Dica de Livro – Deus, a Liberdade e o Mal

deusliberdademal

Quem leu o meu post e assistiu ao vídeo do Professor Pier sobre estudar e aprender, já sabe a importância da leitura para o seu crescimento pessoal. Eu amo ler, portanto, não poderia deixar de compartilhar sobre as minhas experiências literárias dos diversos gêneros que eu gosto de ler. Normalmente leio, pelo menos, um livro por semana, então pretendo a cada semana dar o meu parecer sobre um livro, mas como tenho na esteira de já lidos, uma boa quantidade, devo nessas semanas que se seguirem começar com um mínimo de duas dicas de leituras semanais.

O primeiro livro dessa semana é uma pérola da filosofia cristã, “Deus, a Liberdade e o mal“, editado pela Vida Nova, cujo autor é o prestigiadíssimo Alvin Plantinga. Para quem não conhece Alvin Plantinga, ele é um gigante na área de filosofia cristã, de tal forma que renovou e resgatou o prestígio dos grupos filosóficos cristãos nos Estados Unidos, os quais antes estavam à mingua e sem relevância, em decadência devido aos ataques acadêmicos contra a filosofia cristã (algo comum no mundo de hoje, não?!). Suas dissertações e publicações trouxeram uma força de argumentação descomunal dentro do meio acadêmico americano referente às respostas cristãs sobre o velho e conhecido problema do mal, tão surrado pelos críticos do cristianismo há séculos.

O livro é pequeno, 140 páginas, mas o conteúdo é de uma consistência muito profunda e requer uma meditação igualmente profunda durante a sua leitura, pois trata de um tema antigo e que, vai dia vem dia, aparece na nossa “porta” para responder aos questionamentos filosóficos que a existência do mal implica. Como já relatei em post anterior, uso o questionamento como uma das formas de buscar respostas e verdades, dessa forma não poderia ignorar esse antigo questionamento sobre a existência do mal. A abordagem de Plantinga é coerente e abrange inúmeros aspectos e consequências relacionados ao problema do mal e à liberdade humana, então irá lhe ajudar e fortalecer ainda mais a sua fé, ou até ajudar a resgatá-la, caso esse problema seja um espinho para você.

Durante a leitura você irá perceber que a abordagem de Plantinga sobre o assunto é gradativa e crescente, então ao ler, é bom meditar e absorver com cuidado as suas argumentações para poder acompanhar as suas conclusões em cada trajeto pelas seções que se seguem. Esse é o primeiro livro de Plantinga editado em Português no Brasil, mas a sua obra é vasta. Eu tive o prazer de assistir a diversas de suas palestras realizadas em grandes universidades nos Estados Unidos e a sua eloqüência é tão forte durante as suas palestras como o é nas suas obras literárias. Se desejar, irá encontrar no YouTube e no iTunes University várias de suas palestras; caso o seu Inglês permita, não deixe de se dar esse prazer de ouvir algumas de suas argumentações em vídeo sobre vários temas relevantes à filosofia cristã (existem alguns vídeos legendados, são poucos, veja busca aqui).

O livro também traz algumas pinceladas sobre outros temas filosóficos relacionados à Teologia Natural, como o caso do argumento ontológico, abaixo segue um vídeo legendado de cerca de 10 minutos que usa a abordagem de Alvin Plantinga sobre esse argumento e mostra um pouco de suas características argumentativas.

 

Você pode, porventura, achar o tema uma bobagem ou que as suas crenças não requerem fundamento racional, lamento informar, mas isso é fideísmo e, para sua surpresa, essa atitude é anticristã, pois a fé cristã não despreza a razão, afinal Deus lhe deu um cérebro por alguma razão, não acha?! Do contrário Ele teria criado míseros robôs ou animais irracionais para lhe prestar culto, mas não é o que vemos na Bíblia; Paulo argumenta que nosso culto deve ser racional (Romanos 12), no grego “logikên latreian”, algo como “culto lógico” e Pedro nos adverte para estarmos sempre prontos a responder a quem pedir a razão de nossa esperança (I Pedro 3.15), portanto, usar a razão não deprecia em nada a nossa fé, ao contrário, a acrescenta ainda mais, pois lhe dá um fundamento em rocha.

Se Deus não menospreza o seu cérebro e potencial, eu também não o farei, por isso recomendo-o a ler esta obra para, ao absorvê-la, subir mais uns degraus em seu crescimento pessoal. Caso o assunto fique espinhoso, lembre do meu conselho em post anterior e volte a simplicidade do evangelho, leia João 3.16 e I Coríntios 13, acerte o seu “prumo” e, então, volte para um novo round.

Que Deus o ilumine e guie os seus caminhos para que você alcance de forma completa os propósitos que Ele definiu para você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *