Orgão Federal dos EUA Ordena que uma Escola Bíblica Transfira ou Deporte 120 Estudantes Cristãos

por Todd Starnes,

 

 

Myron Guiler chorou.

Eu segurei o receptor do telefone na minha mão e ouvi o pastor de Ohio deixar-se dominar pela emoção.

“É de partir o coração”, disse ele. “Eu não agüento ver essas 120 crianças terem de ir. É o meu coração. Eu tenho derramado a minha vida por eles”.

Guiler é o presidente da Marietta Bible College, uma pequena escola não credenciada, que fornece treinamento bíblico em sua maioria para estudantes internacionais pobres e menos favorecidos. A faculdade é um ministério da Igreja Central Bíblica de Marietta.

De acordo com o site da escola, ela “passou por um processo de revisão completa pelo conselho de Regentes de Ohio de 1988 e foi oferecida a licenciatura Federal. A licença foi recusada, por causa da nossa convicção bíblica, já que tal aceitação seria colocar o Estado em posição de autoridade sobre a igreja, a legítima posição que é somente de Jesus Cristo (Colossenses 1:18). Portanto, esta instituição não é certificada pelo Conselho de Regentes nem pelo Estado de Ohio”.

No domingo – o Pastor Guiler entregou a má notícia para a sua congregação – o governo federal havia negado sua recertificação para um programa que permite que os alunos estrangeiros frequentem escolas americanas.

A escola, que chegou aos 34 anos desde sua fundação, não pode mais aceitar estudantes internacionais e aqueles que estão atualmente matriculados na escola bíblica devem ser transferidos para outra faculdade em fevereiro ou encarar uma deportação.

“Eles são um belo grupo de pequenos que amam a palavra de Deus e que gostam de orar”, disse-me Guiler. “E agora o governo quer nos fechar”.

Ele disse que todos os alunos que frequentam a escola são provenientes de países empobrecidos, do terceiro do mundo – lugares como o Quênia, Togo, e Nova Guiné.

“Estas são as pessoas cujos pais e mães trabalham em plantações de arroz ganhando US$100 por mês”, disse ele. “Alguns venderam seu automóvel, sua terra para que eles pudessem mandar os seus filhos para cá”.

Os alunos podem ser grandes em teologia pastoral ou em educação cristã. Depois de receberem os seus diplomas os alunos podem regressar ao seu país de origem, onde eles trabalham em igrejas ou escolas cristãs.

“O governo está destruindo uma escola que não fez mal nenhum”, disse ele.

Guiler deu a notícia no domingo para os 400 membros da igreja não-denominacional. Ele disse que as pessoas correram para o altar e oraram por um milagre.

Até o momento, eles ainda estão esperando.

“Podemos não receber mais alunos e os alunos que temos agora devem se transferir em fevereiro ou voltarem para casa”, disse ele.

Então, o que está acontecendo aqui? Por que a Imigração e Fiscalização Aduaneira dos EUA está prestes a enviar 120 estudantes cristãos de volta aos seus países de origem – especialmente quando eles vieram para os EUA legalmente?

O Pastor Guiler disse-me que desconfia que tem algo a ver com a natureza cristã da sua escola.

“Mas não é algo que eu posso provar”, disse ele. “Eles simplesmente não entendem a gente. Somos uma escola missionária”.

Um porta-voz dos estudantes e do Programa de Visitantes Estrangeiros do ICE disse-me que a escola teve a recertificação negada porque ela não conseguiu entregar sua papelada.

“Uma vez que esta escola não é credenciada pelo Departamento de uma agência de certificação reconhecida pela Educação dos Estados Unidos, ela deve apresentar provas adicionais em vez de uma certificação para provar que é uma escola de boa-fé”, disse o porta-voz em um comunicado. “Esta é uma prática comum”.

Bem, isso parece bastante razoável.

Em vez de certificação – o colégio teve que estabelecer que três escolas credenciadas estariam dispostas a aceitar os seus alunos.

O Pastor Guiler disse-me que cumpriu com o pedido. O colégio foi inicialmente certificado pela SEVP em 2003 e sua certificação foi renovada sem problemas a cada dois anos. Mas este ano – os funcionários públicos da secretaria de educação tinham algumas perguntas.

“Entramos em contato com eles, pedindo-lhes as perguntas, mas eles não podiam nos atender”, disse ele. “Eles não retornaram as nossas ligações”.

Imagine isso. Uma agência do governo que não retorna as suas ligações telefônicas.

Eles também foram obrigados a apresentar um relatório financeiro e uma declaração confirmando que a escola era um ministério da igreja.

O Pastor Guiler disse-me que eles fizeram isso, também – assim como haviam feito no passado.

Mas o Programa de Intercâmbio de Estudantes Visitantes disse que não recebeu qualquer informação da escola. Eles arquivaram os pedidos em junho e novamente em outubro. Quando ainda não tinham ouvido falar da escola, o governo enviou um investigador de campo para Marietta.

“Ele lembrou que a escola deveria apresentar as provas na data de vencimento”, disse-me o porta-voz.

“Mais uma vez, a prova requerida não foi apresentado durante o período de tempo previsto”.

Mas o pastor Guiler contesta o relato do governo sobre a reunião.

“Haviam seis de nós e eles se reuniram com o cavalheiro”, disse o pastor. “Ofereceram-lhe todas as informações que ele pediu”.

O governo disse que nunca recebeu a documentação e em 23 de outubro o requerimento da escola para a recertificação foi negado, classificado com o motivo de “abandono”.

A faculdade contratou um advogado de imigração no que poderia ser uma briga judicial – mas eles podem estar lutando uma batalha perdida. A “negação por abandono” não é recorrível.

O SEVP tem recertificada 7.587 escolas. Apenas 33 delas tiveram negados a recertificação.

Algo me diz que esse tumulto tem menos a ver com a religião e mais a ver com a burocracia do governo. Mas isso certamente não atenua esta terrível tragédia.

Por própria admissão do governo, o colégio tem se aplicado obedientemente para uma recertificação por mais de 10 anos – sem um único problema. Então, por que não oferecer uma medida de graça? Talvez o Tio Sam tenha acabado por perder a papelada?

Aqui está a linha de fundo – a administração Obama está prestes a conceder anistia para cerca de cinco milhões de estrangeiros ilegais. Você poderia imaginar que eles poderiam encontrar algum espaço para acomodar 120 estudantes universitários cristãos.

E por que vale a pena? Os jovens universitários cristãos vieram para os EUA legalmente.

 

* Artigo traduzido por mim, link original aqui: Feds order Bible college to deport 120 Christian students

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *