A Segunda Barreira

veu

No Templo de Jerusalém haviam duas grandes barreiras que separavam Deus do homem. Uma consistia em uma enorme porta, chamada de Hekal, a porta do Lugar Santo, que separava o Lugar Santo no templo. A outra, mais profunda, era o colossal véu que separava o Lugar Santo do Santíssimo (o Santo dos Santos) e que apenas o sumo-sacerdote podia atravessar no Dia da Expiação (o Yom Kippur, יוֹם כִּיפּוּר‎).

Eram representações das barreiras que nos separavam, a cada um de nós, de Deus; o abismo entre o pecador e o santo. Mas está registrado no Novo Testamento (em Mateus 27:50,51) que, no momento da morte do Messias, o véu do Santo dos Santos foi dividido em dois.

O que significaria isso? Que a barreira entre o homem e Deus, no Santo dos Santos, foi removida. Mas ainda havia uma segunda barreira: a enorme porta do Lugar Santo. Não deveria essa barreira também ter sido aberta? Poderia ter ocorrido um segundo sinal, como sendo uma segunda testemunha? Sim, houve, e um muito poderoso …

portas

Isso está registrado em Tractate Yoma 39b ( você pode ver essa passagem aqui ), nos escritos dos Rabinos, o Talmud. Nesses escritos estão os incríveis relatos registrados pelos Rabinos de que, antes da destruição de Jerusalém, em 70 dC, coisas estranhas começaram a acontecer no Templo. A segunda barreira, a porta Hekal, começou a abrir sozinha, isso começou cerca de 40 anos antes da destruição do Templo, ou seja, por volta de 30 dC, à época da crucificação de Jesus. Sendo assim, os próprios Rabinos deram testemunho sobre a eliminação da segunda barreira que ocorreu com a morte do Messias, que separava Deus do homem … Deus de nós … desde então, o caminho para a Sua presença nos foi aberto.

Tal evento também aparece nos escritos do famoso historiador Josefo. Em seu livro “A Guerra dos Judeus” ( veja aqui ), há o relato da abertura sozinha, numa sexta à noite, da porta do pátio interior, que era de bronze e totalmente maciça, a qual precisava de vinte homens para a fechar a noite, e ainda com dificuldade, fixada por meio de barras de madeira cercadas de ferro e que tinha ferrolhos profundamente presos ao chão, o qual consistia numa pedra de um único bloco; tal evento surpreendeu a muitos a ponto de ser registrado em seu livro; esses eventos citados, entre outros, já serviam na época como um presságio do que viria a ocorrer poucos anos depois com a destruição do Templo, mas como o próprio Josefo declara, apenas os mais doutos (sábios) souberam interpretar corretamente os sinais que ocorriam.

Desde então, podemos ter intrepidez para entrar no Santo dos Santos, como está escrito …

Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus,” (Hebreus 10:19-21)

E Jesus, clamando outra vez com grande voz, entregou o espírito. Eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas;” (Mateus 27:50,51)

“… a fim de lançar mão da esperança proposta; a qual temos por âncora da alma, segura e firme e que penetra além do véu, onde Jesus, como precursor, entrou por nós, tendo-se tornado sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.” (Hebreus 6:18b-20)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *