O ISIS e outros grupos islamitas “radicais” são impulsionados pela escatologia muçulmana

Comentário do Dr. Timothy R. Furnish sobre a palestra e o artigo gerado pela mesma: a palestra no Seminário Concórdia (St. Louis), sobre como a escatologia islâmica está motivando o ISIS e alguns outros grupos terroristas muçulmanos, foi coberta pelo repórter da Igreja Luterana-Sínodo de Missouri que publicou o artigo: “O ISIS e outros grupos islamitas radicais são impulsionadas pela escatologia muçulmana”. Infelizmente, até mesmo os jornalistas em minha própria denominação conservadora (tanto teologicamente, em geral, como também politicamente) foram infectados pelo politicamente correto; eu fiz questão de dizer que o ISIS e outros de sua laia são, na verdade, não “radicais”, mas literais quando se trata do Corão e dos hadiths. Então, basta ler o artigo (abaixo)!

 

por Roger Drinnon,

 

Os militares e os moradores que fugiram de Kobani, uma cidade curda na fronteira com a Síria e com o distrito de Suruc da Turquia, assistem à batalha em 12 de outubro.

 

ST. LOUIS – Para estabelecer um mundo governado pela lei islâmica, Jesus e o Mahdi lutarão contra o enganador al-Dajjal (algo similar a um anticristo islâmico) e depois converterão todos ao islamismo para inaugurar o fim dos tempos. Espere … o quê? Jesus?

Grupos extremistas islâmicos, como o Estado Islâmico do Iraque e al-Sham (ISIS), buscam trazer este cenário escatológico através de ataques terroristas, operações de militantes violentos, propagandas bem financiadas e esforços de proselitismo agressivo, de acordo com um especialista em escatologia da religião.

A escatologia islâmica foi o tema em 23 de outubro, da palestra do Dr. Timothy R. Furnish, no Seminário Concórdia, em St. Louis, intitulado “A Luta pelo Fim do Mundo (Cristão)”. A palestra foi organizada pelo Instituto Étnico Imigrante de Teologia (EIIT), um programa especializado do seminário de educação teológica para a liderança pastoral Leia Mais

O Anticristo e o Mahdi Muçulmano – São Eles a Mesma Pessoa?

por Michael Youssef,

 

 

Muitas pessoas, religiosas e não-religiosas, fazem-se perguntas sobre uma palavra que ouvem no uso da mídia quando esta se refere ao ISIS e a outros grupos jihadistas islâmicos. Essa palavra é “apocalíptico”, que é usada quando se refere especificamente ao fatalismo dos islamitas.

As pessoas se perguntam, por que tantos muçulmanos (sunitas e xiitas) operam desse modo “apocalíptico”, essa mentalidade de fim do mundo?

A nossa sociedade secular, no entanto, juntamente com a falta de cuidado dos meios de comunicação, está fazendo uso de palavras tais como “apocalíptico”, mas sem usá-las corretamente e sem dar alguma explicação. Isso cria uma grande confusão para alguns, muitos dos quais só levantam as mãos em resignação e dizem: “Eu não entendo isso”.

Mas para aqueles que querem entender, eu estou oferecendo esta coluna em duas partes, tendo trechos do meu livro mais recente, “Jesus, Jihad e Paz”. Espero que isto venha a colocar as coisas em perspectiva, por isso, quando a mídia diz que uma entidade islâmica (como o ISIS, a Al-Qaeda, o Irã, etc.) opera com uma visão apocalíptica, você possa entender o sentido disso.

A palavra apocalipse, na verdade, não se refere a um evento desastroso, catastrófico, de fim do mundo. É uma palavra grega, a raiz dela significa revelação, ou coisas reveladas que estão escondidas. Por exemplo, sabemos que o último livro da Bíblia é conhecido como revelação em Inglês, mas na língua original grega, é Apokalupsae. Ele revela o que está acontecendo no reino celestial, bem como sobre eventos no futuro.

O conceito do Anticristo

Tanto o Antigo Testamento e o Novo Testamento falam de uma figura do fim dos tempos, o Anticristo, cerca de 600 anos ou mais, antes do Islã entrar em cena. Esse momento será importante quando eu explicar o “fim dos tempos” do Islã com a vinda de um Mahdi em minha próxima coluna.

O Anticristo é conhecido por vários nomes. Paulo o chama de “o iníquo”, “o homem do pecado” e “o homem fadado à destruição”, que “se levanta contra tudo que se chama Deus ou é objeto de adoração, de forma que ele se apresenta no templo de Deus, proclamando ser Deus” (2 Ts. 2: 1-12). A descrição mais detalhada do Anticristo está em Apocalipse 13, onde o apóstolo João se refere ao Anticristo como “a besta”. No Antigo Testamento o profeta Daniel descreve as obras abomináveis do Anticristo, mas não lhe dá o nome ou título (Dan. 9:27).

Quem, então, é o Anticristo, cujo breve, mas com um terrível reinado que está previsto tanto no Antigo como no Novo Testamento? Ele será um líder mundial do poder político, militar e religioso sem paralelo. Ele vai ser charmoso, persuasivo e popular além da medida. O mundo não vai conhecê-lo como o “Anticristo”, mas por algum nome atraente e um título atraente. Mas, assim como a palavra “anticristo” sugere, ele vai ser o oposto do que é o Senhor Jesus Cristo em todos os sentidos. Tudo o que Cristo é, o Anticristo não é; tudo o que Cristo não é, o anticristo é.

Jesus veio do céu (João 6:38); o Anticristo vem do Abismo, o domínio espiritual do mal Leia Mais

As 2 primeiras semanas do ano Shemitá traz sinais ameaçadores

Queda no mercado de ações, Ebola nos EUA, o ISIS em movimento no Iraque

artigo de Leo Hohmann

 

Luas de sangue, queda no mercados de ações e uma crescente pandemia de Ebola tem dominado as manchetes na semana passada.

Se isso não é motivo suficiente para preocupação, há um exército de terroristas islâmicos caindo sobre a capital iraquiana de Bagdá.

Nada disso deve vir como uma surpresa para aqueles que leram “O Mistério do Shemitá” escrito por Jonathan Cahn, um rabino messiânico e professor de Bíblia de Nova Jersey que também é autor do livro cristão e best-seller, “The Harbinger”(O Presságio, veja artigo sobre o livro aqui), de 2012.

Sem dúvida, o ano da Shemitá, que começou em 25 de setembro, começou com uma explosão de más notícias.

Cahn previu na obra “The Harbinger” que sobre a América viria um julgamento na sequência dos ataques de 11 de setembro, porque, em vez de se humilhar e se arrepender, o país dobrou-se ao aborto, à pornografia e à remoção da oração e todas as coisas cristãs das praças públicas.

No “Mistério da Shemitá”, ele revela que o julgamento se trata de uma nação apóstata de acordo com um ciclo de sete anos que se correlaciona com o calendário hebraico. Em Levítico 25, Deus ordenou aos israelitas que observassem um ano sabático a cada sete anos, enquanto que em Deuteronômio 15 Ele os instruiu para cancelarem as dívidas de acordo com este mesmo Leia Mais

Os EUA colaboraram com a Turquia na criação de um Califado Islâmico

pela Fundação Shoebat em 31 de agosto de 2014 – em Destaque Geral

Por Walid Shoebat (Shoebat Exclusivo)

 

Obama está enviando o secretário de Defesa Hagel à Turquia para engrenar seus esforços para domar o ISIS, enquanto conscientemente está ciente de que a Turquia é um defensor do ISIS!
Os esforços, como eles dizem, é a construção do que o governo chamou de ‘Coalition of the Willing’ (Coalisão dos Dispostos).

Como foi previsto por Shoebat.com, os Estados Unidos vão pleitear a Turquia para acabar com o ISIS.

Agora o secretário de Defesa Chuck Hagel está sendo enviado por Obama para se preparar para visitar a Turquia a intensificar a pressão por uma campanha internacional contra o ISIS.
Em seu discurso durante uma reunião na sexta-feira, o secretário de imprensa do Pentágono, Almirante John Kirby, disse que Hagel começará sua viagem internacional para visitar País de Gales, Geórgia e Turquia.

“A Turquia é um aliado-chave da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Dada a sua fronteira com a Síria e o Iraque, [Turquia] compartilha nossas profundas preocupações com a ameaça regional em virtude do ISIL “, disse Kirby aos jornalistas.

A visita de Hagel à Turquia é vista como parte da busca dos EUA de um apoio dos países da região. A Turquia vai ser a última parada em seis dias de viagem de Hagel, que começa na quarta-feira.

Esta visita marcará a primeira viagem oficial de Hagel à Turquia como chefe do Pentágono.

“Hagel tem relações de longa data com os líderes da Turquia, incluindo o Presidente recém-empossado (Sultão) Recep Tayyip Erdoğan, e o secretário vê a próxima visita como uma oportunidade importante para fazer avançar a crítica relação EUA-Turquia”, disse Kirby.

Tudo isto independentemente de que os laços da Turquia e os Estados Unidos tornaram-se tensos após o escândalo de corrupção, quando a mídia pró-governo acusou o embaixador dos Estados Unidos de estar por trás da investigação, e então o primeiro-ministro Erdogan ameaçou expulsar o embaixador. As relações bilaterais em Leia Mais

Escatologia – Daniel 9:26 – Quem são as pessoas do príncipe que há de vir?

Talvez o pilar de sustentação mais importante da teoria do Anticristo Europeu é uma profecia de uma linha, encontrada no nono capítulo do Livro de Daniel. Esta pequena profecia, mas muito importante, simplesmente afirma que:

“O povo do príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário”. – Daniel 9:26.

 Embora diferentes interpretações foram oferecidas quanto ao significado exato dessa passagem, a posição majoritária sustenta que esta profecia está nos dizendo que as pessoas específicas (ou povos) que destruíram Jerusalém e o Templo em 70 dC, são os ancestrais dos povos que nos últimos dias seriam os seguidores primários do Anticristo (o príncipe ou o governante que está por vir). Assim, de acordo com esta posição, o verso deve ser entendido como se segue:

 “As pessoas (os seguidores primários) do príncipe (o anticristo) que há de vir (nos últimos dias) destruirá a cidade (Jerusalém) e o santuário (Templo Judeu)”.

A maioria acredita que a destruição “da cidade e do santuário”, são uma referência para a destruição que ocorreu em 70 dC, quando as legiões romanas, sob o comando do general Titus, destruiram tanto a capital judaica, Jerusalém, como o seu Templo. Dessa forma, a grande maioria dos estudiosos de profecias e seus alunos concluíram Leia Mais

Escatologia – 10 Sinais Incomuns de que o Advento de Cristo está Próximo

por Dionei Vieira,

 

Este post é um resumo de muitas pesquisas e estudos, como o material é gigantesco e não desejo transformar o artigo num livro (não ainda), vou buscar ser o mais sucinto possível. Vou apresentar uma relação de sinais bíblicos, extra-bíblicos, alguns controversos, mas que merecem uma citação, visto que não podem ser descartados pois apontam e concordam com os eventos bíblicos relatados para esses tempos. Antes de começar, vou deixar claro que não tenho a menor intenção neste post de definir datas sobre o segundo advento de Cristo, isso pode ocorrer em breve, como pode levar muitos anos, já que essa é uma atribuição exclusiva do Altíssimo.

Aqui cabe uma curiosidade para quem não está familiarizado com a cultura judaica da época de Cristo e seus rituais de casamento. Quando algum filho da família desejava se casar – e isso na época se esperava que ocorresse entre os 13 e 20 anos, pois diferente de nossos tempos atuais, naquela época não se considerava a existência de uma fase chamada adolescência, pela própria dureza desse período da civilização – o casamento era arranjado pela família, o que era comum, ou poderia ocorrer de que a moça de quem o rapaz tivesse interesse também fosse do agrado da família. De qualquer forma o pai do jovem se encarregaria de organizar tudo, como fez o pai de Sansão (Juízes 14:1-10), ou o pai contrataria alguém para organizar o serviço, como fez Abraão (Gênesis 24:1-10), salvo alguns casos, o próprio jovem o faria sozinho devido a alguma circunstância em que o pai não pudesse tratar da tarefa, como fez Jacó (Gênesis 29:15-30). Existem pontos interessantes e relevantes em todo o ritual desde o pedido do casamento, passando pelo noivado até o dia do casamento, mas não é a proposição neste artigo, ficará para um próximo. O ponto é o seguinte, antes do casamento tudo é preparado para esse evento e para a morada da esposa, essa obrigação corria geralmente pela responsabilidade do pai, dessa forma, se alguém viesse e perguntasse ao jovem quando seria o casamento, normalmente a resposta seria: “Ninguém sabe, exceto o meu pai”. Isso lhe soou familiar? Pois é, Jesus usou a tradição da época para se referir a sua volta, já que sua volta simboliza o casamento dEle com sua noiva, a igreja (Mar 13:32).

Então já que ficou claro quem manda nessa questão de data e hora, não serei eu a dizer, mas nada me impede de observar e perceber se estamos nessa época ou não, já que várias indicações sobre ela foram dadas. Esse é o meu objetivo aqui, mostrar que existem muitos mais sinais do que você imagina e vários deles nos dizem que de agora aos próximos anos, parece que coisas incríveis irão ocorrer. Como essa não será uma lista similar a muitas outras que você tenha visto, pois não vou me ater aqui aos conhecidos sinais relacionados aos terremotos, fome, pestes, guerras, perversão sexual, entre tantos outros mais conhecidos já que estes citados são hoje comuns e bem conhecidos e explorados na cultura cristã, meu objetivo é abordar os sinais não tão conhecidos pela maioria e que apontam para essa época em que vivemos que mostra ser especial no contexto do fim dos tempos. Prontos, então se puder, relaxe, pegue um bom café ou similar e Leia Mais

Intelectual Islâmico Apoia a Construção do Terceiro Templo em Jerusalém

Devido a algumas solicitações e com o objetivo de facilitar a compreensão, eu traduzi e legendei o vídeo da entrevista feita pelo intelectual Islâmico, Adnan Oktar, ao escritor e pesquisador Joel Richardson. Adnam Oktar é um intelectual respeitado no mundo Islâmico que escreveu centenas de livros e brochuras e possui muitos seguidores, tendo assim grande influência no mundo Islâmico, principalmente na Turquia. Joel Richardson é um escritor e pesquisador Cristão americano com várias obras relacionadas à escatologia Cristã e à Cultura Islâmica.

A entrevista aborda a construção do Terceiro Templo do povo de Israel em Jerusalém, a vinda do Messias Islâmico, conhecido como Mahdi e outros temas referentes à escatologia Islâmica. Como a cultura escatológica Islâmica é pouco conhecida em ambientes Cristãos, preciso antes dar um contexto sobre a mesma e isso irá facilitar o seu entendimento. Não vou fazer um artigo profundo sobre isso agora, pois vou deixar para um post futuro que será específico sobre esse assunto na minha série de artigos relacionados à escatologia.

O que chama muito a atenção é o fato de existir alguém de influência no mundo Islâmico que, além de apoiar a construção do Terceiro Templo de Jerusalém, ainda reconhece que Israel possui o direito à Terra Leia Mais