A Palavra-Chave Que Desbloqueia O Plano Mestre Secreto Do ISIS

por Walid Shoebat,

 

Então, quem está por trás do ISIS e o que eles realmente querem do Ocidente, e por que eles estão tão focados na Síria e no Iraque, e qual é a chave para desbloquear seus planos islâmicos, e como é que isso diz respeito aos cristãos ocidentais? Aqui, a chave para destravar tudo que o ISIS quer que fique escondido em um cofre na Turquia, que vamos revelar em uma palavra: DABIQ.

Nós, os Cristãos, ex-Muçulmanos, que colaboram com essa cruzada ocidental podemos explicar, quem sabe, uma coisa ou duas para você do que conhecemos. Dabiq é tudo relacionado ao ISIS, em preparar o caminho para a sua versão do Armagedom e o ingresso seguinte do que você temia por séculos: o Anticristo.

Então, o que é Dabiq para o ISIS e para a Turquia?

Fontes árabes nos dizem:

O uso de Dabiq pelo ISIS é um símbolo do grande evento histórico em Dabiq, que é o nome da batalha que os otomanos ganharam e que abriu o caminho para a sua ocupação do Iraque e do Levante por mais de quatro séculos, bem como sendo o trampolim para os exércitos islâmicos lutarem contra os ‘Rum’ (Romanos) em sua busca pela dominação do mundo“.

 

 

A batalha de Marj Dābiq (em árabe: مرج دابق) – como todos nós aprendemos quando crianças – foi o confronto militar mais decisivo na história do Oriente Médio (1516 dC), perto da cidade de Dabiq, 44 km ao norte de Aleppo, na Síria entre o Império Otomano e sultanato mameluco.

 

 

A menção de Dabiq para o ISIS e para a Turquia revela mais do que apenas história, mas também a escatologia de invadir o Egito para uma grande vitória futura, para o sonho final de Erdogan de reanimar o homem doente da Europa. Dabiq está voltando o relógio até quando o sultão Selim I (rei do Norte) dos otomanos havia empurrado de volta e vencido os persas Safávidas (O Urso bíblico) na Batalha de Chaldiran em 1514, e transformado a sua plena força contra os mamelucos, que governaram na Síria e no Egito (o reino bíblico do sul) para completar a conquista otomana do Oriente Médio.

Muitos não conseguem ligar os pontos; as camadas ricas e abastadas e os múltiplos cumprimentos ao mais sábio de todos os profetas, que até mesmo Cristo elogiou: Daniel. Cristo ainda aborda o Anticristo no dia da sua condenação, quando as nações mais poderosas da terra derrotam-no:

Você acha que você é mais sábio do que Daniel e que nenhum segredo pode ser escondido de vocês“. (Ezequiel 28: 3)

Os “extratos” de Daniel predisseram: a batalha terminou em última instância na vitória do Rei do Norte, do otomano Selim I sobre o rei do sul do Egito e a conquista da maior parte do Oriente Médio. O Império Otomano foi o cumprimento da profecia, que foi o fim do sultanato mameluco. A vitória do Império Otomano nesta batalha deu-lhe o controle de toda a região da Síria e mais tarde ao Egito.

 

 

Dabiq é a chave para desbloquear Daniel, quando em 18 de maio de 1516, Al-Ashraf al-Qansuh Ghawri começou a partir do Cairo no Egito, com 20.000 cavaleiros, para depois ser morto. O futuro do Egito vai imitar este evento histórico e escatológico que será paralelo à invasão do Egito pelos turcos. Após a morte do sultão mameluco, o novo sultão, Tuman Bay (Rei do Sul) que, finalmente, à porta do Cairo enfrentou Selim I, que derrotou-o (Tuman Bay) e pendurou-o no portão do Cairo.

Dabiq é toda a história e é por isso que o ISIS chama sua revista de ‘Dabiq’, dedicando-a à vitória Otomana em Dabiq. Sua nova estação de TV também é chamada de Dabiq dedicada também à vitória Otomana em Dabiq. Até mesmo a sua insígnia Otomana em sua bandeira (a insígnia do anel de Maomé) vem do museu Topkapi turco; tudo volta à Dabiq.

Dabiq é o motivo porque a Turquia odeia o Egito e é porque Erdogan odeia Assisi (General) do Egito. Dabiq é o motivo porque a Turquia pretendia invadir a Síria no ano passado, assim como fez em seus dias de glória durante Selim I. Uma operação ultra-secreta foi descoberta quando uma gravação vazou dos mais altos funcionários discutindo o plano de lançar uma agressão militar contra a Síria usando o ISIS para explodir o túmulo do Xá Suleiman, que era o avô de Osman I, o fundador do Império Otomano, que foi enterrado em Aleppo perto de Dabiq. A invasão lançou resultou na agressão contra a cidade armênia de Kessab em que 80 armênios foram massacrados como resultado.

Dabiq é o motivo porque Erdogan se vê como Selim I e é porque ele leu publicamente um poema islâmico que inclui as linhas, “As mesquitas são os nossos quartéis, os domos nossos capacetes, os minaretes nossas baionetas e os fiéis os nossos soldados”, e é o motivo porque Erdoğan tem usado recursos públicos para construir mais de 17 mil mesquitas enquanto anunciava planos para criar uma super-mesquita, com vista para Istambul, para comemorar o 560º aniversário da conquista de Istambul pelos Otomanos. Erdoğan inaugurou uma terceira Ponte de Bósphoro (Estreito de Bósforo) que liga os lados asiáticos e europeus da cidade, nomeando-a após a conquista polêmica do sultão Selim I, o conquistador de Dabiq.

A mente ocidental não entende isso, o que está na mente muçulmana, a agulha está fincada no registro em que o cruzado cristão (General Allenby) tomou Jerusalém e os cristãos finalmente puseram fim ao califado muçulmano Otomano em 1924. A canção continua de lá e o registro continuará a desempenhar tão logo o surto elétrico volte, até que a agulha chegue a um ponto insuportável, quando Cristo vier.

Dabiq está no Hadith que o ISIS sempre recita:

A hora final (da história) não será estabelecida até que os romanos pousem em ambas al-A’maq ou Dabiq (dois lugares ao longo da atual fronteira da Síria / Turquia). Em seguida, um exército de al-Madinah das melhores pessoas na terra em que o tempo irá deixar para eles“.

E é por isso que eles querem chamar a coalizão ocidental (romanos) à Dabiq (Síria). Dabiq prova a sua profecia na qual eles querem ser os bodes expiatórios que assiste a Turquia, e os otomanos querem uma repetição de Dabiq; e é porque eles abrem a sua nação para a Irmandade Muçulmana no Egito, em que Qaradawi anunciou a criação de um Califado em Istambul.

 

 

A “Hora da Ressurreição”, na visão do ISIS e dos Otomanos, não pode vir até que o ‘romanos’ (os ocidentais cristãos) posicionem suas forças terrestres em Dabiq (uma área próxima à Aleppo, no noroeste da Síria). De acordo com a escatologia muçulmana, como narrado em Dabiq, isso configura a grande batalha ou o “Confronto Final” do que eles chamam de “Al-Malhama Al-Kubra” (que significa a grande batalha), em que as forças muçulmanas triunfarão no final contra o Romanos (europeus e americanos).

Dabiq é motivo do porquê da Turquia apoiar ao ISIS, a fim de reviver o sonho Neo-Otomano e curar essa antiga ferida mortal para reviver o homem doente / morto da Europa (o Império Turco-Otomano).

Entrar na mente de seu inimigo é fundamental não só para derrotá-lo, mas para entender como eles manipulam as massas a segui-los. O ISIS acaba de lançar um vídeo de recrutamento dizendo a todos os muçulmanos a obedecerem o que Alá ordenou no capítulo de arrependimento Surat al-Tawba. Eles estão contando aos muçulmanos em todo o mundo para “irem adiante na causa de Alá” e lutarem na Jihad da matança. Eles estão dizendo-lhes para escolherem entre a terra e o céu. Eles estão dizendo-lhes: “Se você não sair [lutando na Jihad] Ele [Alá] vai castigá-lo com um doloroso castigo”.

O muçulmano recita os versos como se fosse o maravilhoso “Católic Praefatio Paschalis”:

 

 

O Praefatio Paschalis diz:

Ei-lO realmente satisfazendo, justo, direito e para a nossa salvação, em todos os momentos para louvar a Ti, ó Senhor, mas, mais gloriosamente especialmente neste dia em que Cristo, nossa Páscoa (Páscoa) foi sacrificado. Pois Ele é o Cordeiro que tem tirado o pecado do mundo: Quem morrendo destruiu a nossa morte, e ressuscitando, nos deu vida de volta à vida. E, portanto, com os Anjos e Arcanjos, com Tronos e Domínios, e com todas as hostes do exército celeste, cantamos o hino da Tua glória, sempre dizendo …

Quando a Católica era forte, antes do Vaticano II, o muçulmano ainda mantinha seus cantos imitando aos católicos, similarmente recitando o Alcorão, enquanto isso eles inverteram tudo de cabeça para baixo com o espírito por trás do ‘Praefatio Paschalis’, em que eles dizem aos muçulmanos para derramar o sangue dos outros, até o seu sangue ser derramado. Eles escolheram isso para a salvação, em vez de crerem no sangue do Cordeiro de Deus.

É por isso que o Islã como João, o Revelador, descreveu, parece um cordeiro, tem dois chifres (dois “pinos” de poder dividido – sunitas e xiitas), mas fala como o dragão (Apocalipse 13:11), que João previu que a primeira besta irá reviver (sétimo reino / Otomano), cuja “ferida mortal foi curada” (Apocalipse 13:12).

“Ele se parece como um cordeiro,” mas assim como um escorpião, os muçulmanos ao picar inserem a própria heresia contra a qual a Igreja Católica combateu militarmente por séculos, que é o que Paulo advertiu, a heresia ariana chamando os cristãos a negarem o Pai e o Filho e matarem quem se recusasse a se curvar à sua imagem. Eles roubam a partir dos conceitos teológicos católicos verdadeiros de martírio ao militarismo, os distorcem para a agressão em vez de defesa, e enquanto eles denunciam o paganismo como os católicos denunciaram os astecas, o inverteram para atacar aos cristão e aos judeus. Não há combinações de truques que o diabo não use.

Mas até o Islã ensina que o Ocidente vai ser vitorioso:

Vocês devem saber que, antes desta grande batalha entre o cristão e o muçulmano, o cristão vai ganhar o espólio quando tomarem todas as terras dos muçulmanos“.

Os seguidores de Satanás, que entendem o escopo muito mais do que os seres humanos, eles mesmo sabem que os cristãos serão vitoriosos, no qual o professor de profecia muçulmana impulsiona que a vitória ainda não chegou, mas está a caminho para o final. O muçulmano é criado não só para a derrota; ele é enganado até o fim.

A história de Dabiq acaba na Síria como predito em Isaias 17 e os Muçulmanos são esmagados em Damasco. Nós já temos visto os sinais iniciais da destruição de Damasco quando testemunhamos o embrião se formando do fluxo de refugiados da Síria para a Jordânia como predito pelo profeta Amós:

E quebrarei o ferrolho de Damasco e exterminarei o morador do vale de Áven, e ao que tem o cetro de Bete-Éden; e o povo da Síria será levado em cativeiro a Quir, diz o Senhor“. Amós 1:5

 

Aven é Damasco hoje, e Damasco também é literalmente aqui mencionado pelo nome. Além do Líbano, os sírios estão saindo em massa para Jordânia e precisamente à “Quir”, que é Quir de Moabe (Isaías 15: 1). Hoje essa região é chamada Kerak (ver Gesenius Lexicon).

 

 

Quando analisamos tanto o mapa antigo e as estatísticas do recente fluxo de refugiados sírios na Jordânia, descobrimos que mais de meio milhão de sírios já fugiram para “as fronteiras da terra de Moabe, agora chamado Kerrek. [Karak] “.

Para configurar os muçulmanos para a destruição, a eles é dito para “continuarem até o fim” e só então eles vão ganhar a vitória.

O mesmo engano vai para as profecias islâmicas relativas à Jerusalém. Ao muçulmano é dito que ele será vitorioso, quando em Zacarias 12, 14, ao cristão e ao judeu são informados de que obterão a vitória enquanto o Messias desce sobre o monte das Oliveiras.

É tempo dos cristãos entrerem na mente de seus inimigos, que Deus nos ordenou para os derrotarmos. Não seja o servo preguiçoso que diz: “Jesus vai cuidar de tudo em seu jardim” esquecendo que Ele colocou você para cuidar disso. Então, envolva-se para que nós sejamos prudentes como as serpentes e simples como as pombas e, enquanto Ele tardar, continuarmos a produzir frutos.

 

* Artigo traduzido por Alfa Anuel, link original aqui: The Keyword That Unlocks The Secret Master Plan Of ISIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *