Chegou o momento para que Deus revele o Messias, diz o rabino-chefe de Jerusalém

As coisas continuam interessantes no que tange à Israel e a espera pelo Messias, segue o artigo traduzido …
—————————————————————————————————-
Em uma história surpreendentemente sub-relatada, um dos rabinos-chefe de Jerusalém, o Rabino Shlomo Amar emitiu uma decisão na segunda-feira de que Deus deve trazer o Messias e acelerar a redenção final. A decisão foi entregue durante um encontro espiritual durante toda a noite entre rabinos do movimento Chabad-Lubavitch e uma gravação do momento foi postado no YouTube (em hebraico).

Nos dias que antecederam a decisão por Amar, perto de 6.000 rabinos e líderes da comunidade judaica participaram da Kinus Hashluchim anual (Conferência Internacional de Emissários de Chabad-Lubavitch) no Brooklyn, NY. O movimento Chabad-Lubavitch tem emissários que servem ao povo judeu em mais de 75 países ao redor do mundo. A cada ano, eles se reúnem em Nova York para a sua conferência anual.

Depois de concluídos os procedimentos oficiais da conferência, Amar e outros se reuniram na sede mundial da Chabad-Lubavitch, também no Brooklyn, NY, para uma farbrengen informal. A farbrenguen é uma confraternização no mundo Chabad-Lubavitch, onde pensamentos inspirados são compartilhados e melodias espirituais sem palavras, chamadas Niggunim, são cantadas. Os alimentos doces, vinho e outros itens são servidos frequentemente.

Durante esta reunião espontânea, e sem dúvida influenciado pelo sucesso inebriante da conferência que tinha acabado de concluir, Rabbi Berel Lazar, um dos dois principais rabinos da Rússia, lembrou Amar que há 25 anos, o Rebe, Rabi Menachem Mendel Schneerson, o último cabeça do movimento Chabad-Lubavitch, que faleceu em 1994, tinha pedido a Amar para emitir um din psak (decisão rabínica oficial) sobre a questão da redenção do povo judeu.

Vinte e cinco anos mais tarde, neste encontro, nas primeiras horas da manhã de 09 de novembro de 2015, Amar concordou que tinha chegado o momento de declarar que Deus deve acelerar a chegada do messias.

Na presença de dezenas de colegas e segurando as mãos dos dois homens sentados mais próximos a ele, Amar pronunciou, “Vimos por este meio governar de acordo com a demanda do público -, vemos o autor, mas não podemos ver o réu – que Deus Todo-Poderoso rapidamente porá um fim e revelará o Mashiach (Messias) na frente de nossos olhos na realidade”.

Apesar da hora tardia, sua declaração foi recebida com um caloroso “Amém!” da multidão. Imediatamente após, a multidão começou a cantar “Nós queremos Mashiach agora! Nós não queremos esperar! “Estas palavras vêm de uma música que as crianças Lubavitch são ensinadas a cantar a partir de uma idade muito precoce.

Como é possível que um rabino, mesmo um dos principais rabinos de Jerusalém, possa tomar uma decisão na lei judaica que obriga Deus? A agência de notícias Breaking Israel News colocou esta questão ao sênior Chabad Rabino Uri Kaploun que disse: “Tudo o que me vem à mente é o axioma em Chazal (os sábios judeus) que Lo BaShamayim Hi (que não está no Céu): uma vez que a Torá foi dada, a corte terrena faz com que as decisões, e o Tribunal Celestial está, por assim dizer, obrigado por eles”.

In a surprisingly under-reported story, one of Jerusalem’s chief rabbis, Rabbi Shlomo Amar issued a ruling on Monday that God must bring the messiah and…
BREAKINGISRAELNEWS.COM

Fonte: Dionei Vieira – As coisas continuam interessantes no que tange à…

O Novo Sistema Financeiro do Califado e da Babilônia

“Mas, em lugar dos deuses, honrará o deus das fortalezas; a um deus que seus pais não conheceram, honrará com ouro, com prata, com pedras preciosas e coisas agradáveis.” (Daniel 11:38)

 

artigo de Rodrigo Silva,

 

O Califado do Estado Islâmico acaba de anunciar que cunhou moedas de ouro e prata para promover e honrar as leis de Alá sobre transações financeiras. O Estado Islâmico pode não ser o Anticristo ainda, mas o sistema está claramente sendo posto em prática na região geográfica onde a profecia bíblica diz que o Anticristo subirá ao poder, as terras da Assíria e da Babilônia, que é a nação moderna do Iraque e partes da Síria.

 

O Estado Islâmico do Iraque e da Síria lançou recentemente um documentário com uma produção muito elevada e de qualidade em que eles mostram como o seu novo sistema financeiro, baseado em ouro e prata, está projetado para destruir o capitalismo ocidental e o sistema do petrodólar, que troca o petróleo islâmico do Oriente Médio por dólares norte-americanos. Seu novo plano é destruir o sistema financeiro ocidental com a venda de petróleo com o ouro e a criação de um sistema financeiro do mundo islâmico baseado em ouro.

 
Em torno do oitavo minuto, o narrador diz que “a terra dos dois rios“, uma referência para os rios Tigre e Eufrates no Iraque, foi o local para a criação deste novo sistema religioso e financeiro no âmbito do Califado Islâmico. Para você isso pode não ter qualquer significado, mas para nós, esta é uma grande notícia com grande significado profético e aqui está o porquê. O fato de que eles escolheram a “terra dos dois rios” no Iraque é profeticamente relevante. Nós escrevemos em nosso livro que a futura capital religiosa, política e comercial do fim dos tempos estaria localizada na Babilônia, no atual Iraque, conhecido nos tempos bíblicos como a “terra de Sinar“. A palavra “Sinar” em hebraico significa “país de dois rios” (Tigre e Eufrates). A “terra dos dois rios” no Iraque é o local de nascimento do novo sistema financeiro islâmico. Veja o significado da palavra Sinar na imagem abaixo como encontrada na Bíblia.

 

 
Nós escrevemos nas páginas 201-202 do nosso livro que a Babilônia, na terra de Sinar no Iraque se tornaria a capital política, religiosa e comercial do fim dos tempos sob um califado islâmico revivido. Abaixo está a tradução das páginas 201-202 do nosso livro.

Encontramos nas Escrituras proféticas algo que os estudiosos de profecias chamam como “Lei da Dupla Referência”. Esta lei estabelece que em uma passagem profética, Deus faz referência a um cumprimento mais cedo e um cumprimento mais tarde. Isto é o que encontramos nas profecias a respeito da cidade da Babilônia. Tanto Isaías quanto Jeremias predisseram a queda da Babilônia, que ocorreu em 539 aC e a destruição da Babilônia, que ainda está no futuro. De acordo com Isaías 13 e 14, Jeremias 50 e 51 e Apocalipse 17 e 18, a destruição da Babilônia é um evento futuro. Ao longo dos séculos, a cidade tornou-se um monte de ruínas e foi abandonada. Mas a Bíblia prediz que a Babilônia seria reconstruída para ser totalmente destruída. Dentro de Zacarias 5 lemos que o profeta teve uma visão de uma mulher sentada no meio de um efa [ uma medida de quantidade para secos igual a 3 seás ou 10 ômeres; o mesmo que a medida para líqüidos denominada bato; (aproximadamente 9 galões britânicos 40l) ] que seria transportada de um lugar para outro:

Saiu o anjo que falava comigo e me disse: Levanta, agora, os olhos e vê que é isto que sai. Eu perguntei: que é isto? Ele me respondeu: É um efa que sai. Disse ainda: Isto é a iniqüidade em toda a terra. Eis que foi levantada a tampa de chumbo, e uma mulher estava sentada dentro do efa. Prosseguiu o anjo: Isto é a impiedade. E a lançou para o fundo do efa, sobre cuja boca pôs o peso de chumbo. Levantei os olhos e vi, e eis que saíram duas mulheres; havia vento em suas asas, que eram como de cegonha; e levantaram o efa entre a terra e o céu. Então, perguntei ao anjo que falava comigo: para onde levam elas o efa? Respondeu-me: Para edificarem àquela mulher uma casa na terra de Sinar, e, estando esta acabada, ela será posta ali em seu próprio lugar.” (Zacarias 5: 5-11)

Zacarias teve esta visão: “No oitavo mês, no segundo ano de Dario” (Zacarias 1:1)

Isso foi no ano de 519 aC, 20 anos após a Babilônia ter sido conquistado por Ciro em 539 aC. Isto significa que a visão aguarda um futuro cumprimento. A visão de Zacarias representada pela mulher sentada no meio de uma efa tem um significado muito simbólico. A efa é uma medição de cesta que representa a economia e o comércio. A mulher na efa é chamado de “maldade” que representa a rebelião da humanidade contra Deus. Deus diz que esta mulher iria, eventualmente, ser levada de volta para a terra de Sinar, conhecida como Iraque nos dias modernos. Em Apocalipse 17 outra mulher representa o aspecto religioso da Babilônia. Esta poderia ser a mesma mulher que Zacarias viu em sua visão. Em Apocalipse 18, vemos o aspecto econômico e político da Babilônia, que é representada pela efa na visão de Zacarias. Isto significa que o sistema comercial, político e religioso da Babilônia retornará à sua base original para receber o seu julgamento final. Assim, a conclusão é que a cidade literal da Babilônia, às margens do Eufrates, deve ser reconstruída.

O Dr. Arnold Fruchtenbaum escreve: “as profecias referentes à cidade de Babilônia nunca foram cumpridas no passado, como qualquer artigo de uma enciclopédia sobre a Babilônia deixará bastante claro. Para que estas profecias sejam cumpridas, isso exigirá a reconstrução da cidade da Babilônia, na mesma área em geral. A antiga Babilônia é o atual Iraque dos dias de hoje”.

O Dr. Henry Morris, um cientista e um comentarista da Bíblia escreve o seguinte em seu comentário sobre o livro do Apocalipse: “Estudos de computador do Institute for Creation Research têm mostrado, por exemplo, que a Babilônia está muito perto do centro geográfico do conjunto de massas de terra do planeta. Está dentro de distâncias navegáveis ​​do Golfo Pérsico e está na encruzilhada de três grandes continentes: Europa, Ásia e África. Assim, não há mais nenhum local ideal em qualquer lugar para uma centro de comércio mundial, um centro de comunicação mundial, um centro bancário mundial, um centro educativo mundial, ou especialmente, a capital do mundo! O maior historiador dos tempos modernos, Arnold Toynbee, costumava estressar a todos os seus leitores e ouvintes dizendo que a Babilônia seria o melhor lugar do mundo para se construir uma futura metrópole cultural do mundo”.

Estes autores concordam que a Babilônia precisa ser reconstruída. Por que Babilônia têm de ser reconstruída? De acordo com Apocalipse 18, a Babilônia será a capital política e econômica do próprio Anticristo, que é chamado ”o rei de Babilônia” em Isaías 14:4.

G.H. Langer escreve: ”A Babilônia existe desde os dias de Nimrod (Gen.10: 10), mas os altos e baixos daquele estado durante esses mil e quinhentos anos não importam profeticamente. Foi quando Nabucodonosor fez a Babilônia centro de um império mundial que o primeiro reino da profecia surgiu. Os Medos e Persas tinham tido uma história quase igualmente longa, mas que é de nenhuma conta profeticamente falando. Foi quando Ciro fez da Babilônia o centro de seu reino que o segundo reino da profecia apareceu. Os Estados Gregas tinham estado lutando, se desenvolvendo, colonizando por muito tempo séculos antes de Alexandre, mas a profecia não leva isso em conta isso. Isto simplesmente não importa. Foi quando Alexandre fez da Babilônia o seu mundo e o centro do terceiro reino, que a profecia tornou-se presente. É assim com o quarto império, como certamente é o esperado. As mutações de seu longo curso são de pequena preocupação profeticamente. A interpretação divina e o concentrado interesse profundo nos últimos dias, será quando o Anticristo fizer da Babilônia a sua capital.

Leia os textos acima com cuidado e, em seguida, compare com o documentário produzido pelo Estado islâmico. Abaixo está o link para o documentário. Preste muita atenção em torno do oitavo minuto quando eles anunciam que a “terra dos dois rios“, conhecido na Bíblia como Sinar ou “país de dois rios”, “Babilônia” e “Caldéia” é o berço do novo sistema financeiro do Califado islâmico baseado em ouro e prata.

A ascensão do Khilafah e o retorno do dinar de ouro

Fonte: The Caliphate’s new financial system and Babylon | The Coming Bible Prophecy Reformation

O Mistério do Querubim Caído

Mais um excelente trabalho de tradução e legenda do meu grande amigo Alfa Bravo Hidequel, que o Eterno lhe recompense mano. Jonathan Cahn aborda muitas coisas importantes neste vídeo, recomendo muito. Lembrem que o povo perece por falta de conhecimento, então busque aprender, há muita informação neste vídeo.

Após assistir ao vídeo, leia este post, abrirá ainda mais a sua compreensão de tudo isso, aqui:https://www.facebook.com/DioneiCleberVieira/posts/1113184282044913

Recomendo também, para quem ainda não conhece, que dê uma navegada no canal do YouTube onde está hospedado este vídeo, pois verá que além deste vídeo compartilhado aqui, há muito, muito mais vídeos ricos em informações para você que ama aprender.

O rabino-messiânico crente no Messias (Emanuel) Jonathan Cahn revela como o anjo decaído de Isaías 14:12 e Ezequiel 28:16, que é Satanás, instalou seu…
YOUTUBE.COM

Fonte: Dionei Vieira – Mais um excelente trabalho de tradução e legenda…

A Profecia Dos 10 Jubileus

Este post é apenas para lembrar aos que gostam de estudar profecias que 3/4 da profecia de Judah Ben Samuel já se cumpriram. Judah Ben Samuel foi um piedoso judeu alemão que viveu entre 1140 e 1217, e que antes da sua morte (em 1217) profetizou acerca de Jerusalém e da nação de Israel o seguinte (vide imagem abaixo):

Quando os otomanos (turcos) – que ainda estavam se desenvolvendo no tempo de Judah Ben Samuel – conquistarem Jerusalém eles vão governar Jerusalém durante oito jubileus (1517 a 1917). Depois Jerusalém se tornará terra de ninguém por um jubileu (1917-1967) e, em seguida, no décimo jubileu irá voltar para a posse da nação judaica (1967-2017??) – o que significaria o início do tempo messiânico do fim dos tempos.

Existem várias referências antigas sobre a profecia de Judah Ben Samuel, o que denota que a mesma não teve como ser “fabricada”, seguem algumas: Rabbi Isaac Ben Solomon Luria, fazendo uma abordagem mística sobre o mundo messiânico (Jerusalem, 1531-1572, Safed); Joseph Solomon Delmegido (1591 Candia – 1655 Prague), um matemático e astrônomo (“Mazref le-Chochma”), Azulai I (1724-1806), um famoso bibliógrafo; Samuel David Luzzatto (1800-1865), um estudante das Escrituras; o historiador Heinrich Graetz (1817-1891); e o estudioso da Torah Jacob Epstein (1925-1993).

Sendo assim, não parece ser ao acaso que tantos Rabinos tem vindo a público colocando que a vinda do Messias é esperada para breve. Quem tem acompanhado o que acontece entre o povo Judeu, percebe o que disseram vários Rabinos nas últimas décadas e nos últimos anos, tais como Kaduri e tantos outros, falando e apregoando de que a era messiânica se aproxima. Será que Judah Ben Samuel, que teve 3/4 de sua profecia cumprida com perfeição, teria errado justamente na última parte e a mais importante?! Pessoalmente, eu acho pouco provável, ainda mais com tantos eventos proféticos sendo cumpridos justamente nessa época atual … de qualquer forma logo o saberemos … se o 1/4 restante vier a se comprovar, você está preparado?!

Fonte: Dionei Vieira – Profecia dos 10 Jubileus

04 de julho, 17 de Tamuz No Calendário Judaico – Momento De Vigiar E Orar

Amanhã, 04 de julho, é 17 de Tamuz no calendário judaico. Um dia marcado por cinco grandes catástrofes que ocorreram na história judaica:

(1) Moisés quebrou as tábuas no Monte Sinai, em resposta ao Bezerro de Ouro que foi construído.
(2) As ofertas diárias no Primeiro Templo foram suspensas durante o cerco de Jerusalém, no século 5 aC.
(3) As muralhas de Jerusalém foram violadas, antes da destruição do Segundo Templo em 70 EC.
(4) Antes da Grande Revolta, o general romano Apostamos queimou um rolo da Torá – estabelecendo um precedente para a horrível queima de livros judaicos ao longo dos séculos.
(5) Uma imagem idólatra foi colocada no Templo Sagrado – um ato insolente de blasfêmia e profanação.

Os dois Templos que foram destruídos tiveram suas quedas iniciando no mês de Tamuz, a partir das brechas que ocorreram nos muros, e o seu ápice ocorreu no mês de Av, no dia 9 (dia 25 de julho neste ano). Assim como em 17 de Tamuz houve a brecha na muralha do Segundo Templo, o mesmo ocorreu em 9 de Tamuz (26/06/2015) no Primeiro Templo, sendo que o dia 17 de Tamuz acabou incorporando a lembrança desse evento para os dois fatos.

Neste ano, nos EUA, no dia 9 de Tamuz houve a decisão pela Suprema Corte sobre a questão do casamento homossexual, um evento marcante, visto que nos dias de Noé e Ló, essa é uma das características do povo dessa época que marcou o seu comportamento antes de sua destruição, além da violência na terra (veja Gênesis 6:11,13).

Curiosamente, 4 de julho é comemorado nos EUA pelo Dia da Independência e neste ano está sendo marcado também pela crescente ameaça terrorista (violência). Por isso, pelas “coincidências” das datas do calendário judaico com eventos neste ano, e nisso posso citar também os vários eclipses solares e lunares de 2015 que também foram e ainda serão em datas significativas do calendário judaico, é importante observar se esses outros dias históricos podem ser marcados, na atualidade, por outros fatos que venham a ser históricos e importantes no mundo. É um momento para se vigiar e orar …

Fonte: Dionei Vieira – Amanhã, 04 de julho, é 17 de Tamuz no calendário…

Beleza e Curiosidades do Hebraico – Homem e Mulher

por Dionei Vieira,

Aos que gostam de estudar os meandros do idioma pelo qual boa parte das Escrituras foram redigidas e perceber a beleza, riqueza e profundidade do que o Eterno criou, vamos estudar o significado profundo da união do homem com a mulher e a sua função, estudando a partir da perspectiva de suas raízes hebraicas:

Veja que a palavra “Homem”, em hebraico se escreve assim: איש ( ‘iysh )

Agora veja que a palavra “Mulher”, se escreve assim: אשה ( ‘ishah )

Perceba que ambas partilham duas letras comuns e possuem duas outras distintas, agora vamos ver o que isso significa Leia Mais

Corte de Jerusalém defende oração judaica no Monte do Templo

por Jeremy Sharon,

 

 

Ativistas saudaram o que foi rotulado como uma vitória histórica nesta segunda-feira, após o Tribunal de Jerusalém emitir uma decisão ostensivamente apoiando as reivindicações de que os judeus estão autorizados a rezarem no Monte do Templo.

O ativista Yehuda Glick tinha feito um processo judicial contra a Polícia de Israel por causa de o proibirem de visitar o local por dois anos, devido as provas de vídeo dele orando no Monte do Templo.

Glick, que ficou gravemente ferido em uma tentativa de assassinato no ano passado por um extremista palestino, foi banido do Monte do Templo, entre 2011 e 2013, depois que ele foi visto proferindo uma oração judaica no local, em uma transmissão pelo Canal 10.

Os serviços de segurança proíbem não-muçulmanos de rezarem ou de praticarem outras formas de culto no Monte do Templo, alegando que Leia Mais