Os Alunos Que Se Opõem À Agenda LGBT São Envergonhados Em Sala De Aula

por Todd Starnes,

 

 Os alunos da escola secundária, Acalanes, receberam um folheto com a terminologia LGBT – incluindo palavras como pan-sexual, demi-boy e gênero cinza. 

 

Adolescentes em uma escola da Califórnia foram envergonhados publicamente por discordarem com os oradores autorizados a empurrarem uma agenda LGBT durante uma aula de Inglês, de acordo com vários pais chateados.

A instituição LGBT ‘Queer Straight Alliance’ (QSA) realizou na escola de ensino médio de Acalanes, em Lafayette, palestras aos alunos em várias aulas de inglês da nona série em 29 de janeiro sobre questões LGBT, de acordo com Brad Dacus, presidente do Instituto de Justiça do Pacífico (IJP), que está representando os pais.

Durante a aula, os alunos, com idades entre 14 e 15 anos, foram orientados a ficarem em um círculo. Em seguida, eles foram “grelhados” a respeito de suas crenças pessoais e a respeito das crenças de seus pais sobre a homossexualidade, alega o IJP.

“O QSA pedia aos alunos para darem um passo a frente para que demonstrassem se eles acreditavam que ser gay era uma escolha e se seus pais os aceitariam se eles assumissem serem gays”, disse o advogado Matthew McReynolds da IJP. “Os alunos que não dessem um passo a frente eram ridicularizados e humilhados“.

O IJP é um escritório de advocacia especializado em casos de liberdade religiosa. Eles estão representando várias famílias que tinham crianças nas classes calouras – alguns dos quais também estão com raiva porque não havia notificação aos pais sobre a palestra LGBT.

Destacar os alunos para os ridicularizarem com base em suas crenças morais ou políticas é uma tática marxista que não deveria ter lugar nos Estados Unidos da América“, disse Brad Dacus.

Durante a palestra, o ‘Queer Student Alliance’ forneceu aos estudantes os nomes dos professores gays e lésbicas da escola. Eles também fizeram os alunos fazerem fila para demonstrarem onde ficavam sobre o “espectro de gênero”.

“Foi um exercício de fluidez de gênero”, disse-me o pai de uma criança. “Eles disseram aos alunos que um dia poderiam vir à escola sentindo-se como um menino e no dia seguinte eles poderiam vir à escola sentindo-se como uma menina“.

Os alunos receberam um folheto com a terminologia LGBT – incluindo palavras como pan-sexual, demi-boy e gênero cinza.

Demi-boy / girl é definido como alguém que apenas parcialmente se identifica como um homem ou uma mulher. Gênero Cinza define alguém que se sente como se eles coubessem dentro do binário do gênero, mas que seu gênero é mais nebuloso e indefinido.

“A Escola de ensino médio Acalanes e o distrito desafiaram o senso comum, ignoraram a lei e quebraram a confiança dos pais”, disse McReynolds em uma declaração preparada. “Esses administradores estão agindo como os valentões do colégio. Se eles acham que a intimidação irá funcionar em nós ou nestes pais, eles estão muito enganados”.

“Foi uma ‘saída do armário‘ pública”, disse-me uma mãe. “Meu filho está sendo criado em uma família com valores conservadores. Somos uma família cristã. O que me incomoda mais é a escola estar sendo desonesta e sigilosa sobre o que está acontecendo. O sistema de valores do meu filho e o nosso sistema de crença não está sendo respeitado em muitos níveis”.

E, de um ponto muito prático, ela quer saber por que o ‘Queer Student Alliance’ foi autorizado a tomar uma aula de Inglês?

“Não há outro clube na escola que fique tanto tempo na frente de calouros de aulas de inglês por um período inteiro”, disse o pai.

Então, por que é que alunos da escola Acalanes de ensino médio tem de ‘sair do armário’ quando podem não concordar com todos os aspectos da agenda LGBT?

O superintendente John Nickerson disse-me que é tudo sobre a tolerância.

“A sala de aula em questão era parte de uma oficina de tolerância liderado por educadores pares dos adolescentes sob a supervisão de professores”, escreveu Nickerson para mim em um e-mail.

Isso é tudo muito bom – mas estavam os adolescentes academicamente qualificados para darem lições a uma classe em questões como a “fluidez de gênero”? Por que não foram os professores que ensinaram a classe? E sobre as alegações de que os estudantes foram intimidados pelo Queer Student Alliance?

“Estamos cientes das preocupações e alegações levantadas por dois pais e pelo Instituto de Justiça do Pacífico”, escreveu ele. “Estamos investigando a situação, as atividades de ensino e o ambiente da sala de aula”.

Esta escola acontece de ser a mesma escola que convidou um “ativista do prazer” do Planned Parenthood para ensinar educação sexual à turma de calouros. Os alunos foram incentivados a perguntarem uns aos outros coisas como: “Tudo bem se eu tirar minhas calças?”.

A mãe com quem falei irritou-se com a noção de que a classe LGBT era sobre a tolerância.

“Eles são tolerantes com todos, exceto com as pessoas que têm os valores cristãos”, disse-me ela.

O IJP enviou uma carta para o distrito escolar exigindo uma explicação sobre o que aconteceu. Eles acreditam que a palestra em sala de aula violou os direitos de privacidade dos alunos.

“Deveria ser óbvio que, como um direito fundamental da privacidade, os alunos não podem ser ‘tirados do armário’ durante uma aula para declararem suas crenças e sentimentos sobre assuntos sexuais sensíveis, muito menos um estudante poderia ser obrigado a anunciar a sua sexual orientação”, escreveu a IJP na sua carta para o distrito escolar.

Isso tem de acontecer, América, forçar os alunos a declararem a sua lealdade à agenda LGBT? Talvez eles devessem se ater apenas ao ensino de Inglês nas aulas de Inglês.

 

* Artigo traduzido por mim, link do original aqui: Students opposed to LGBT agenda shamed in classroom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *