Como a Restauração de Israel Sinaliza o Tempo do Fim

por Perry Stone,

 

“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados, a fim de que, da presença do Senhor, venham tempos de refrigério, e que envie ele o Cristo, que já vos foi designado, Jesus, ao qual é necessário que o céu receba até aos tempos da restauração de todas as coisas, de que Deus falou por boca dos seus santos profetas desde a antiguidade” (Atos 3: 19-21).

A volta de Cristo está subordinada “aos tempos da restauração de todas as coisas”. A palavra “tempos” está na forma do plural, significando “uma série de eventos” ligados à restauração. A palavra “restauração” é semelhante à palavra restituição. A palavra grega para a restituição (apokatastasis) foi usada na Septuaginta para descrever o retorno dos judeus a Israel do Egito com Moisés e para o seu retorno a Israel depois do cativeiro babilônico. Em ambos os casos, a nação hebraica foi liberada do cativeiro, voltou para sua terra e trouxe a restauração para a terra através da agricultura e do cultivo (Jeremias 27:22; Joel 2:25). Cristo voltará após uma ordem de restauração ocorrer.

Os profetas bíblicos também previram uma série de restaurações que se desenrolariam antes do retorno do Messias. Quando essas previsões então começam a acontecer, é um grande testemunho de que o fechamento para o tempo do fim está próximo e o reino do Messias está no horizonte.

O primeiro grande evento que temos testemunhado seria o restabelecimento de Israel como nação. Mais de 100 anos antes de Israel renascer em 14-15 de maio de 1948, os estudiosos da Bíblia que aceitaram a interpretação literal das profecias de restauração começaram a escrever e ensinar que os judeus deveriam retornar à uma nação chamada Israel que seria restaurada antes da volta do Senhor.

Um deles foi o professor S.W. Watson, que em 1888 ensinou que três coisas devem ocorrer antes de Cristo retornar. Em primeiro lugar, Israel voltaria a ser uma nação. Em segundo lugar, Jerusalém deve estar nas mãos e no controle dos judeus e, por fim, os judeus estariam retornando de todas as nações de volta para a Terra Prometida. Em 1912, A.B. Simpson escreveu um livro intitulado “Aquele que Virá” (tradução minha), no qual ele afirmou: “Depois, há a promessa de sua restauração [de Israel]. Isso deve ocorrer em duas etapas: Em primeiro lugar nacional e depois, espiritual. As duas fases estão representadas por Ezequiel na visão do vale de ossos secos”.

Em 1940, Harry Rimmer escreveu um livro profético intitulado “A Guerra Vindoura e a Ascensão da Rússia”. Nele, ele menciona 14 coisas que devem ocorrer antes da vinda de Cristo. Ele afirmou que os judeus estariam de volta na Palestina e teriam Jerusalém de volta. Ele previu que haveria uma grande guerra que levaria os judeus de volta à Palestina. Ele também falou de Hitler dividindo a Alemanha e como a Alemanha viria a ser unida novamente.

Em 1930 e 1940, um grande estudioso da Bíblia, Finis Dake, autor da Bíblia Anotada de Dake, gastou milhares de horas pesquisando as Escrituras e escrevendo notas pessoais e comentários sobre cada versículo. Em Isaías 35, o profeta Isaías previu um tempo em que os desertos estéreis de Israel iriam florescer como uma rosa e encheriam o mundo de frutos (Isaías 35:1; ver também Isaías 27:6). No momento da pesquisa do Sr. Dake, a maioria da Palestina, ou era um pântano ou um deserto desolado e seco, com pouca ou nenhuma vegetação. Neste cenário, Dake comentou que há 2.500 anos, a previsão de Isaías de que os desertos de Israel iriam florescer e encher o mundo de frutos: “A restauração ou restabelecimento completo refere-se ao Milênio, quando Cristo reinará mil anos. Nenhuma profecia sobre a vinda do Senhor pode ser cumprida até que os judeus estejam de volta à sua terra”.

Na década de 1930 e início dos anos 1940, Dake tinha entendido dois fatos: que nenhuma profecia sobre a vinda do Senhor, poderia ser cumprida até que os judeus estivessem de volta à sua terra (Israel), e de que o florescimento do deserto era para ser tomado literalmente e não como alguns que as tomam como uma alegoria espiritual. Em outras palavras, a terra seca, um dia, tornaria-se frutífera. Ele só perdeu uma parte de sua interpretação. Ele colocou o tempo desta realização, durante o reinado de Cristo de mil anos (Apocalipse 20:4), e não durante o tempo do fim. Quando suas notas da Bíblia foram escritos, os judeus ainda estavam espalhados entre as nações e estavam sendo perseguidos pelos nazistas. A nação de Israel era inexistente e a terra era chamada de Palestina e estava sob o mandato britânico.

Ao examinarem as Escrituras proféticas, estes homens e outros como eles, tomaram as profecias sobre a restauração de Israel, literalmente, e não espiritual ou alegoricamente. Eles previram que um dia os judeus voltariam e reconstruiriam os lugares antigos. Vários deles compreenderam que haviam sete sinais para o tempo do fim.

 

* Artigo traduzido por mim, link original aqui: How Israel’s Restoration Signals the End

One thought to “Como a Restauração de Israel Sinaliza o Tempo do Fim”

  1. Em complemento dessas informações, com o advento de desastres naturais, vírus em escala global e demais perseguições, principalmente dos muçulmanos, todos são fortes indícios que o rapto dos vencedores, tribulação e reinado de Cristo estão muito mais próximos que imaginamos.
    Muitos estudiosos declaram que da nossa geração não passa, devido a praticamente todas as profecias pré-apocalípticas já terem acontecido.
    Conselho de amigo, nem Steven Spielberg em toda a sua glória é capaz de criar um filme com todos os acontecimentos que estão por vir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *