As Cinco Coroas e Um Alerta

tribunaldecristo

Eu gosto de estudar e observar as Escrituras como um todo, também entendo que há livros mais “prediletos” por alguns e que estes mesmos acabam “desprezando” outros livros, mas considero isso um erro quando é algo extremado … visto que isso pode se tornar algo grave, pois ao desprezar textos a probabilidade de se incorrer em um erro de interpretação, ou de não conseguir uma melhor visão de um determinado assunto, aumenta consideravelmente, ou será que o SENHOR distribuiu e colocou livros que são “dispensáveis” nas Escrituras?! É óbvio que não! Certos temas dependem de um entendimento abrangente observando os textos do Gênesis ao Apocalipse para que certos contextos sejam entendidos em sua amplitude e para esse tema aqui o caso não é diferente.

Obviamente não pretendo neste artigo esgotar esse assunto, pois mesmo que eu escrevesse um livro precisaria de milhares de páginas, mas darei várias referências neste artigo, no entanto, não vou abordar muitas das parábolas relacionadas aos “talentos” e afins que Jesus explanou e que também se referem ao tema aqui abordado. Na atualidade, eu vejo muitos cristãos “fugindo” das questões de mérito e recompensas como se isso fosse algo antibíblico já que a “graça” denota que não temos mérito algum, pois o mérito é apenas Jesus … para fins de salvação é a mais pura verdade, o mérito nunca foi e nem será nosso nesse sentido, na verdade, nesse aspecto não há maior ou menor, pois todos alcançam a salvação pela misericórdia divina e pela graça através de Cristo. Mas também não se pode negar que mesmo Jesus falou que no Reino há maiores e menores (vide Mateus 5:19; Mateus 18; entre outros),  assim como galardões (recompensas) maiores e menores (vide Mateus 5:12; Lucas 6:23; entre outros) … gostem muitos disso ou não, esse tema é recorrente nas Escrituras em muitas passagens … afinal, Deus é bom e é galardoador (μισθαποδοτης “misthapodotes”; alguém que paga salário, recompensador) daqueles que O buscam (vide Hebreus 11:6)! Lembre também da parábola dos talentos em Mateus 25 e do que houve na distribuição final dos talentos … “Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor”. Sendo assim, é bom lembrar como não se deve apresentar-se diante do Rei do reis …

 ninguém apareça de mãos vazias perante mim.” (Êxodo 23:15b) (Êxodo 34:20b) (Deuteronômio 16:16b)

Há duas palavras gregas comuns para a palavra “coroa” na Bíblia. Uma palavra usada no Novo Testamento é a palavra “diadema” (διαδημα … ornamento real para a cabeça, coroa), encontrada no Apocalipse (Ap. 12:3; 13:1; 19:12). Esse vocábulo é utilizado para designar as coroas nas cabeças do dragão, as coroas dos dez reis no reino do Anticristo e as “muitas coroas” na cabeça de Cristo quando Ele retornar à Terra para estabelecer o Seu Reino. A palavra “diadema” (vide imagem abaixo) sempre refere-se à coroa de um rei ou de um dignatário imperial.

diadema

A segunda palavra é a palavra grega “stephanos” (στεφανος … grinalda ou guirlanda que era dada como prêmio aos vencedores nos jogos públicos, aquilo que é ornamento e honra para alguém), que é a principal palavra usada para descrever as coroas que os cristãos receberão se forem achados fiéis (1 Ts 2:19; 2 Tm 4:8; Tg 1:12; Ap 2:10). A palavra vem de “stepho”, que significa “cercar, enrolar, torcer” e faz alusão à uma coroa de vencedor. No período Greco-Romano, essa coroa era dada ao vencedor dos jogos. Era tecida como uma grinalda de carvalho, hera, murta, ou mesmo folhas de oliveira, ou, em alguns casos, uma imitação desses componentes em ouro. Em lugar nenhum existe qualquer promessa de um diadema para o cristão, visto que há um só Rei dos reis merecedor de usar essa coroa de realeza e esse Rei é Cristo. No entanto, os cristãos receberão a “stephanos” (vide imagem abaixo), que é a recompensa para a pessoa que ganhava os jogos, participava da corrida e cruzava a linha de chegada.

picture-343

Há cinco tipos diferentes de coroas “stephanos” que são prometidas aos crentes como parte de seu pacote de “aposentadoria celeste”!

A Coroa Incorruptível

Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa [στεφανος “stephanos”] corruptível; nós, porém, a incorruptível.” (1 Coríntios 9:24-25)

A idéia de uma coroa incorruptível indica uma coroa que durará por toda eternidade. Essa coroa sugere uma recompensa que o cristão receberá e que sempre será um lembrete, pelos séculos, de que quem a usa foi fiel em sua vida terrena no propósito de seguir ao Senhor e ser obediente a Ele.

A Coroa de Júbilo

Pois quem é a nossa esperança, ou alegria, ou coroa [στεφανος “stephanos”] em que exultamos, na presença de nosso Senhor Jesus em sua vinda? Não sois vós? Sim, vós sois realmente a nossa glória e a nossa alegria!” (1 Tessalonicenses 2:19-20)

Essa coroa é frequentemente chamada de “coroa do vencedor”, visto que haverá um galardão especial para todos eles. Paulo estava falando à igreja em Tessalônica, Grécia, naquela que foi a primeira das treze cartas que ele escreveu no Novo Testamento. A carta é dividida em cinco capítulos e em cada capítulo o apóstolo faz alusão ao retorno de Cristo. Ele disse a essa igreja que, na vinda de Cristo, eles receberiam uma “coroa de júbilo”. Nós seremos recompensados pelas almas que houvermos ganho para Cristo e uma especial coroa de vencedor será dada a cada crente que foi um ganhador de almas.

A Coroa da Vida

Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa [στεφανος “stephanos”] da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam.” (Tiago 1:12)

Estudiosos identificam essa coroa com a coroa prometida em Apocalipse 2:10, que é a recompensa dos crentes que perseveraram e venceram as tentações e as provas. Quando Cristo advertiu: “Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa [στεφανος “stephanos”].” (Apocalipse 3:11); Ele estava admoestando a igreja de Filadélfia para que fosse fiel e suportasse os ataques do inimigo. Há uma coroa especial para aqueles que disciplinaram seus corpos, mentes e espíritos para seguir ao Senhor até o fim. É a coroa da vida.

A Coroa de Glória

Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível (imperecível) coroa [στεφανος “stephanos”] da glória.” (1 Pedro 5:4)

Em 1 Pedro 5, o apóstolo Pedro estava falando aos anciãos e instruindo-os a permanecerem fiéis para abastecer o rebanho de cristãos, para não serem gananciosos por dinheiro e para serem um exemplo aos outros. Se forem encontrados fiéis, então, na vinda de Cristo, eles receberão uma “coroa de glória”. Essa coroa em particular é para aqueles que serviram como anciãos, pastores e bispos espirituais na vida dos cristãos, como um pastor cuidaria de suas ovelhas.

A Coroa da Justiça

Já agora a coroa [στεφανος “stephanos”] da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda.” (1 Timóteo 4:8)

É interessante que Paulo menciona o fato da coroa ser concedida àqueles que “amam a Sua vinda”. Alguns poderiam pensar que todos os cristãos amariam a vinda do Senhor. No entanto, há alguns que alegam ser cristãos e que, na verdade, zombam e escarnecem da idéia de que Cristo está voltando (2 Pe 3:3-4). Outros ficarão “envergonhados na Sua vinda” (1 Jo 2:28). Para aqueles que anseiam por essa vinda, há uma coroa de justiça. Somente aqueles em aliança ativa com Cristo, que são constituídos pela justiça de Deus por meio de Cristo, receberão essa coroa especial.

Há sete bençãos, mencionadas por João em Apocalipse, capítulos 2 e 3, prometidas para aqueles que triunfam. As bençãos são:

  1. O vencedor comerá da árvore da vida no paraíso celestial de Deus (Ap 2:7)
  2. O vencedor não sofrerá a segunda morte. (Ap 2:11)
  3. O vencedor comerá o maná escondido e receberá um novo nome, escrito em uma pedra branca. (Ap 2:17)
  4. O vencedor receberá autoridade sobre as nações. (Ap 2:26)
  5. O vencedor não terá seu nome apagado do Livro da Vida. (Ap 3:5)
  6. O vencedor será um pilar no templo e receberá um novo nome. (Ap 3:12)
  7. O vencedor se assentará no trono de Cristo. (Ap 3:21)

Todas as bençãos acima são uma parte das recompensas que os cristãos receberão por servir a Deus fielmente.

Outras recompensas incluirão governar com Cristo sobre a terra, durante o reinado milenar (mil anos). Em Lucas 19, Cristo conta uma parábola sobre os servos que estavam recebendo recompensas por sua fidelidade. Com base no tempo e na renda que esses servos dedicados e leais investiram na obra do Senhor, foi-lhes conferido domínio sobre inúmeras cidades. No Apocalipse, todos os crentes são chamados de “reis e sacerdotes” e lhes é prometido “reinar sobre a terra” (Ap 5:10). Em vista disso, pode-se inferir que durante o milênio, haverá milhares de cidades nas quais os líderes serão estabelecidos para governar sobre regiões inteiras; esses governantes e reis serão os santos que viverem na Terra durante essa época.

Perdendo Seu Galardão

Há algumas coisas muito comoventes que estão ligadas ao julgamento no Tribunal de Cristo. Embora uma pessoa possa ter uma aliança redentora para estar nesse julgamento, haverá pessoas que perderão seu galardão eterno. Essa admoestação é encontrada ao longo de toda a Escritura, aqui um exemplo …

Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa [στεφανος “stephanos”].” (Apocalipse 3:11)

Cristo disse que ao ajudar os outros, você “de modo algum perderá o seu galardão” (Mt 10:42). À luz das admoestações para que não se perca o seu galardão e para que não se permita que outro tome a sua coroa, as advertências foram dadas a cinco das sete igrejas no Apocalipse, instruindo-as a se arrependerem de suas falhas espirituais e morais, ou enfrentarem consequências espirituais e de julgamento severas:

  1. “Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas.” (Ap 2:5)
  2. “Portanto, arrepende-te; e, se não, venho a ti sem demora e contra eles pelejarei com a espada da minha boca.” (Ap 2:16)
  3. Eis que a prostro de cama, bem como em grande tribulação os que com ela adulteram, caso não se arrependam das obras que ela incita.” (Ap 2:22)
  4. “Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te. Porquanto, se não vigiares, virei como ladrão, e não conhecerás de modo algum em que hora virei contra ti.” (Ap 3:3)
  5. “Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca;” (Ap 3:16)

No “Tribunal de Cristo” (vide 2 Co 5:10; Rm 14:10-12), todos os cristãos terão suas obras provadas por alguma forma de fogo, sendo assim recompensados (μισθος “misthos”) pelo que não se queimar, e as Escrituras são claras ao dizer que para alguns pode ocorrer de que nada restará … serão esses como que “salvos através do fogo“:

… se o que alguém edifica sobre o fundamento é ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, manifesta se tornará a obra de cada um; pois o Dia a demonstrará, porque está sendo revelada pelo fogo; e qual seja a obra de cada um o próprio fogo o provará. Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão [μισθος “misthos”]; se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele dano; mas esse mesmo será salvo, todavia, como que através do fogo.” (1 Coríntios 3:12-15)

 

* artigo adaptado por mim com base em material de Perry Stone.

A Eternidade no Coração do Homem

infi

Ele fez tudo apropriado ( belo, elegante ) ao seu tempo. Também pôs no coração do homem ( da humanidade ) o anseio pela eternidade; mesmo assim ele ( o homem ) não consegue compreender inteiramente o que Deus fez ( desde o seu princípio até ao seu fim ).” (Eclesiastes 3:11)

Seria possível um navio ou um avião não ter um projetista?! Como então poderia todo esse elegante e belo universo não ter um Criador?!

Quem observa a criação, pode perceber a beleza e a elegância em tudo ao nosso redor, inclusive naquilo que é imperceptível para muitos, tais como o mundo subatômico e as elegantes leis físicas que regem as forças que compõem o nosso universo. Desde a mais bela flor até a mais intrincada fórmula física do eletromagnetismo, há uma formosura e elegâncias que denotam um Criador sem igual!!!

Da mesma forma como o Altíssimo colocou no coração do homem (da humanidade) a percepção da lei moral, tal como enfatiza Romanos 2:14-15, também colocou o SENHOR no coração do homem o anseio pelas coisas eternas … anseio este que apenas Ele, o Eterno, é capaz de suprir na vida do homem. Somos seres miseravelmente limitados, mas dentro de nós possuímos a capacidade de perceber e imaginar o ilimitado, capacidade essa que já intriga a humanidade de uma forma abrangente desde os seus primeiros filósofos e pensadores.

O homem busca compreender como tudo se formou e para onde as coisas caminham, mas o máximo que conseguirá sozinho são apenas um conjunto cada vez mais elaborado de teorias, mesmo assim esse esforço é válido e nos ajuda, inclusive, a perceber parte dessa elegância e sabedoria do Criador em tudo o que faz. Mas como não temos como voltar no tempo e testemunhar “in-loco” os detalhes do princípio por nós mesmos, dependemos da revelação do Eterno sobre o Seu desígnio, tanto para o princípio como para o fim das coisas.

Como disse apropriadamente Einstein durante um simpósio em 1941: “A ciência sem a religião é manca, a religião sem a ciência é cega”, o homem sem Deus está incompleto, o seu anseio pela Eternidade não pode ser preenchido … tal como uma panela que possui apenas uma única tampa apropriada, o vazio do homem no que tange às questões da eternidade só pode ser preenchido pelo Eterno, o SENHOR e Criador de todas as coisas.

O homem é incapaz de compreender a abrangência e o propósito de toda a criação se não olhar para ela pelos olhos do seu Criador, seria como observar apenas algumas notas soltas da sinfonia número 11 de Beethoven sem jamais compreender a beleza e a musicalidade de toda a sinfonia, quando essas notas são dispostas juntas e na ordem pelo seu compositor. Para tal, o SENHOR tem nos revelado, através de Sua Palavra, aquilo que Ele deseja que saibamos para este tempo, pois Ele mesmo deixou claro que há muito mais por vir e o que chamamos de fim das coisas, para Ele nada mais é do que um novo começo … e muito melhor do que o anterior!!! Busque ao SENHOR, Ele Se aproxima e Se revela para aqueles que O buscam de TODO o coração e com TODA a força do seu ser … dessa forma então o seu anseio pela eternidade será completamente saciado!!!

Deus lhe abençoe e resplandeça o Seu Rosto sobre você!!! 🙏❤️

Nascido do Espírito

screen-shot-2016-09-13-at-20-25-35

 

A palavra “espírito” (רוח “ruwach”) aponta para algo extraordinário e além da nossa expectativa, isto é, para a misteriosa Presença Divina que permeia todas as coisas e ainda se eleva acima de todas as coisas.

Jesus comparou o espírito (em grego πνευμα “pneuma”) com os movimentos inescrutáveis do vento: “O vento (πνευμα ‘pneuma’) sopra onde quer, ouves a sua voz, mas você não sabe de onde vem nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito (πνευμα ‘pneuma’)” (João 3:8).

Nós vemos o efeito do vento, mas não o próprio vento, o que ilustra que o vento está, em última análise, além do nosso alcance e controle. Para ser “nascido do Espírito” é necessário, portanto, uma intervenção misteriosa do céu:

Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” (João 1:12-13)

Dessa forma, somos então uma nova criatura, com um espírito novo dado por Deus em conjunto com o Espírito do SENHOR que em nós habita e atua para nos fazer seguir aos Seus estatutos, segundo o que está descrito em Ezequiel …

Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis.” (Ezequiel 36:26-27)

Assim … ser “conduzido pelo Espírito” implica em ver as coisas de uma forma diferente, isto é, apreender a Presença Divina nos movimentos misteriosos da vida. O nosso “espírito novo” precisa estar sensível e obediente às instruções do Espírito do SENHOR que está em nós para assim nos mantermos no centro da vontade do SENHOR. Sendo assim …

Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais. Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo.” (1 Coríntios 2:13-16)

 

Em Que Época Vivemos?

screen-shot-2016-09-09-at-18-38-19
 .
Eu vou fazer a seguir uma interpretação “diferente” sobre certos pontos e questões bíblicas, então adianto que posso estar errado em minha interpretação, mas cada um entenda como desejar … não estou escrevendo isso “em pedra”, estou apenas compartilhando idéias e pensamentos! Vou buscar ser sucinto e não ir muito profundo como poderia …
 
Muitos Rabinos e estudiosos entendem que estão designados à humanidade 6.000 anos antes do milênio de descanso, o sétimo. A base para esse pensamento vem tanto da questão dos dias da criação, onde cada dia representa mil anos (vide Salmo 90:4, “Pois mil anos, aos teus olhos, são como o dia de ontem que se foi e como a vigília da noite.“), como também vem da interpretação dos 120 anos mencionados em Gênesis 6:3 (“Por causa da perversidade do homem, meu Espírito não contenderá com ele para sempre; ele só viverá cento e vinte anos.”), onde os sábios interpretam que o SENHOR se referia a 120 anos “jubileu”, ou seja, 6.000 anos, sendo o sétimo milênio o de descanso … o Reino Milenar de Cristo.
 
Observando isso, a pergunta é: em que época veio Jesus e quando se completariam os 6.000 anos? Pelo calendário judaico, estamos no ano 5776, mas sabe-se que essa contagem não é acurada, então como saber? Talvez a “dica” esteja no quarto dia da criação, pois no quarto dia, dizem as Escrituras, Deus fez os “luzeiros”, em especial o Sol e a Lua. Observando isso, é o mesmo que dizer que o quarto dia equivale ao período do quarto milênio da humanidade dentro dos seis milênios designados. E quando veio Jesus? Vamos lembrar alguns textos interessantes …
 

Mas para vós outros que temeis o meu nome nascerá o sol da justiça (o Messias), trazendo salvação (cura) nas suas asas (nas orlas de suas vestes); saireis e saltareis como bezerros soltos da estrebaria.” (Malaquias 4:2)

O julgamento é este: que a luz (o luzeiro) veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más.” (João 3:19)

De novo, lhes falava Jesus, dizendo: Eu sou a luz do mundo (o luzeiro); quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida.” (João 8:12)

Poderia ainda citar mais alguns textos, mas acredito que meu ponto está colocado, principalmente quando se observa que Malaquias 4:2 é um texto que se refere ao Messias, ao Cristo! Isso coloca o nascimento do Messias no período do quarto milênio da humanidade (por volta do ano 4.000). Sendo assim, cerca de 2 outros dias já se passaram, o que nos coloca dentro ou próximo do fim do sexto dia e no início para o sétimo, o Reino Milenar. O que também me lembra de mais dois outros trechos das Escrituras que são interessantes quando se utiliza o Salmo 90:4 como “chave” (“Pois mil anos, aos Teus olhos, são como o dia de ontem que se foi e como a vigília da noite.”) …

Vinde, e tornemos para o SENHOR, porque Ele nos despedaçou e nos sarará; fez a ferida e a ligará. Depois de dois dias, nos revigorará; ao terceiro dia, nos levantará, e viveremos diante dEle. Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR; como a alva, a Sua vinda é certa; e Ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.” (Oséias 6:1-3)
 
Bem-aventurados aqueles servos a quem o SENHOR, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que Ele há de cingir-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando-se, os servirá. Quer Ele venha na segunda vigília, quer na terceira, bem-aventurados serão eles, se assim os achar.” (Lucas 12:37-38)
 
Observando tudo o que coloquei aqui e o que vemos ocorrendo pelo mundo nos tempos atuais, parece que estamos “às portas” de uma mudança magnífica … estamos próximos ou já vivenciando um tempo de transição que será muito difícil, mas que irá marcar o mundo mais uma vez como já ocorreu há cerca de 2.000 anos, só que desta vez de uma forma diferente … Fique alerta!!!!

Os Passos do Messias Podem ser Ouvidos …

passos

O nosso mundo parece, em muitas maneiras e formas, estar buscando inclinar-se em direção a um colapso … muitos de nós estão preocupados, e alguns até assustados. A corrupção e a decadência estão ao nosso redor e, em muitos aspectos, o mundo parece sem sentido ou direção …. Não podemos confiar em nossos políticos e líderes mundiais. Banqueiros e grandes corporações estão se posicionando contra os valores judaico-cristãos, outrora colunas da sociedade ocidental. O mundo atual vive em contínuo risco de entrar nas vias de fato de um grande conflito entre forças globais, parece que nos últimos anos os líderes mundiais pisam em gelo fino, fugindo o máximo que podem para evitar conflitos, mas sem conseguir se desvencilhar das situações que continuamente os levam à eles. Parece não haver nenhum líder genuíno em quem podemos confiar; apesar de toda tecnologia, cada dia é mais difícil de se obter boas informações para se tomar decisões de qualidade; vivemos no limiar de se estar fora de controle … e toda essa insegurança gera em muitos um stress estafante, depressivo. Muitos cristãos “dormem” em meio a tudo o que vem ocorrendo e vários “pensadores cristãos” encontram-se alienados … ensimesmados …. a voz profética, em muitos ambientes, parece que foi reprimida e fechada em guetos … e como reiteram as Escrituras: “sem profecia o povo perece” (Pv 29:18); ficam confusos, perplexos e sentem-se ameaçados … como que às cordas num ringue. Ainda assim, isso é exatamente o que o “sistema mundial” quer que você se sinta: “confuso, perplexo e ameaçado”, porque, desta forma, eles podem promover os seus planos de engenharia social e de controle, sem riscos de séria dissidência …

Entretanto, apesar de tudo isso e de todo esse cenário, está claro pelas Escrituras que “no amor de Deus, o perfeito amor, não há nenhum medo” (1 João 4:18,19), especialmente porque sabemos que não há nenhum poder real além do SENHOR (isto é, Ele é o único verdadeiro poder no universo, apesar das ameaças que a humanidade rotineiramente coloca uns sobre os outros) …. O SENHOR, o Deus de Israel, está no controle de todas as coisas. Na verdade, Jesus (Yeshua) é chamado de “o Soberano dos reis da terra” (Apocalipse 1:5) – e isso significa que, no fim, todos vão responder e estar sujeitos a Ele. O SENHOR Deus Todo-Poderoso reina, e nós não necessitamos de ficar sujeitos ao medo do homem ou de seus dispositivos. Invoque o nome do SENHOR e caminhe com fé!

Nesse artigo eu vou abordar algumas curiosidades observadas na tradição escatológica do judaísmo ortodoxo ( o qual não reconhece Jesus como o Messias ), que é o período de tempo imediatamente antes da chegada do Messias e que é, às vezes, chamado ikvot meshicha (עִקְּבוֹת מְשִׁיחַ), o momento em que os “passos do Messias” podem ser ouvidos. Este é o tempo designado por Deus para a redenção messiânica final e o encerramento da época atual, segundo o judaísmo ortodoxo. Para os cristãos, isto refere-se ao tempo pouco antes da segunda vinda de Jesus para julgar as nações e estabelecer o Seu reino em Jerusalém. Aqui está como a Mishná, a tradição oral judaica, descreve esse tempo:

Com os passos do Messias a soberba deve aumentar e a escassez chegar à sua medida . . . A sabedoria dos escribas se tornará insípida e os que evitam o pecado serão considerados desprezíveis, e a verdade em nenhuma parte será encontrada. Crianças devem envergonhar os anciãos, e os anciãos se levantarão diante dos filhos, pois “o filho desonra o pai, a filha se levanta contra a sua mãe, a nora contra a sogra: os inimigos do homem são os homens da sua própria casa”. A face desta geração é como a face de um cão, um filho não vai sentir vergonha diante de seu pai. (Sotah 9:15b).

De acordo com fontes judaicas ortodoxas tradicionais (Pesachim 54b; Midrash Tehilim 9:2), ninguém sabe o momento em que o Messias aparecerá – embora existam algumas “dicas”. Deus criou o mundo em seis dias, onde cada um dos quais representa mil anos. O sétimo dia é o início do grande sábado de descanso messiânico e, portanto, essa era não pode durar para além de 6.000 anos, interpretação essa que vem muito antes dos tempos de Cristo nas escolas rabínicas antigas … alguns estudiosos rabinos atribuem essa interpretação como vindo desde os tempos da escola do profeta Elias … outros, de antes, dos tempos de Enoque. De acordo com o calendário judaico tradicional estamos vivendo perto do fim do sexto milênio, o “Erev Shabbat” do mundo. Estamos nos aproximando, em outras palavras, do profetizado Fim dos Dias desta era e do aparecimento do Messias (para nós cristãos, da segunda vinda de Cristo)!

eschatology3

De acordo com os sábios judeus até o ano 6.000 o Messias tem que chegar, podendo chegar antes. Isso está de acordo também com os ensinamentos de Jesus e de Suas testemunhas apostólicas (Mateus 24:36-44; 1 Tessalonicenses 5:1-3; 2Pedro 3:10; Apocalipse 3:3). A condição do mundo durante o “acharit Hayamim” (o “fim dos dias”) será grosseiramente má (2 Pedro 3:3; 2 Tessalonicenses 2:3-4, 2 Timóteo 3:1-5). Segundo o entendimento escatológico do judaísmo Ortodoxo, o mundo vai sofrer várias formas de tribulação, chamado “chevlei Mashiach” – as “dores de parto do Messias” (Sanhedrin 98a; Ketubot, Bereshit Rabá 42:4, Mateus 24:8). Às vezes, as dores de parto se dizem que são para durar uma geração, com os últimos 7 anos como sendo o mais intenso período de tribulação – o “tempo da angústia de Jacó” (Jeremias 30:7). A primeira onda de problemas vieram de Edom (isto é, de “Roma/Europa”), na forma do Holocausto; a segunda onda é proveniente de Ismael (isto é, os países árabes) na forma do conflito árabe-israelense. Isso está de acordo com os ensinamentos de Jesus no Sermão do Monte (Mateus 24-25). Para os sábios judeus, alguns dos “sinais” deste período incluem o surgimento de vários falsos profetas, numerosas guerras e “rumores de guerras” (incluindo a ascensão de Magog), fome, terremotos, a apostasia em todo o mundo a partir da fé, perseguição e uma espécie globalizada de impiedade que é revelada no egoísmo desenfreado, avidez, ousadia (audácia), falta de vergonha e uma falta geral de gratidão. O maior sinal, no entanto, é que Israel existirá mais uma vez como uma nação soberana, apesar do exílio profetizado entre as nações (Deuteronômio 4:27-31; Jeremias 30:1-3).

De acordo com alguns dos sábios entre os judeus ortodoxos, o trabalho de Pirkei D’Rabbi Eliezer, do século 9, prediz que pouco antes da vinda do Messias, “Ismael” (leia-se, islâmicos) vai crescer e emergir em poder para aterrorizar o mundo. De acordo com o Yalkut Shimoni (uma compilação comentada de livros da Bíblia Hebraica, escrita por volta do século 13 aproximadamente), o rei da Pérsia (Irã) vai “ter uma arma que vai aterrorizar o mundo”. A vinda do “Messias do Mal” (nome de código Armilus) em seguida iria aparecer no palco do mundo para oferecer um tratado de paz para Israel e o Oriente Médio”, mas que, “quando disserem: ‘paz e segurança’ (aliança confirmada), em seguida, sobrevirá repentina destruição sobre eles, como as dores de parto que vem sobre uma mulher grávida (o tempo da angústia de Jacó), e eles não vão escapar” (veja 1 Tessalonicenses 5:3).

Armilus (em hebraico ארמילוס) (também escrito Armilos e Armilius) é uma figura anti-messias na escatologia judaica medieval, comparável à interpretações medievais do Anticristo cristão e do Dajjal islâmico, que vai conquistar Jerusalém e perseguir os judeus até a sua derrota final nas mãos de Deus ou do verdadeiro Messias. Sua inevitável destruição simboliza a vitória final do bem sobre o mal na era messiânica. O Sefer (livro) Zorobabel é provavelmente do século 7. Armilus é imaginado talvez como sendo um criptograma para Heráclio e pensa-se que os eventos descritos no Sefer (livro) Zorobabel coincidem com a revolta judaica contra Heráclio. O Midrash Vayosha do século 11, que descreve Armilus, foi publicado em Constantinopla em 1519.

De acordo com a Enciclopédia Judaica, Armilus é “um rei que irá surgir no final do tempo contra o Messias, e será conquistado por ele depois de ter trazido muita angústia sobre Israel”. Ele é mencionado no Midrash Vayosha, Sefer (livro) Zorobabel e outros textos. Ele é um adversário semelhante a Gog e Magog. No Sefer (livro) Zorobabel ele toma o lugar de Magog e derrota o Messias “ben Joseph” (filho de José). A origem desta figura, que dizem ser a prole de Satanás e uma virgem, ou de Satanás e uma estátua (ou “pedra”), é considerado como questionável pela Enciclopédia Judaica, devido à variação e uma relação clara (se não paródia) da doutrina cristã, lendas e escrituras.

Este é o significado dos extraordinários acontecimentos mundiais cataclísmicos que estamos presenciando neste tempo … Finalmente, o período da Grande Tribulação é redentor e de cura (chamado yissurei ahavah, “os problemas do amor”). Os profetas escreveram que Sião vai passar por trabalho de parto e, em seguida, dará à luz filhos (Isaías 66:8). Assim, o rabino Vilna Gaon (1720-1797), escreveu que a “geulah” (a redenção nacional) é algo como o renascimento da nação de Israel. Isso está de acordo com o cumprimento profético do Yom Kippur como o dia do juízo e o tempo de conversão nacional de Israel. Vilna Gaon também proferiu uma profecia curiosa no século XVIII que diz: “Quando você ouvir que os russos capturaram a Criméia, você deve saber que os tempos do Messias já começaram, e que seus passos estão sendo ouvidos. E quando você ouvir que os russos tenham atingido a cidade de Constantinopla (a Istambul de hoje), você deve colocar a sua roupa de Shabat e não tirá-las, porque isso significa que o Messias está prestes a chegar a qualquer minuto”. No verso do profeta Jeremias sobre o “tempo de dores de Jacó”, isso é vital para se ver o objetivo em mente de que ele, Jacó (Israel), será livre dela (da angústia)”. Os sábios observam que o parto é um momento de transição radical e de luta para o bebê – a partir do tempo de uma existência relativamente pacífica dentro do útero para a dura luz do dia – e, portanto, uma transição semelhante entre este mundo e o mundo messiânico por vir que está prestes a ter lugar ….

É interessante observar essas interpretações escatológicas de muitos judeus ortodoxos quando comparados à luz da escatologia cristã, fica perceptível as muitas similaridades. Certamente, podemos olhar para o Senhor, bendito seja o Seu nome, para revelar o cumprimento da redenção em breve! Maranata Yeshua!

Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-O, porque, certamente, virá, não tardará.” (Habacuque 2:3)

Que o SENHOR lhe abençoe de forma abundante! 🙏❤️

* adaptado e com acréscimos feitos por mim do artigo original de John J. Parsons, aqui.

Chegou o momento para que Deus revele o Messias, diz o rabino-chefe de Jerusalém

As coisas continuam interessantes no que tange à Israel e a espera pelo Messias, segue o artigo traduzido …
—————————————————————————————————-
Em uma história surpreendentemente sub-relatada, um dos rabinos-chefe de Jerusalém, o Rabino Shlomo Amar emitiu uma decisão na segunda-feira de que Deus deve trazer o Messias e acelerar a redenção final. A decisão foi entregue durante um encontro espiritual durante toda a noite entre rabinos do movimento Chabad-Lubavitch e uma gravação do momento foi postado no YouTube (em hebraico).

Nos dias que antecederam a decisão por Amar, perto de 6.000 rabinos e líderes da comunidade judaica participaram da Kinus Hashluchim anual (Conferência Internacional de Emissários de Chabad-Lubavitch) no Brooklyn, NY. O movimento Chabad-Lubavitch tem emissários que servem ao povo judeu em mais de 75 países ao redor do mundo. A cada ano, eles se reúnem em Nova York para a sua conferência anual.

Depois de concluídos os procedimentos oficiais da conferência, Amar e outros se reuniram na sede mundial da Chabad-Lubavitch, também no Brooklyn, NY, para uma farbrengen informal. A farbrenguen é uma confraternização no mundo Chabad-Lubavitch, onde pensamentos inspirados são compartilhados e melodias espirituais sem palavras, chamadas Niggunim, são cantadas. Os alimentos doces, vinho e outros itens são servidos frequentemente.

Durante esta reunião espontânea, e sem dúvida influenciado pelo sucesso inebriante da conferência que tinha acabado de concluir, Rabbi Berel Lazar, um dos dois principais rabinos da Rússia, lembrou Amar que há 25 anos, o Rebe, Rabi Menachem Mendel Schneerson, o último cabeça do movimento Chabad-Lubavitch, que faleceu em 1994, tinha pedido a Amar para emitir um din psak (decisão rabínica oficial) sobre a questão da redenção do povo judeu.

Vinte e cinco anos mais tarde, neste encontro, nas primeiras horas da manhã de 09 de novembro de 2015, Amar concordou que tinha chegado o momento de declarar que Deus deve acelerar a chegada do messias.

Na presença de dezenas de colegas e segurando as mãos dos dois homens sentados mais próximos a ele, Amar pronunciou, “Vimos por este meio governar de acordo com a demanda do público -, vemos o autor, mas não podemos ver o réu – que Deus Todo-Poderoso rapidamente porá um fim e revelará o Mashiach (Messias) na frente de nossos olhos na realidade”.

Apesar da hora tardia, sua declaração foi recebida com um caloroso “Amém!” da multidão. Imediatamente após, a multidão começou a cantar “Nós queremos Mashiach agora! Nós não queremos esperar! “Estas palavras vêm de uma música que as crianças Lubavitch são ensinadas a cantar a partir de uma idade muito precoce.

Como é possível que um rabino, mesmo um dos principais rabinos de Jerusalém, possa tomar uma decisão na lei judaica que obriga Deus? A agência de notícias Breaking Israel News colocou esta questão ao sênior Chabad Rabino Uri Kaploun que disse: “Tudo o que me vem à mente é o axioma em Chazal (os sábios judeus) que Lo BaShamayim Hi (que não está no Céu): uma vez que a Torá foi dada, a corte terrena faz com que as decisões, e o Tribunal Celestial está, por assim dizer, obrigado por eles”.

In a surprisingly under-reported story, one of Jerusalem’s chief rabbis, Rabbi Shlomo Amar issued a ruling on Monday that God must bring the messiah and…
BREAKINGISRAELNEWS.COM

Fonte: Dionei Vieira – As coisas continuam interessantes no que tange à…

O Paradoxo Entre Agraciados e Agradecidos

Hoje, ao tomar uma ducha, agradeci várias vezes ao meu SENHOR pelo enorme privilégio que Ele me proporcionou de existir nesse tempo e nesse lugar.

Você já se deu conta de como nossa geração e época são felizardas?! Pense bem, faça um comparativo simples, observe o simples hábito de se tomar um banho e de se usar um banheiro atualmente quando comparado à forma em como isso era feito no início do século passado. Hoje podemos facilmente escolher entre um banho quente ou frio, temos diversos produtos de limpeza e higiene pessoal à disposição e muitos outros benefícios quando se observa apenas o mero hábito de se utilizar um banheiro, sem mencionar ainda que em muitos lugares do mundo, infelizmente, ainda há pessoas que vivem nas condições similares ao do início do século passado nesse quesito.

Mas a maioria de nós vive em um mundo onde há energia elétrica disponível abundantemente e com uma malha enorme de meios de transporte, uma série de eletrodomésticos que facilitam a vida doméstica e dispositivos de comunicação que permitem acesso a uma infinidade de informações, entre muitas outras coisas e tecnologias.

Mesmo assim experimentamos um enorme paradoxo, ao mesmo tempo em que somos a geração mais agraciada pelos benefícios da vida moderna, somos, talvez, a menos agradecida por isso. Se tivéssemos de listar tudo a que teríamos de agradecer ao Altíssimo pelas benesses dos tempos atuais, faltaria papel e tinta se o fizéssemos por escrito, pois desde a natureza que nos cerca, incluindo nosso corpo que é um milagre em si, passando pela nossa existência até aos benefícios modernos e tudo o mais, não conseguiríamos nem mesmo relacionar tudo pelo qual teríamos de ser gratos a cada instante.

Eu não me excluo nessa crítica, faço parte dela e por isso eu tenho me esforçado a cada dia em ser cada vez mais grato ao meu SENHOR por tudo que tem me proporcionado, inclusive pelas dificuldades, disciplinas e problemas, pois muitas vezes servem-me como portas e/ou escadas que me levam para um nível mais alto de crescimento em conhecer ao Eterno … e isso é o que vale ao fim de tudo.

Se vivemos um tempo difícil e com perspectivas negativas, no escopo como uma sociedade global, isso deve-se única e exclusivamente pela maldade no coração do homem e o seu respectivo distanciamento dos caminhos do SENHOR. Por isso o paradoxo, somos abundantemente agraciados com os benefícios do Altíssimo todos os dias, mas, coletivamente, somos cada vez menos gratos a Ele por tudo isso.

Que você e eu possamos, nesse quesito da gratidão, ir contra essa correnteza e sermos a cada dia, mais e mais agradecidos!

Bondade e misericórdia certamente me seguirão TODOS os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre.” (Salmo 23:6)

Rendam graças ao SENHOR por Sua bondade e por Suas maravilhas para com os filhos dos homens!” (Salmo 107:8,15,21,31)

Toda a honra e toda a glória ao SENHOR!

Fonte: Dionei Vieira – Hoje, ao tomar uma ducha, agradeci várias vezes ao…