Os Passos do Messias Podem ser Ouvidos …

passos

 

O nosso mundo parece, em muitas maneiras e formas, estar buscando inclinar-se em direção a um colapso … muitos de nós estão preocupados, e alguns até assustados. A corrupção e a decadência estão ao nosso redor e, em muitos aspectos, o mundo parece sem sentido ou direção …. Não podemos confiar em nossos políticos e líderes mundiais. Banqueiros e grandes corporações estão se posicionando contra os valores judaico-cristãos, outrora colunas da sociedade ocidental. O mundo atual vive em contínuo risco de entrar nas vias de fato de um grande conflito entre forças globais, parece que nos últimos anos os líderes mundiais pisam em gelo fino, fugindo o máximo que podem para evitar conflitos, mas sem conseguir se desvencilhar das situações que continuamente os levam à eles. Parece não haver nenhum líder genuíno em quem podemos confiar; apesar de toda tecnologia, cada dia é mais difícil de se obter boas informações para se tomar decisões de qualidade; vivemos no limiar de se estar fora de controle … e toda essa insegurança gera em muitos um stress estafante, depressivo. Muitos cristãos “dormem” em meio a tudo o que vem ocorrendo e vários “pensadores cristãos” encontram-se alienados … ensimesmados …. a voz profética, em muitos ambientes, parece que foi reprimida e fechada em guetos … e como reiteram as Escrituras: “sem profecia o povo perece” (Pv 29:18); ficam confusos, perplexos e sentem-se ameaçados … como que às cordas num ringue. Ainda assim, isso é exatamente o que o “sistema mundial” quer que você se sinta: “confuso, perplexo e ameaçado”, porque, desta forma, eles podem promover os seus planos de engenharia social e de controle, sem riscos de séria dissidência …

Entretanto, apesar de tudo isso e de todo esse cenário, está claro pelas Escrituras que “no amor de Deus, o perfeito amor, não há nenhum medo” (1 João 4:18,19), especialmente porque sabemos que não há nenhum poder real além do SENHOR (isto é, Ele é o único verdadeiro poder no universo, apesar das ameaças que a humanidade rotineiramente coloca uns sobre os outros) …. O SENHOR, o Deus de Israel, está no controle de todas as coisas. Na verdade, Jesus (Yeshua) é chamado de “o Soberano dos reis da terra” (Apocalipse 1:5) – e isso significa que, no fim, todos vão responder e estar sujeitos a Ele. O SENHOR Deus Todo-Poderoso reina, e nós não necessitamos de ficar sujeitos ao medo do homem ou de seus dispositivos. Invoque o nome do SENHOR e caminhe com fé!

Nesse artigo eu vou abordar algumas curiosidades observadas na tradição escatológica do judaísmo ortodoxo ( o qual não reconhece Jesus como o Messias ), que é o período de tempo imediatamente antes da chegada do Messias e que é, às vezes, chamado ikvot meshicha (עִקְּבוֹת מְשִׁיחַ), o momento em que os “passos do Messias” podem ser ouvidos. Este é o tempo designado por Deus para a redenção messiânica final e o encerramento da época atual, segundo o judaísmo ortodoxo. Para os cristãos, isto refere-se ao tempo pouco antes da segunda vinda de Jesus para julgar as nações e estabelecer o Seu reino em Jerusalém. Aqui está como a Mishná, a tradição oral judaica, descreve esse tempo:

Com os passos do Messias a soberba deve aumentar e a escassez chegar à sua medida . . . A sabedoria dos escribas se tornará insípida e os que evitam o pecado serão considerados desprezíveis, e a verdade em nenhuma parte será encontrada. Crianças devem envergonhar os anciãos, e os anciãos se levantarão diante dos filhos, pois “o filho desonra o pai, a filha se levanta contra a sua mãe, a nora contra a sogra: os inimigos do homem são os homens da sua própria casa”. A face desta geração é como a face de um cão, um filho não vai sentir vergonha diante de seu pai. (Sotah 9:15b).

De acordo com fontes judaicas ortodoxas tradicionais (Pesachim 54b; Midrash Tehilim 9:2), ninguém sabe o momento em que o Messias aparecerá – embora existam algumas “dicas”. Deus criou o mundo em seis dias, onde cada um dos quais representa mil anos. O sétimo dia é o início do grande sábado de descanso messiânico e, portanto, essa era não pode durar para além de 6.000 anos, interpretação essa que vem muito antes dos tempos de Cristo nas escolas rabínicas antigas … alguns estudiosos rabinos atribuem essa interpretação como vindo desde os tempos da escola do profeta Elias … outros, de antes, dos tempos de Enoque. De acordo com o calendário judaico tradicional estamos vivendo perto do fim do sexto milênio, o “Erev Shabbat” do mundo. Estamos nos aproximando, em outras palavras, do profetizado Fim dos Dias desta era e do aparecimento do Messias (para nós cristãos, da segunda vinda de Cristo)!

eschatology3

De acordo com os sábios judeus até o ano 6.000 o Messias tem que chegar, podendo chegar antes. Isso está de acordo também com os ensinamentos de Jesus e de Suas testemunhas apostólicas (Mateus 24:36-44; 1 Tessalonicenses 5:1-3; 2Pedro 3:10; Apocalipse 3:3). A condição do mundo durante o “acharit Hayamim” (o “fim dos dias”) será grosseiramente má (2 Pedro 3:3; 2 Tessalonicenses 2:3-4, 2 Timóteo 3:1-5). Segundo o entendimento escatológico do judaísmo Ortodoxo, o mundo vai sofrer várias formas de tribulação, chamado “chevlei Mashiach” – as “dores de parto do Messias” (Sanhedrin 98a; Ketubot, Bereshit Rabá 42:4, Mateus 24:8). Às vezes, as dores de parto se dizem que são para durar uma geração, com os últimos 7 anos como sendo o mais intenso período de tribulação – o “tempo da angústia de Jacó” (Jeremias 30:7). A primeira onda de problemas vieram de Edom (isto é, de “Roma/Europa”), na forma do Holocausto; a segunda onda é proveniente de Ismael (isto é, os países árabes) na forma do conflito árabe-israelense. Isso está de acordo com os ensinamentos de Jesus no Sermão do Monte (Mateus 24-25). Para os sábios judeus, alguns dos “sinais” deste período incluem o surgimento de vários falsos profetas, numerosas guerras e “rumores de guerras” (incluindo a ascensão de Magog), fome, terremotos, a apostasia em todo o mundo a partir da fé, perseguição e uma espécie globalizada de impiedade que é revelada no egoísmo desenfreado, avidez, ousadia (audácia), falta de vergonha e uma falta geral de gratidão. O maior sinal, no entanto, é que Israel existirá mais uma vez como uma nação soberana, apesar do exílio profetizado entre as nações (Deuteronômio 4:27-31; Jeremias 30:1-3).

De acordo com alguns dos sábios entre os judeus ortodoxos, o trabalho de Pirkei D’Rabbi Eliezer, do século 9, prediz que pouco antes da vinda do Messias, “Ismael” (leia-se, islâmicos) vai subir no poder para aterrorizar o mundo. De acordo com o Yalkut Shimoni (uma compilação comentada de livros da Bíblia Hebraica, escrita por volta do século 13 aproximadamente), o rei da Pérsia (Irã) vai “ter uma arma que vai aterrorizar o mundo”. A vinda do “Messias do Mal” (nome de código Armilus) em seguida iria aparecer no palco do mundo para oferecer um tratado de paz para Israel e o Oriente Médio”, mas que, “quando disserem: ‘paz e segurança’ (aliança confirmada), em seguida, sobrevirá repentina destruição sobre eles, como as dores de parto que vem sobre uma mulher grávida (o tempo da angústia de Jacó), e eles não vão escapar” (veja 1 Tessalonicenses 5:3).

Armilus (em hebraico ארמילוס) (também escrito Armilos e Armilius) é uma figura anti-messias na escatologia judaica medieval, comparável à interpretações medievais do Anticristo cristão e do Dajjal islâmico, que vai conquistar Jerusalém e perseguir os judeus até a sua derrota final nas mãos de Deus ou do verdadeiro Messias. Sua inevitável destruição simboliza a vitória final do bem sobre o mal na era messiânica. O Sefer (livro) Zorobabel é provavelmente do século 7. Armilus é imaginado talvez como sendo um criptograma para Heráclio e pensa-se que os eventos descritos no Sefer (livro) Zorobabel coincidem com a revolta judaica contra Heráclio. O Midrash Vayosha do século 11, que descreve Armilus, foi publicado em Constantinopla em 1519.

De acordo com a Enciclopédia Judaica, Armilus é “um rei que irá surgir no final do tempo contra o Messias, e será conquistado por ele depois de ter trazido muita angústia sobre Israel”. Ele é mencionado no Midrash Vayosha, Sefer (livro) Zorobabel e outros textos. Ele é um adversário semelhante a Gog e Magog. No Sefer (livro) Zorobabel ele toma o lugar de Magog e derrota o Messias “ben Joseph” (filho de José). A origem desta figura, que dizem ser a prole de Satanás e uma virgem, ou de Satanás e uma estátua (ou “pedra”), é considerado como questionável pela Enciclopédia Judaica, devido à variação e uma relação clara (se não paródia) da doutrina cristã, lendas e escrituras.

Este é o significado dos extraordinários acontecimentos mundiais cataclísmicos que estamos presenciando neste tempo … Finalmente, o período da Grande Tribulação é redentor e de cura (chamado yissurei ahavah, “os problemas do amor”). Os profetas escreveram que Sião vai passar por trabalho de parto e, em seguida, dará à luz filhos (Isaías 66:8). Assim, o rabino Vilna Gaon (1720-1797), escreveu que a “geulah” (a redenção nacional) é algo como o renascimento da nação de Israel. Isso está de acordo com o cumprimento profético do Yom Kippur como o dia do juízo e o tempo de conversão nacional de Israel. Vilna Gaon também proferiu uma profecia curiosa no século XVIII que diz: “Quando você ouvir que os russos capturaram a Criméia, você deve saber que os tempos do Messias já começaram, e que seus passos estão sendo ouvidos. E quando você ouvir que os russos tenham atingido a cidade de Constantinopla (a Istambul de hoje), você deve colocar a sua roupa de Shabat e não tirá-las, porque isso significa que o Messias está prestes a chegar a qualquer minuto”. No verso do profeta Jeremias sobre o “tempo de dores de Jacó”, isso é vital para se ver o objetivo em mente de que ele, Jacó (Israel), será livre dela (da angústia)”. Os sábios observam que o parto é um momento de transição radical e de luta para o bebê – a partir do tempo de uma existência relativamente pacífica dentro do útero para a dura luz do dia – e, portanto, uma transição semelhante entre este mundo e o mundo messiânico por vir que está prestes a ter lugar ….

É interessante observar essas interpretações escatológicas de muitos judeus ortodoxos quando comparados à luz da escatologia cristã, fica perceptível as muitas similaridades. Certamente, podemos olhar para o Senhor, bendito seja o Seu nome, para revelar o cumprimento da redenção em breve! Maranata Yeshua!

Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-O, porque, certamente, virá, não tardará.” (Habacuque 2:3)

 

* adaptado e com acréscimos feitos por mim do artigo original de John J. Parsons, aqui.

8 thoughts to “Os Passos do Messias Podem ser Ouvidos …”

  1. Fiquei curiosa gostaria ter mais informações sobre sua maneira de pensar e estudar a escritura é visões do novo tempo não tenho uma religião concreta no momento sou espiririta prego os encinetos e procuro seguir oque meu criador e seu filha Jesus nus encinou , gostei muito do artigo me fez pensar ja estudei a Tora , o Zohar , a bíblia em duas versões novo e velho testamento .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *