas feitas por Deus e que as mesmas tinham sido repassadas integralmente à igreja, mas como veremos isso não é bem assim. Para um estudo desse assunto em maiores detalhes, recomendo aos interessados adquirirem o livro “Estamos vivendo no Fim dos Tempos?” do Dr. Roger Liebi (Actual edições), é um compêndio excelente sobre as profecias cumpridas, com uma tabela de mais de 175 profecias relacionadas e analisadas em detalhes. Neste artigo irei utilizar parte do material desse livro adaptando para uma versão mais resumida, focada em detalhes importantes que me serão úteis quando fizermos outras abordagens dessa série em posts futuros. Também usarei materiais colhidos em minhas pesquisas de outras fontes, caso desejem mais detalhes solicitem pelos comentários que posso indica-las.

Antes de partir para épocas mais recentes, vamos voltar à época de Cristo para uma rápida análise sobre a dispersão dos Judeus. Deus havia avisado ao povo de Israel sobre as consequências de sua desobediência em Levítico 26.31-33 “Reduzirei as vossas cidades a deserto, e assolarei os vossos santuários, e não aspirarei o vosso aroma agradável. Assolarei a terra, e se espantarão disso os vossos inimigos que nela morarem. Espalhar-vos-ei por entre as nações e desembainharei a espada atrás de vós; a vossa terra será assolada, e as vossas cidades serão desertas.”; Moisés também profetizou em Deuteronômio 28.64-67 “O SENHOR vos espalhará entre todos os povos, de uma até à outra extremidade da terra. Servirás ali a outros deuses que não conheceste, nem tu, nem teus pais; servirás à madeira e à pedra. Nem ainda entre estas nações descansarás, nem a planta de teu pé terá repouso, porquanto o SENHOR ali te dará coração tremente, olhos mortiços e desmaio de alma. A tua vida estará suspensa como por um fio diante de ti; terás pavor de noite e de dia e não crerás na tua vida. Pela manhã dirás:Ah! Quem me dera ver a noite! E, à noitinha, dirás:Ah! Quem me dera ver a manhã! Isso pelo pavor que sentirás no coração e pelo espetáculo que terás diante dos olhos.“.

Considerando a primeira vinda de Cristo, passando pela destruição do templo em 70 d.C. até a exterminação definitiva do Estado judeu pelo império Romano, de 132-135 d.C., podemos considerar esse total de 135 anos como o período onde o o povo judeu perdeu a sua nação devido ao julgamento de Deus. Por um longo período desde o século 2 até o século 19, a região da terra de Israel foi sendo esvaziada dos seus habitantes até chegar a um número mínimo estimado de 6.700 habitantes, cumprindo-se assim a profecia de Isaías 6.11-13 “Então, disse eu:até quando, Senhor? Ele respondeu:Até que sejam desoladas as cidades e fiquem sem habitantes, as casas fiquem sem moradores, e a terra seja de todo assolada, e o SENHOR afaste dela os homens, e no meio da terra seja grande o desamparo. Mas, se ainda ficar a décima parte dela, tornará a ser destruída. Como terebinto e como carvalho, dos quais, depois de derribados, ainda fica o toco, assim a santa semente é o seu toco.“. Em 1867, o escritor Mark Twain, ao visitar a região, escreve no seu livro “Innocents abroad” publicado em 1869 o seguinte trecho: “De todas as regiões melancólicas, creio que a mais desolada é a Palestina. As montanhas estão devastadas, sem colorido e não possuem nenhum atrativo pitoresco. Os vales são uma devastação só com alguns arbustos mirrados em suas margens e despertam um sentimento de luto e desespero.“, o texto continua descrevendo a desolação completa no capítulo LVI. Antes disso em 1864, H.B. Tristam descreveu a região assim: “… nenhum sinal de habitantes, mesmo ali onde poderia haver construções … Monotonia da estagnação desprovida de qualquer vida ou movimento.“. As profecias da desolação de Israel cumpriram-se à risca, infelizmente neste espaço não tenho como abarcar tudo o que se pode descrever dessa época até os dias atuais, ficará para um post futuro.

A partir de 1882, o vento da sorte do povo judeu começou a virar. Por volta do ano 600 a.C., Jeremias anunciou o retorno dos judeus espalhados através do mundo. Este acontecimento seria tão significativo que deveria ser anunciado para todas as nações: “Ouvi a palavra do SENHOR, ó nações, e anuncia¡ nas terras longínquas do mar; e dizei: Aquele que espalhou a Israel o congregará… ” (Jeremias 31.10). O povo judeu seria novamente reunido! No versículo anterior de Jeremias 31, porém, não está indicado o local onde o povo judeu seria reunido. O único fato decorrente dessa passagem é que os seus componentes seriam novamente reunidos. Há muitas outras referências que respondem essa questão sobre o local da terra em que o povo judeu seria novamente congregado. Através do profeta Ezequiel, Deus anunciou, já no Século 6 a.C., que, no fim dos tempos, os judeus voltariam à sua terra, isto é, à terra de Israel:

  • Ezequiel 11.17: “Díze ainda: Assim diz o SENHOR Deus: Hei de ajuntá-los do meio dos povos, e os recolherei das terras para onde foram lançados, e lhes darei a terra de Israel“.
  • Ezequiel 36.24: “Tomar-vos-ei de entre as nações, e vos congregarei de todos os países, e vos trarei para a vossa terra“.
  • Ezequiel 37.21: “Dize-lhes, pois: Assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu tomarei os filhos de Israel de entre as nações para onde eles foram, e os congregarei de todas as partes, e os levarei para a sua própria terra“.

A profecia se cumpriu exatamente como fora anunciada há milênios, no Salmo 126. Não houve somente uma grande onda imigratória. A história toda se divide em diversas fases. Nos relatos da história moderna, o desenrolar do retorno é dividido em diversas “ondas de imigração” (Hebraico: Aliyoth). Segue-se uma relação geral de todas as fases de Aliyoth até hoje” (obs.: números aproximados):

  • 1° Aliá (ou Aliyah) (1882-1903) : 25.000 judeus vindos da Rússia; 1.000 judeus vindos do Iêmen.
  • 2° Aliá (1904-1914): 40.000 judeus, principalmente da Rússia, mas também da Polônia.
  • 3° Aliá (1919-1923): 35.000, principalmente da Rússia (53%), mas também da Lituânia e Romênia (36%). Os demais vieram do Leste Europeu, com exceção de 800 imigrantes provenientes da Europa Ocidental.
  • 4° Aliá (1924-1931): 80.000 da Polônia (50%) e da União Soviética, Lituânia e Romênia (50%).
  • 5° Aliá (1932-1938): sob o governo de Hitler, 250.000 judeus, principalmente fugitivos de Alemanha, Polônia e Europa Central.
  • 6° Aliá (1934-1947): 44 Os chamados imigrantes “ilegais”, antes, durante e após a 2a Guerra Mundial, apesar das barreiras britânicas.
  • Imigração em massa de todo o mundo (1948-2012): Retorno de 2.7 milhões de judeus de 130 países diferentes de todos os 5 continentes.
  • 1948-1957: Imigrações em massa dos países árabes ao redor de Israel: 650.000 judeus.
  • 1948-1970: Imigração em massa da Europa: 557.314 judeus. A maioria deles era vítima das perseguições nazistas, que haviam perdido familiares e casas.
  • 1984-1985: “Operação Moísés”: 8.000 – 11.000 judeus etíopes vieram a Israel.
  • 1985: “Operação Sabá”: 1.000 judeus etíopes.
  • 1989: Imigração em massa da Rússia/ CEI: mais de 1 milhão.
  • 1991: “Operação Salomão”: 14.000 judeus etíopes voltam para casa.
  • Ano a ano até hoje: Milhares retornam de todo o mundo.

Abaixo, seguem 3 imagens que mostram 45 profecias cumpridas referentes ao retorno do povo Judeu à sua terra com o texto da Bíblia relacionado e seu cumprimento. Como essa é a parte 1 do artigo, no próximo colocarei mais 75 profecias, num total de 120 que apresentarei … eu não colocarei as mais de 175 apresentadas no livro do Dr. Roger Liebi como estímulo para adquirirem o livro dele para verem a lista completa e terem mais detalhes de todo desenrolar de cada uma. De qualquer forma, observando a relação abaixo dessas profecias, poderá notar o quanto a Bíblia é fiel nas suas profecias e que realmente Deus vela em cumprir sua palavra. No próximo artigo em continuação a este, vou ressaltar alguns fatos muito interessantes das profecias, como por exemplo, que a Bíblia já profetizava que parte do povo viria por via aérea para a terra prometida, o que é um fato incrível para uma profecia de milênios atrás, além de outros fatos e profecias curiosas que foram cumpridas e que mostram que estamos sim, no fim dos tempos!  Boa leitura!

Profecia_1
Profecias de 1 a 13
Profecia_2
Profecias de 14 a 30
Profecia_3
Profecias de 31 a 45

16 thoughts to “Escatologia – Onde estamos? (Profecias cumpridas de Israel) – Parte 1/2”

  1. Só há uma aliança vigente de Deus com os homens desde o sangue derramado na cruz até a segunda vinda de Cristo. Pela fé em Cristo Jesus são salvas pessoas de qualquer nação, inclusive de Israel.
    Depois da volta do Senhor, não será mais necessária a fé, encerra-se a aliança.

    Isaías 66:14 Vós o vereis, e o vosso coração se regozijará, e os vossos ossos revigorarão como a erva tenra; então, o poder do SENHOR será notório aos seus servos, e ele se indignará contra os seus inimigos.

    Notório = bem conhecido, público, sabido de todos.

    1. Será NOTÓRIO aos seus servos. Veja, você mesmo escreveu, então, não se refere a todos.
      Não estou discordando da tese, mas sim da sua análise feita sobre este versículo exclusivamente.

  2. Por favor, solicito o envio do estudo completo por email. Muito agradecido.

    Deixo meu comentário quanto às alianças do Eterno:
    Às alianças de D’us são todas com a casa de Israel. O cristianismo romano introduziu a ‘teologia da substituição’, a qual tem feito muitos prosélitos. Porém tal ensino bate de frente com às palavras do Eterno, que declara, extensamente, que Israel jamais deixará de ser o povo eleito, adquirido (Jr 31:37).
    Nós, gentios, fazemos parte dessas alianças sendo enxertados ao povo de Israel através do sangue do Messias, e assim somos co-herdeiros das promessas do Eterno para Israel.
    Baruch HaShem!!

  3. Gostaria de uma copia completa de todas as profecias referentes à Israel e ao Messias.
    Deus seja louvado e gloria ao Messias para todo o sempre!

    * Concordo com o seu comentário Nelson Tadeu.

    Wladimir

  4. Bom dia,

    Gostaria de saber se a biblia sita o voto de Minerva a Israel e quem daria esse voto viria de uma terra distante e prosperá alguém sabe me informar por gentileza,

    A Paz de Cristo

    1. DIA 14 DE MAIO DE 1948, UM BRASILEIRO CHAMADO: OSWALDO ARANHA, DEU O VOTO MINERVA NA ( ONU ) ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS ) PARA ISRAEL VOLTAR SER NAÇÃO E DEIXAR DE SER ESTADO. A BÍBLIA NÃO RELATA ISSO OK .

  5. Quando a palavra de Deus. Ou Jeová se refere a volta de Israel como dentro dos acontecimento proféticos deve se destacar que estas profecias se refere a toda Canaã e para piorar os judeus só tiveram as terras de volta mediante a força de uma invasão militar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *