O Reino Unido Ignora Ligações do Hamas com Instituições de Caridade Islâmicas

Como uma organização terrorista, o Hamas é proibido nos termos da legislação do Reino Unido. Se o governo britânico quisesse, poderia encerrar estas instituições de caridade imediatamente.

 

por Sam Westrop,

 

 O administrador da Interpal, Essam Yusuf, presta homenagem no santuário do terrorista do Hamas, Ahmed Said Khalil al-Jabari. 

 

As instituições de caridade muçulmanas na Grã-Bretanha hoje, escreve o jornalista e radialista Peter Oborne para o Daily Telegraph, “arriscam-se a serem insultadas, manchadas e consideradas como uma organização terrorista”.

Oborne, comentarista político-chefe do Telegraph, acredita que uma instituição de caridade em particular, a Interpal, com sede em Londres, tem suportado a violência de tais maus-tratos. A Interpal, aos olhos de Oborne, é uma instituição de caridade humanitária escrupulosa que tem sido implacavelmente e injustamente atingida pelos governos ocidentais, meios de comunicação e grupos judaicos.

Durante uma longa baforada, Oborne denuncia a “especulação da mídia e uma série de alegações infundadas e viciosas”, que levaram a questionamentos da Comissão de Caridade, casos de difamação e restrições financeiras – “tudo o que tiver sido apurado [da Interpal] de irregularidades e uso indevido de fundos”.

Fundada em 1994, a Interpal pretende fornecer “alívio e ajuda ao desenvolvimento para os palestinos em necessidade”. Enquanto a caridade possa ter sobrevivido, apesar de investigações da Comissão de Caridade e de acusações de ligações com o terrorismo, a Interpal certamente não foi inocentada das acusações. Como discutido anteriormente pelo Instituto Gatestone, investigações por parte da Comissão de Caridade do Reino Unido ignoraram evidências vitais e ilógicas recomendações emitidas. Em 2003, por exemplo, a Comissão de Caridade exonerou a Interpal, mas ignorou as provas de que a Interpal recebia fundos da Fundação Al-Aqsa da Holanda, já proibida no Reino Unido como uma fachada para o terrorísmo do Hamas.

Em 2009, a Comissão de Caridade exigiu que a Interpal se separasse de um grupo de instituições de caridade chamado a União do Bem, uma coalizão de financiamento do Hamas, dos quais o administrador da Interpal, Essam Yusuf, estava no comando; mas, perversamente, a Comissão de Caridade não exigiu que a Interpal também cortasse seus laços com os líderes do Hamas, uma organização terrorista proibida pela lei britânica. Não obstante, o inquérito da Comissão de Caridade de 2009 não chegou efetivamente a inocentar a Interpal, mas expressou preocupação com as ações de caridade.

Oborne culpa a sucessão de investigações britânicas pela atitude mostrada pelo governo dos Estados Unidos. Em 2003, o governo dos Estados Unidos classificou a Interpal como um grupo “terrorista global especialmente designado”. Esta designação não era inesperada: em 2001, documentos apreendidos em Ramallah, revelaram que a Interpal havia transferido $33.800 para uma instituição de caridade palestina chamada Sociedade Beneficente Al-Islah, fundada por Jamal Mohammad Tawil, um agente do Hamas responsável por vários ataques suicidas.

Além disso, em 2003, funcionários da Interpal também foram listados nos documentos apresentados durante o julgamento sobre o financiamento ao terror pelo governo dos EUA da Fundação Terra Santa. Mais tarde, em Julho de 2006, uma investigação feita por uma equipe de documentário da BBC descobriu que a Interpal estava fornecendo fundos para uma série de instituições de caridade nos territórios palestinos operadas por altos membros do Hamas.

Hoje, a Interpal não parece diferente. Está, por exemplo, atualmente apoiando a Sociedade Benevolente Al Falah, sediada em Gaza, que, de acordo com a agência de Inteligência Meir Amit e o Centro de Informação do Terrorismo, é uma das “sociedades beneficentes do Hamas”. O diretor desta organização parceira da Interpal é Ramadan Tamboura, a quem o jornal Ha’aretz descreve como “uma figura bem conhecida do Hamas”.

 

 O parceiro da Interpal, Ramadan Tamboura, com o líder do Hamas, Ismail Haniyeh.

 

Ibrahim Hewitt, um dos curadores da Interpal, defende o assassinato de apóstatas e dos adúlteros, e exige que os homossexuais sofram “punições severas” para o seu “grande pecado”. Os membros do pessoal da Interpal referem-se aos terroristas do Hamas como “mártires” e publicam notas sobre isso na mídia social em apoio aos líderes do Hamas.

Esse é outro administrador da Interpal, no entanto, é quem revela totalmente as verdadeiras cores da instituição de caridade. Essam Yusuf (também conhecido como Essam Mustafa) gere, em nome da Interpal, um programa de comboio de ajuda, chamado “Milhas de Sorrisos”, que fornece programas de bem-estar do regime do Hamas em Gaza. Para gerenciar esses comboios, Essam Yusuf trabalha em estreita colaboração com Ahmed Brahimi, um ativista nacional e argelino do Hamas, que escreveu recentemente, em resposta ao recente assassinato de cinco israelenses contra uma sinagoga de Jerusalém que, “Alá é o maior … Alá seja louvado pela operação de martírio em Jerusalém e pelas notícias do estado dos mortos e feridos … Alá é o maior e Alá seja louvado”.

Essam Yusuf é regularmente fotografado com os líderes do Hamas em Gaza, que recebem cada um o comboio com uma cerimônia e uma série de eventos comemorativos. Oborne observa, de fato, que, “no final de 2013 [Yusuf] foi atacado pela mídia por aparecer em um vídeo ao lado do líder do Hamas, Ismail Haniyeh, aparecendo para participar de uma canção anti-israelense, que elogia a ala militar do Hamas, Al Qassam, e o martírio”.

 

 O administrador da Interpal, Essam Yusuf, sentado ao lado do líder do Hamas, Ismail Haniyeh.

 

Mas, Oborne nos tranquiliza, “[Yusuf] só levantou o dedo durante o canto quando ele elogiou o Islã e não em outras partes da música”.

Oborne argumenta que o trabalho com o Hamas é inevitável: “é quase impossível não lidar com o Hamas, o partido político no poder no território antes do acordo de unidade no início deste ano, se você é uma instituição de caridade que trabalha lá”.

Esta afirmação, no entanto, é demonstravelmente falsa. Em primeiro lugar, um grande número de instituições de caridade britânicas operam na Faixa de Gaza, mas muito poucos de seus curadores encontram-se estrelando sessões fotográficas do Hamas. Em segundo lugar, não ter de “negociar com o Hamas” realmente incluem visitas às casas de família e santuários de líderes terroristas do Hamas?

Em 2012, por exemplo, Essam Yusuf visitou as casas de Abdel Aziz al-Rantissi, líder do Hamas que já prometeu que iria “matar os judeus em toda parte”; e do Sheikh Said Seyam, que comandou a Força Executiva do Hamas, uma milícia que torturou e assassinou simpatizantes palestinos do Fatah durante a tomada violenta do Hamas da Faixa de Gaza em 2006.

 

 O administrador da Interpal, Ibrahim Hewitt (na extrema-esquerda), rezando no túmulo do fundador do Hamas.

 

Então o que faz Oborne escrever uma coluna para o jornal mais vendido da Grã-Bretanha em apoio à Interpal?

É notável que apenas alguns dias antes de seu artigo no Telegraph, Oborne falou em um evento organizado pela Interpal para celebrar o seu 20º aniversário. Seus colegas oradores, incluídos Chris Gunness, porta-voz da Agência de Obras Públicas e Socorro das Nações Unidas [UNRWA]; Daud Abdullah, o ex-chefe do Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha; Oliver McTernan, um comentarista que dirige um grupo britânico pró-Hamas chamado Visão de Futuro; e Jeremy Corbyn MP.

Entre esses oradores, parece ter havido um pouco de favor mútuo. A Interpal prometeu US$ 500.000 para a UNRWA, e Oliver McTernan e a UNRWA foram ambos citados em defesa da Interpal como parte do artigo do Telegraph, de Peter Oborne. Jeremy Corbyn MP tem patrocinado e assinado uma série de Propostas Primárias Iniciais no parlamento que elogiam a Interpal por seu “trabalho humanitário” e condenam a “designação prejudicial da Interpal” como uma organização de apoio ao terrorismo.

 

Peter Oborne (segundo da esquerda) senta-se ao lado de Daud Abdullah (na extrema-esquerda), um islamista britânico que assinou a Declaração de Istambul, um documento que pedia ataques contra as tropas britânicas e as comunidades judaicas (Novembro de 2014).

 

Oborne, de fato, parece ter uma longa história de apoio a causas extremistas. Ele já havia escrito em apoio da organização pró-jihadista CagePrisoners, e assinou uma série de cartas e petições que fazem campanha contra a investigação do governo da Irmandade Muçulmana. Em uma recente entrevista com um jornalista egípcio, Oborne descreveu a Irmandade Muçulmana como um “grande movimento”, e se recusou a condenar o Hamas.

Em 2009, Oborne apresentou um documentário sobre a influência do lobby pró-Israel na Grã-Bretanha, que, de acordo com a Comunidade de Segurança Trust, pintou um quadro de conspiração sinistra e estereótipos anti-semitas.

Oborne parece também afeiçoado ao regime assassino iraniano, particularmente ao seu fundador teocrata, o aiatolá Khomeini. Em seu livro, uma ilusão perigosa, Oborne escreve: “Um dos maiores teólogos de todos os tempos, o ensinamento de Khomeini continham observações que iam muito mais profundo do que qualquer coisa que os racionalistas e materialistas dos Estados Unidos poderiam imaginar … A tradição religiosa xiita que Khomeini articulou com brilho era uma poderosa ameaça para o sistema de governo [americano] por procuração … de repente, houve uma filosofia política, articulada com eloqüência avassaladora por Khomeini, que falou diretamente com os corações das [pessoas]”.

Alguns podem ficar tentados a tomar a opinião de Peter Oborne como excêntrica. Mas, como um jornalista britânico proeminente, suas colunas exercem influência. A Interpal não está claramente preocupada com o seu próprio futuro. Em 2012, a Interpal recebeu £536.000 de dinheiro dos contribuintes a partir do governo britânico através de um regime de isenções fiscais chamado Gift Aid.

A verdade é que a Interpal nunca foi alvo de críticas por opositores dogmáticos ou governos de islamofobia. A Interpal, apesar de conexões múltiplas da instituição de caridade com extremistas na Grã-Bretanha e os terroristas em Gaza, tem contado com o apoio de jornalistas, políticos e outras instituições de caridade por anos. A estranha acusação da mídia ou do inquérito do governo  não causam nenhum dano à caridade, porque a Interpal sabe que pode contar com a indignação de seus apologistas proeminentemente colocados.

Oborne afirma que a Interpal sobrevive apesar dos inquéritos de caridade e dos comentário da mídia. Na verdade, a Interpal prospera por causa deles. Cada investigação de caridade estragada e cada baforada no jornal ajuda a fortalecer o caso para a Interpal – e, correspondentemente, para o Hamas.

Como uma organização terrorista, o Hamas está proibido nos termos da legislação do Reino Unido. Se o governo britânico quisesse, poderia fechar a Interpal imediatamente. Mas enquanto jornalistas como Peter Oborne e parlamentares, como Jeremy Corbyn continuarem a pintar a Interpal como uma vítima e afirmarem que o seu trabalho com o Hamas é incidental, é provável que nada será feito. Em vez disso, as pessoas afetadas pelo terror do Hamas, trabalhando com advogados e pesquisadores na Grã-Bretanha, devem agora privadamente perseguir a Interpal através dos tribunais. Esta caridade realmente deve ser fechada.

 

* Artigo traduzido por mim, link original aqui: UK Ignores Links to Hamas by Islamic Charities

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *