EUA Pedem Aos Aliados Que Pensem Duas Vezes Antes De Se Juntarem Ao Banco Liderado Pela China

Meu Comentário: Há muito tenho escrito sobre o avanço da China no intuito de alcançar a hegemonia econômica mundial, desbancando os EUA e ao dólar. Parece que as coisas continuam caminhando nesse sentido conforme reportagem abaixo. Grandes mudanças econômicas estão cada vez mais próximas.

 

por MATTHIAS SOBOLEWSKI e JASON LANGE,

 

 
(Reuters) – Os Estados Unidos pediu aos países aliados nesta terça-feira para pensarem duas vezes antes de se inscreverem em um novo banco de desenvolvimento asiático liderado pela China, o qual Washington vê como um rival para o Banco Mundial, depois de a Alemanha, França e Itália seguirem a Grã-Bretanha em dizer que iriam entrar.

O movimento concertado por parte de aliados dos Estados Unidos para participarem no projeto de extensão econômica de Pequim é um golpe diplomático para os Estados Unidos e aos seus esforços para combater o rápido crescimento da influência econômica e diplomática da China.

A participação da Europa reflete a ânsia por fazerem parceria com a economia em rápido crescimento da China, a segunda maior do mundo, e acontece em meio as negociações comerciais espinhosas entre Bruxelas e Washington.

A União Europeia e os governos asiáticos estão frustrados que o Congresso dos Estados Unidos realizou uma reforma dos direitos de voto no Fundo Monetário Internacional que dariam a China e a outras potências emergentes mais voz na governança econômica global.

Washington questionou se o novo banco, o Banco Asiático de Infra-Estrutura de Investimento (AIIB), vai ter os altos padrões de governança e salvaguardas ambientais e sociais.

“Eu espero que, antes que os compromissos finais sejam feitos, quem empresta seu nome a esta organização irá certificar-se de que a governança é apropriada”, disse o secretário do Tesouro norte-americano, Jack Lew, aos legisladores americanos.

Lew advertiu ao Congresso, dominado pelos republicanos, que a China e outras potências emergentes estavam desafiando a liderança americana nas instituições financeiras globais e ele exortou aos legisladores a ratificarem rapidamente a reforma parada do FMI.

O Ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, anunciou em uma conferência de imprensa conjunta com a visita do vice-premiê chinês, Ma Kai, que a Alemanha, a maior economia da Europa e um importante parceiro comercial de Pequim, seria um dos membros fundadores da AIIB.

Em uma declaração conjunta, os ministros dos Negócios Estrangeiros e das Finanças da Alemanha, França e Itália disseram que iriam trabalhar para garantir que a nova instituição “segue os melhores padrões e práticas em termos de políticas de governança, de salvaguardas, de dívida e de aquisições”.

O Ministério das Finanças de Luxemburgo confirmou que o país, um grande centro financeiro, também pediu para ser um dos membros fundadores da AIIB com $50 bilhões.

O AIIB foi lançado em Pequim, no ano passado, para estimular o investimento na Ásia, em transporte, energia, telecomunicações e outras infra-estruturas. Foi visto como um rival para o domínio ocidental do Banco Mundial e do Banco Asiático de Desenvolvimento. A China disse que vai usar as melhores práticas dessas instituições.

Uma porta-voz da Comissão Europeia, braço executivo da UE, aprovou a participação dos Estados membros no AIIB como forma de fazer face a necessidades de investimento globais e como uma oportunidade para as empresas da UE.

O banco é visto como um meio para espalhar o “poder suave” Chinês na região, possivelmente em detrimento dos Estados Unidos, que está a seguir a sua própria estratégia asiática para reforçar a sua presença militar e econômica.

O Banco Mundial é tradicionalmente dirigido por um candidato dos Estados Unidos e Washington também tem a maior influência no FMI.

O ajuste de ações e direitos de voto no FMI foi intermediado pela Grã-Bretanha em uma cúpula do G20 em 2010, e os países europeus o ratificaram há muito tempo.

Lew disse aos legisladores que o atraso dos EUA estava minando a sua credibilidade e influência enquanto os países o questionavam o compromisso dos Estados Unidos às instituições internacionais.

“Não é por acaso que as economias emergentes estão olhando para outros lugares, porque estão frustrados, o que, francamente, os Estados Unidos estagnou um conjunto muito leve e razoável de reformas no FMI”, disse Lew.

“Marca d’água alta

A China disse no início deste ano, que um total de 26 países foram incluídos como membros fundadores da AIIB, na maior parte da Ásia e do Oriente Médio. Ela pretende finalizar os artigos do acordo até o final do ano.

A agência de notícias Xinhua, estatal da China, disse que a Coréia do Sul e a Suíça também estavam pensando em entrar.

O porta-voz da chancelaria chinesa, Hong Lei não quis comentar sobre quais os países que tinha aplicado, e repetiu que o banco seria “aberto, inclusivo, transparente e responsável”.

Scott Morris, um ex-funcionário do Tesouro dos EUA, que levou o envolvimento dos EUA com os bancos multilaterais de desenvolvimento durante o primeiro governo de Barack Obama, disse que Washington estava pagando o preço pelo atraso na reforma do FMI e pela focagem de criticar o AIIB em vez de trabalhar mais para melhorar as instituições existentes.

“É um sentimento claro entre um grupo muito diversificado de países: Nós gostaríamos de mobilizar mais capital para infra-estrutura através dos BDMs (bancos de desenvolvimento multilateral)”, disse Morris, agora com o Centro com sede em Washington para o Desenvolvimento Global.

“E os EUA fica no caminho do qual encontra-se agora e cada vez mais isolado como resultado disso”.

Um funcionário do governo da Índia, que também se juntou, disse que os membros da AIIB se reuniriam em Almaty, Cazaquistão, em 29-31 de março para discutir os artigos do acordo.

A China diz que 31 de março é o prazo para aceitar os membros fundadores na organização.

O Japão, a Austrália e a Coréia do Sul continuam os ausentes regionais notáveis ​​do AIIB. O Primeiro Ministro australiano, Tony Abbott, disse no fim de semana que ele iria tomar uma decisão final sobre a adesão em breve.

A Coréia do Sul disse que ainda está em discussões com a China e outros países sobre a possível participação.

O Japão, principal rival regional da China, tem a maior participação no Banco Asiático de Desenvolvimento, juntamente com os Estados Unidos. Por convenção, o banco com sede em Manila é dirigido por um japonês.

O Japão é improvável que se junte ao AIIB, mas o chefe do BDA, Takehiko Nakao, disse ao Nikkei Asian Review que as duas instituições estavam em discussões e poderiam trabalhar juntas.

“Começamos a compartilhar nossa experiência e know-how”, Nakao foi citado como que dizendo isto. “Uma vez que o AIIB na verdade foi estabelecido, é concebível que ele iria cooperar”.

 

* Artigo traduzido por mim, link do original aqui: U.S. urges allies to think twice before joining China-led bank

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *