Fortalecimento das Bases: Pode a América e os seus aliados “guerrearem” contra a China?

Em caso de uma crise, o poder de fogo dos mísseis da China poderiam fazer um grande dano para os EUA e suas bases aliadas em toda a Ásia-Pacífico. Seria o “fortalecimento” a resposta?

por Harry J. Kazianis,

 

 

Como os Estados Unidos continuam a colocar um tremendo tempo, energia e recursos em seu “reequilíbrio” para a Ásia-Pacífico, muitos estão questionando os aspectos militares e estratégicos deste esforço. Especificamente, muitos analistas estão preocupados com a ênfase que a China colocou em suas plataformas de mísseis balísticos e cruzadores. Se a crise vier a ocorrer, e agora com tantas bases norte-americanas e aliadas ao alcance do poder de fogo dos mísseis de Pequim, existe uma circunstância que motive o “fortalecimento” das bases que podem estar nesse alcance?
Harry J. Kazianis, editor do The National Interest, falou com o pesquisador sênior da CSBA, John Stillion, em um esforço para esmiuçar esta questão complexa.

Kazianis: Há muita conversa sobre o “fortalecimento” das bases quando se trata de bens de uso em frentes americanas na Ásia-Pacífico. O temor é que muitas dessas bases estariam vulneráveis ​​a ataques massivos de mísseis chineses no caso de um conflito. Para começar, o que é exatamente o “fortalecimento da base”? Estamos falando de apenas proteger os caças ou algo mais?

Stillion: No início da Guerra dos Seis Dias, em 1967, a Força Aérea Israelense atacou as bases aéreas egípcias e destruiu centenas de aviões de caça desprotegidos no chão. Isto resultou na superioridade aérea israelense imediata e total e é amplamente visto como um fator importante na vitória rápida de Israel. Ele também ilustrou a vulnerabilidade das aeronaves desprotegidas em um ataque surpresa. As forças aéreas de todo o mundo tomaram conhecimento e muitos, incluindo os da OTAN, do Pacto de Varsóvia, do Irã, dos Estados do Golfo e outros começaram a construir abrigos “fortalecidos” para os seus aviões de caça. Estes abrigos eram geralmente estruturas em forma de arco, com aço ou portas de concreto. Elas tinham, em geral, cerca de três metros de espessura e que pode proteger um avião de caça de qualquer coisa aquém de um golpe direto por uma bomba. Isto era completamente adequado na era das munições de precisão pré-guiadas, porque os ataques diretos contra alvos deste tamanho são relativamente difíceis de alcançar. Eles são parecidos com isto:

 

 

Este tipo de abrigo não é suficiente para proteger as aeronaves de ataques diretos por armas de precisão, como mostrado aqui:

 

 

No entanto, proteger a aeronave é apenas um primeiro passo. Aviões de combate de formação para incursões podem ser pensados como um processo industrial com o campo de pouso como uma “fábrica de incursões aéreas”. A fábrica necessita de aeronaves funcionando, mas a aeronave deve ser capaz de taxiar para uma pista que seja longa o suficiente para que eles operem de forma segura e quando retornam eles devem ser capazes de serem reparados, reabastecidos e rearmados, e suas tripulações devem ser capazes de receber ordens e plano de missões. Isto significa que outras partes da fábrica devem ser protegidas se a base for para funcionar sob ataque. Isto significa “fortalecimento” da manutenção, do armazenamento de combustível e das instalações de distribuição e operações. Construir abrigos para proteger as aeronaves maiores do que os aviões de caça é possível, mas, obviamente, os custos seguem as escalas do tamanho do abrigo.

Kazianis: Existem diferentes graus em que a base possa ser fortalecida? Por exemplo, uma base pode ser fortalecida a tal ponto que ele pode sobreviver a maioria das formas de bombardeio por ataques de mísseis balísticos e cruzadores chineses?

Stillion: Existem. Por exemplo, você poderia fortalecer uma base para suportar o bombardeio com ogivas de submunição. Isso seria muito menos dispendioso do que o fortalecimento da base para resistir a ataques por grandes ogivas unitárias. Ogivas de submunição permitem que áreas muito maiores da base possam ser atacadas por ogiva, então o fortalecimento contra eles seria forçar o atacante a usar mais armas por ataque para atingir o mesmo nível de danos.

Kazianis: O Japão também está no alcance do poder de fogo dos mísseis chineses. Se um conflito Japão-China vier a ocorrer, provavelmente as bases japonesas e norte-americanas em território japonês estariam na mira de Pequim. Qual é o estado das forças japonesas quando se trata de seus níveis de fortalecimento das bases?

Stillion: O Japão tem um número de bases com abrigos fortalecidos, mas a maioria deles foram construídos durante a Guerra Fria. Eles tendem a estar no norte do Japão, como eram principalmente uma resposta para a possibilidade de ataques soviéticos contra o Japão.

Kazianis: Quão caro é para fortalecer efetivamente uma base? Foi-me dito, por exemplo, por uma fonte anônima do Departamento de Defesa dos Estados Unidos que apenas uma grande base no Pacífico custaria “bilhões e bilhões de dólares”. Na sua opinião, está correto? Se custaria tanto, a recompensa vale a pena?

Stillion: Depende de quão efetiva e alargada você quer que o fortalecimento seja. Em geral, bases dentro do alcance de ataques dos inimigos com caças-bombardeiros provavelmente estariam sujeitos a barragem de ataques com mísseis balísticos armados com submunições. Estes iriam destruir qualquer aeronave desprotegida e espalharia milhões de fragmentos de metal afiado através das pistas e rotas de taxiamento. Isso também evitaria de qualquer aeronave no interior dos abrigos, sairem até que um caminho fosse liberado pelos escombros (conhecido FOD – Danos de Objetos Externos). Isto poderia ser um processo demorado e trabalhoso. Nesse meio tempo, o inimigo pode realizar ataques seguidos com mísseis de cruzeiro e aeronaves tripuladas com armas guiadas de precisão para atingir o armazenamento de combustível, pistas de aeroportos e aeronaves em seus abrigos, tornando a base inutilizável até que reparos fossem realizados.

Em longas distâncias além do alcance máximo das aeronaves tripuladas, as forças inimigas, provavelmente, teriam que contar com os mísseis apenas. Neste caso, eles ainda poderiam destruir um grande número de aeronaves desprotegidas com ogivas de submunição, fechar a base por algum período de tempo e reduzir periodicamente as taxas de incursões militares aéreas, mas eles não têm a capacidade de causar danos extensos, de longo prazo. A chave para operar de forma eficaz em face de uma ameaça de ataque de precisão viável é encontrar uma combinação do fortalecimento, da dispersão, da capacidade de reparação rápida, das defesas ativas (como o Patriot e THAAD) e da distância da ameaça que a permite manter-se, numa operação eficiente da “fábrica de incursões aéreas”. O alcance é fundamental, porque quanto mais perto é a ameaça, maior o peso de fogo que o adversário pode entregar e mais difícil e mais fortemente defendida a base deve ser. Em algum momento, se o adversário é capaz e competente o suficiente, e a base é perto o suficiente, pode não ser possível operar de forma eficiente, não importa o quão duro e fortemente defendida a base possa ser.

Kazianis: Se nos EUA e/ou nas forças aliadas começasse o fortalecimento das bases perto da China, Beijing iria ver isso como um passo para uma escalada armamentista? Será que isso cria um dilema de segurança ainda maior para ambos os lados?

Stillion: Em geral, o investimento em medidas defensivas, como inerentemente o fortalecimento tende a aumentar a crise de estabilidade e reduzir o dilema de segurança. Se ambos os lados não tinham nada além de armas defensivas, então não haveria dilema de segurança. Medidas defensivas aumentam a crise de estabilidade por: 1) reduzir a confiança por parte do atacante de que preventivos golpes de “knock-out” serão bem-sucedidos; e 2) reduzir a tendência do defensor de visualizar os sistemas defendidos como ativos do tipo “use ou perca-o”.

Kazianis: E para a minha pergunta final: Tudo isso pressupõe que os mísseis chineses, balísticos e de cruzeiro, que teriam como alvo as bases aliadas em um conflito, seriam altamente precisos e que as tripulações que iriam dispará-los são bem treinados. Na sua opinião, quão precisos são os vários mísseis chineses que podem atingir os EUA e/ou as bases aliadas, e qual é o nível de formação destas forças, a muito discutida segunda artilharia, que iriam realizar tais ataques?

Stillion: A resposta curta para essas perguntas é que eu não sei ao certo. No entanto, há evidências consideráveis ​​de que a segunda artilharia é uma organização militar capaz e competente. Por exemplo, a ela é confiada a entrega de armas nucleares. Mais amplamente, os prudentes planejadores de defesa devem assumir que as armas do adversário vão funcionar “como anunciado” e que suas tripulações serão competentes. Quando ocorre um conflito, se o equipamento do inimigo acaba por funcionar mal ou seu pessoal são incompetentes, tanto melhor. Se, por outro lado, os seus planos assumem que um adversário está mal treinado e mal equipado, e isso acaba por estar errado, o preço pode ser muito alto em vidas perdidas, equipamentos e território.

 

* Artigo traduzido por mim, link do original aqui: Base Hardening: Can America and Its Allies “Play Fort” against China?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *