O Cronograma para Dominação Global do Islamismo até 2020

Meu Comentário:  hoje, ao falar em Estado Islâmico e Califado, você não veria mais as pessoas duvidando desse fato ou o observando como algo histórico apenas, isso porque o Estado Islâmico está nos jornais e mídias de todo o mundo e sabemos do que ele se constitui. Mas agora volte para 2005, quando Bush ainda governava os EUA e o Iraque ainda era uma região dominada pelos americanos e você dissesse exatamente isso, que seria criado um Estado Islâmico na região, você pode imaginar do que lhe chamariam??! Pois é, é por isso que coloco abaixo uma tradução de uma reportagem da agência de notícias SPIEGEL ONLINE, de 2005, que trata exatamente do cronograma do mundo islâmico para a dominação global, constituído de sete fases que terminam em 2020, com o que eles chamam de “a vitória definitiva”. Detalhe, você irá perceber que a quinta fase, onde seria a criação do Estado Islâmico, já foi realizado com 2 anos de antecedência, então podemos ter as fases 6 e 7 acontecendo também com 2 anos de antecedência. Eu mantive na tradução a linguagem da época, por isso certos eventos futuros, já conhecidos nossos com outros termos, como a Primavera Árabe, eu os mantive com os nomes originais dados na fase 4 e outras, segundo o plano originalmente escrito do grupo islâmico. É interessante observar que a análise da época considerava loucura esse plano, mas parece que até os dias atuais ainda estamos mantendo o péssimo hábito de subestimar o Islã e os seus objetivos, os quais eles continuam a propagar por toda Internet. Esse cronograma já era conhecido e de domínio público dos Serviços de Inteligência desde 2005, pelo menos, mas nada foi feito para detê-lo, ao contrário, os EUA, desde a época Bush, passando por Obama, acabaram criando todos os meios necessários para que isso florescesse e viesse à realidade. É importante notar também que, para a quarta fase estava previsto um ataque econômico e cibernético contra os EUA com o objetivo de enfraquecer o governo americano e para isso eles planejavam fazer a queima de vários poços de petróleo, só que não se imaginava à época que os EUA teriam acesso à tecnologia de Petróleo de Xisto em grande quantidade, o que de certa forma, diminuiu a dependência de importação de petróleo pelos EUA, sendo assim, acredito que os gastos exorbitantes na economia americana dos últimos 6 anos tiveram muito a ver com essa questão, apenas foi uma mudança na forma do “ataque econômico”, o que deu uma sobrevida aos EUA na guerra econômica, ao invés dela culminar em 2013 como estava previsto. Bem, vamos à reportagem e ao cronograma. O link original estará no fim do artigo.

 

O Futuro do Terrorismo: O Que A Al-Qaeda Realmente Deseja

12/08/2005

Se existe alguém que pode, eventualmente, ter uma idéia sobre o que a Al-Qaeda está fazendo, é o jornalista jordaniano Fouad Hussein. Ele não só passou um tempo na prisão com al-Zarqawi, mas também conseguiu fazer contato com muitos dos líderes da rede. Com base em correspondência com estas fontes, ele já trouxe um livro que detalha o plano diretor da organização.

 

Deve haver algo de particularmente confiável ​​sobre o jornalista jordaniano Fouad Hussein. Afinal de contas, ele conseguiu fazer com que alguns dos terroristas mais procurados viessem a se abrir com ele. Talvez o que ajudou é que eles passaram um tempo juntos na prisão, há muitos anos atrás – quando Hussein era um prisioneiro político, ele negociou com sucesso para que Abu Musab al-Zarqawi fosse liberado da prisão solitária. Ou será que é por causa da maneira honesta e direta em que ele coloca as suas idéias no papel? Seja qual for a razão, o resultado é que um filme que Hussein fêz sobre al-Zarqawi ainda foi mostrado em Web sites afiliados da al-Qaeda. “Isso me mostrou que, pelo menos, eu me senti compreendido”, diz o jornalista.

Mesmo para um jornalista árabe não é fácil entrar em contato com o círculo interno de al-Qaeda. No entanto, Hussein, que está baseado em Amã, na Jordânia, conseguiu transformar sua correspondência com os terroristas em um livro notável: “Al-Zarqawi – A Segunda Geração da Al-Qaeda”.

Se você encontrar Hussein, como você poderia quando ele está relaxando no Café Viena de Amã, você vê que ele é calmo e descontraído, sem o glamour de um espião do serviço secreto. Mas o que este homem pequeno e magro tem para comunicar é nada menos do que o plano da rede terrorista mais perigosa do mundo em ação: a estratégia da Al-Qaeda para as próximas duas décadas. É ao mesmo tempo assustador e absurdo, um plano maluco concebido por fanáticos que vivem em seu próprio mundo, mas que continuamente é gerenciado para se tornarem realidade através de seus atos brutais de violência.

Uma das fontes mais sensacionais de Hussein para o livro, de acordo com o que ele disse à agência de notícias Spiegel Online, foi Seif al-Adl. O terrorista egípcio, que é suspeito de participar dos ataques às embaixadas americanas em Dar es Salaam e Nairobi em 1998, e que tem um prêmio de US$ 5 milhões pela sua cabeça no FBI. Os serviços secretos suspeitam que al-Adl está agora no Irã.

Para provar que ele realmente teve contato com a Al-Adl, Hussein incluiu nas duas primeiras páginas do livro uma cópia de uma carta escrita à mão do homem procurado que foi enviada ao autor. No documento original, que é de 15 páginas, al-Adl descreve as divergências entre al-Zarqawi e Osama bin Laden durante a guerra no Afeganistão. “As declarações de Seif al-Adl também são colocadas no capítulo sobre a estratégia da Al-Qaeda”, explica Fouad Hussein.

 

 

Um califado islâmico em sete etapas fáceis

 

Na introdução, o jornalista jordaniano escreve: “Eu entrevistei todo um conjunto de membros da Al-Qaeda com ideologias diferentes para ter uma idéia de como a guerra entre os terroristas e Washington iria se desenvolver no futuro”. O que ele descreve então entre as páginas 202 e 213 é um cenário que prova tanto a cegueira dos terroristas bem como de sua brutal obstinação. Em sete fases a rede de terror espera estabelecer um califado islâmico ao qual o Ocidente estará muito fraco para combater.

 

  • A Primeira Fase, conhecida como “O Despertar” – isto já foi realizado e se supunha que duraria de 2000 a 2003, ou mais precisamente a partir dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington até a queda de Bagdá em 2003, o objetivo dos ataques de 11/9 era provocar os EUA a declararem guerra ao mundo islâmico e, assim, “despertar” os muçulmanos. “A primeira fase foi julgada pelos estrategistas e cérebros por trás da Al-Qaeda, como muito bem sucedida”, escreve Hussein. “O campo de batalha foi aberto e os americanos e seus aliados tornaram-se um alvo mais próximo e mais fácil”. A rede terrorista também relatou que estava convencida de que sua mensagem pode agora ser ouvida “em todos os lugares”.

 

  • A Segunda Fase,Abrindo os Olhos” é, segundo a definição de Hussein, o período que estamos agora e deve durar de 2003 até 2006. Hussein diz que os terroristas esperam fazer a conspiração ocidental ciente da “comunidade islâmica”. Hussein acredita que esta é uma fase em que a Al-Qaeda quer uma organização para se transformar em um movimento. A rede está apostando no recrutamento de jovens durante esse período. O Iraque deve tornar-se o centro de todas as operações globais, com um “exército”, criado lá e com bases estabelecidas em outros Estados árabes.

 

  • A Terceira Fase, ela é descrita como “O Surgimento e Por-se de Pé” e deve durar de 2007 a 2010. “Haverá um foco na Síria”, profetiza Hussein, com base no que as suas fontes lhe disseram. Os quadros de luta estão supostamente já preparadas e alguns estão no Iraque. Os ataques contra a Turquia e – ainda mais explosivo – em Israel são previstos. Idealizadores da Al-Qaeda esperam que os ataques a Israel irão ajudar o grupo terrorista a se tornarem uma organização reconhecida. O autor também acredita que os países vizinhos do Iraque, como a Jordânia, também estão em perigo.

 

  • A Quarta Fase, entre 2010 e 2013, Hussein escreve que a Al-Qaeda terá como objetivo provocar o colapso dos governos árabes odiados. A estimativa é de que “a perda insidiosa do poder destes regimes levará a um crescimento constante na força dentro de al-Qaeda”. Ao mesmo tempo os ataques serão realizados contra fornecedores de petróleo e a economia dos EUA serão atacadas usando o terrorismo cibernético.

 

  • A Quinta Fase, Este será o momento em que um Estado islâmico, ou Califado, pode ser declarado. O plano é que, desta vez, entre 2013 e 2016, a influência ocidental no mundo islâmico será tão reduzida e Israel estará tão enfraquecido que a resistência não vai ser temida. A Al-Qaeda espera que, em seguida, o Estado islâmico será capaz de trazer uma nova ordem mundial.

 

  • A Sexta Fase, Hussein acredita que a partir de 2016 haverá um período de “confronto total”. Assim que o califado for declarado o “exército islâmico” vai instigar a “luta entre os crentes e os não crentes” que tem sido tantas vezes previstos por Osama bin Laden.

 

  • A Sétima Fase, esta fase final é descrita como “vitória definitiva“. Hussein escreve que, aos olhos dos terroristas, porque o resto do mundo estará tão abatido pelos “um bilhão e meio de muçulmanos”, o califado, sem dúvida, terá sucesso. Esta fase deve ser concluída até 2020, embora a guerra não deva durar mais de dois anos.

 

 

Um plano sério?

 

Mas o quão sério é este cenário? “A Al-Qaeda não faz concessões”, diz o autor do livro Fouad Hussein. Ele obviamente acredita que este plano de sete pontos poderia muito bem tornar-se o princípio orientador de toda uma gama de combatentes da Al-Qaeda. Hussein está longe de ser alarmista histérico – na verdade, ele é visto como um jornalista sério e seu livro Zarqawi é melhor do que a maioria dos relatórios em árabe sobre o assunto. Só no ano passado, o jornalista fez um filme que foi recebido com grande interesse e foi mostrado na canal de arte da TV franco-alemã. Nela, ele forneceu profundas introspecções sobre a máquina de propaganda na internet da Al-Qaeda.

 

No entanto, não há como o cenário que ele descreve poder ser visto como um plano que a al-Qaeda pode seguir passo-a-passo. A rede terrorista simplesmente não funciona mais assim. A importância da liderança central tem diminuído e seus comandos diretos perderam uma grande importância. O plano diretor suposto para os anos de 2000-2020 compreende-se em partes mais como um conjunto de idéias de paralelepípedos juntos em retrospecto, do que algo planejado e apresentado com antecedência. E para não mencionar que a agenda terrorista é simplesmente impraticável: a idéia de que a Al-Qaeda poderia criar um califado em todo o mundo islâmico é um absurdo. O plano de 20 anos é baseado principalmente em idéias religiosas. Ele quase não tem nada a ver com a realidade – especialmente as fases 4-7.

 

Mas isso não significa que devemos simplesmente descontar tudo o que Hussein descobriu. Alguns dos passos na agenda são plausíveis. A idéia de que a Síria vai se tornar um foco para o Mujahedin é considerado por especialistas como altamente provável. “Cerrar fileiras, se concentrar em obter mais recrutas, criar células”, era a chamada para o “Mujahedin na Síria”, que apareceu em um site, no início de agosto. Do ponto de vista dos jihadistas, Israel e Turquia também são alvos bastante lógicos para uma escalada do confronto. “A Al-Qaeda vê cada luta como uma vitória, porque por tanto tempo os muçulmanos não tinham arma nenhuma”, diz Hussein. Ele pode não estar longe. Quanto à Jordânia, os líderes da Al-Qaeda, como al-Zarqawi, já fizeram ataques ao país. Eles também afirmaram em várias ocasiões que Jerusalém é o verdadeiro alvo.

 

Da mesma forma, a idéia de que, no futuro, a Al-Qaeda poderia se tornar um movimento que atrai jovens frustrados, é quase uma teoria tirada do ar. A rede terrorista coloca um grande esforço em sua propaganda – assumidamente, a fim de expandir a sua base de apoio.

 

 

Os ataques contra o Ocidente: um meio para um fim

 

O que é interessante é que os grandes ataques contra o Ocidente não são sequer mencionados por Fouad Hussein. O terrorismo aqui não pode ser ignorado – , mas parece que esses ataques simplesmente complementam o maior objetivo da criação de um califado islâmico. Ataques como os de Nova Iorque, Madrid e Londres seriam, neste caso, não um fim em si, mas sim os meios para a alcançar um objetivo maior – as etapas de um processo de crescente insegurança no Ocidente.

 

Hoje em dia, é mais difícil do que nunca compreender verdadeiramente a Al-Qaeda: a organização degenerou em galhos e as células são frouxamente ligadas, grupos relacionados são tomados e as pessoas que quase não tinham nada a ver com a Al-Qaeda antes, agora realizam ataques em seu nome. É difícil imaginar que as ordens vêm desde o topo, porque Osama bin Laden gasta todo o seu tempo lutando para sobreviver. Ao mesmo tempo, a divisão entre soldados na organização e simpatizantes estão se tornando cada vez mais tênue. É muito fácil ser vítima de desinformação – a Al-Qaeda também se destaca nesta área. Mesmo o cenário de Hussein deve ser julgado com ceticismo.

 

Seu livro deve ser lido por aquilo que ele realmente é: uma tentativa de adivinhar como os terroristas da Al-Qaeda pensam, o que eles realmente querem e como eles se propõem para chegarem lá.

 

* Artigo traduzido por mim da SPIEGEL ONLINE, link original aqui.

4 comentários em “O Cronograma para Dominação Global do Islamismo até 2020

  1. Meu amigo, que texto chocante! Mesmo já acostumado com tantas coisas impressionantes sobre o mundo islâmico e as profecias, fiquei estarrecido ao ler este texto. E, para divulgá-lo melhor – pelo menos aqui, na minha região – penso em transformá-lo num estudo em slides (formato Arquivo7).

  2. Caro Dionei. Não me espanto porque em pesquisas em que tive oportunidade de participar, já se anunciava em textos e fontes islâmicas este crescimento. Tudo de maneira organizada, estratégica e muito bem financiada com foco principal, no ocidente, sobe a Europa. Agora, com o advento do califado sendo estabelecido no Oriente médio e o advento do ISIS, podemos perceber está estratégia unificando suas dissidências e ramificações pois somente desta forma este cronograma poderia ser concluído. Não nos iludamos refletindo que os divulgados ataque internos, entre grupos islâmicos venha ser uma real divisão. Pelo contrário. Chamariam isso de preparação. E vamos lá, pois coisas novas virão e deveremos estar muito bem informados e preparados. Muito bom seu trabalho e grato pelas traduções pois isso nos ajuda e muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *